quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Mielite transversa

Mielite transversal é uma condição neurológica produzida por inflamação anormal na medula espinhal, resultando num bloqueio dos impulsos nervosos e sintomas neurológicos. Mielite transversal é uma doença rara, com uma frequência estimada em cinco novos casos por cada milhão de pessoas, sendo uma condição que pode afetar qualquer pessoa, independentemente da idade, sexo ou raça.
Mielite transversal é uma síndrome neurológica rara, sendo um distúrbio inflamatório da medula espinhal. Mielite transversal pode ser devida a um vírus ou outro tipo de infecção, mas, em geral, a causa é desconhecida. Mielite transversal é um distúrbio auto-imune, o que significa que o sistema imunitário ataca os tecidos do próprio corpo. Em geral, mielite transversal é uma doença que aparece uma só vez com um início súbito, seguido de melhora ou estabilização.

Sintomas da mielite transversa

Pessoas com sintomas de mielite transversa podem:
  • Desenvolver um transtorno rapido e progressivo com dor nas costas, dormência e formigamento nas pernas, tronco e por vezes nos braços.
  • Ter fraqueza nas pernas e por vezes nos braços. A fraqueza pode tornar-se grave, levando, por vezes, à completa paralisia.
  • Ter problemas com o funcionamento do intestino e da bexiga.
  • Ter febre.

Tratamento de mielite transversa

A mielite transversa é uma doença relativamente rara, e por isso não se encontram bem definidos ensaios randomizados de tratamento para esta doença.
Na maioria dos casos, é necessária a hospitalização quando ocorre um ataque de mielite transversal, devido à gravidade da doença. Metilprednisolona intravenosa é o tratamento de primeira linha para um ataque desta condição. Geralmente, o fármaco é administrado ao longo de cinco a sete dias, seguido de uma diminuição gradual da dose de esteróides. O objetivo do tratamento consiste em reduzir o inchaço e a irritação, e acelerar a recuperação da doença. Existem possíveis efeitos colaterais com o tratamento com esteróides. A curto prazo, estes podem incluir:
  • Aumento da glucose no sangue
  • Baixo nível de potássio
  • Distúrbios de sono
  • Alterações de humor (irritabilidade, choro, ansiedade)
  • Ganho de peso
  • Bochechas coradas
  • Edema facial
  • Um gosto metálico (quando se utiliza IV Solu-Medrol®)
As complicações a longo prazo do tratamento com esteróides incluem:
  • Susceptibilidade à infecção
  • Osteoporose
  • Desenvolvimento de cataratas
  • Mudança de personalidade
  • Obesidade
  • Alterações cutâneas
  • Necrose asséptica ou lesão do ombro ou da articulação do quadril, mas necrose asséptica é rara
Outra abordagem para o tratamento de mielite transversa é um processo chamado plasmaferese. O processo parece eficaz para remover anticorpos que circulam no sangue, através de uma máquina, reduzindo a atividade do sistema imunológico.
Normalmente, a plasmaferese leva algumas horas para ser implementada a cada dois dias durante 10 a 14 dias, muitas vezes como parte de um internamento hospitalar. Cinco a sete tratamentos de plasmaferese, geralmente, tornam-se necessários para tratar a condição. O paciente poderá ter de recorrer a um cateter para permitir que o sangue seja retirado do sistema rapidamente. Os riscos de plasmaferese incluem o desconforto envolvido na retirada de sangue e colocação de um cateter, uma tendência para sangrar devido a uma redução do número de plaquetas (por vezes), e infecções.
Se o lúpus ou outro transtorno estiverem a causa a mielite transversa, o tratamento pode demorar mais tempo.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL