domingo, 21 de maio de 2017

Infertilidade

Quando uma mulher não consegue engravidar, apesar de ter relações sexuais desprotegidas frequentes à pelo menos um ano, isso significa que o casal é infértil. Neste caso, pode haver uma chance de que algo tratável possa estar a interferir com os seus esforços para ter um filho. A causa por trás da infertilidade pode ser um único problema na paciente ou no parceiro, ou uma combinação de fatores que interferem com a ocorrência ou a continuidade da gravidez. Felizmente, a infertilidade pode ser tratada através de terapias seguras e eficazes. Com estes tratamentos pode haver uma maior probabilidade de gravidez.

Sintomas de infertilidade

O principal sintoma da infertilidade é não conseguir engravidar. Pode não haver outros sintomas óbvios. Por vezes, uma mulher infértil pode ter períodos menstruais irregulares ou ausentes. Raramente, um homem infértil pode ter alguns sinais de problemas hormonais, tais como alterações no crescimento do cabelo ou função sexual.
A maioria dos casais, eventualmente, concebe, com ou sem tratamento.


Causas de inferilidade

Todos os passos durante a ovulação e fertilização precisam de acontecer corretamente, a fim de ocorrer uma gravidez. Por vezes, os problemas que causam infertilidade em casais estão presentes ao nascimento, e por vezes desenvolvem-se mais tarde ao longo da vida.
Causas de infertilidade podem afetar um ou ambos os parceiros. Em geral:
  • Em cerca de um terço dos casos, existe um problema com o homem.
  • Em cerca de um terço dos casos, existe um problema com a mulher.
  • Nos restantes casos, existem problemas com ambos os parceiros, ou nenhuma causa pode ser identificada.

Causas da infertilidade masculina

As causas de inferilidae masculina podem incluir:
  • A produção de espermatozóides anormais devido a testículos que não desceram, defeitos genéticos, problemas de saúde como diabetes ou infecções, como a clamídia, gonorreia, caxumba ou HIV. As veias dilatadas nos testículos (varicocele) também pode afetar a qualidade do esperma.
  • Problemas com a entrega do esperma devido a problemas sexuais, como ejaculação precoce; certas doenças genéticas, tais como fibrose cística; problemas estruturais, tais como um bloqueio no testículo; ou dano ou prejuízo para os órgãos reprodutivos.
  • Exposição excessiva a certos fatores ambientais, como pesticidas e outros produtos químicos e radiação. O tabagismo, álcool, maconha ou a toma de certos medicamentos, como antibióticos, anti-hipertensivos, esteróides anabolizantes ou outros, também podem afetar a fertilidade. A exposição frequente ao calor, como ocorre em saunas ou banheiras de hidromassagem, podem elevar a temperatura corporal central e podemafetar a produção de espermatozóides.
  • Danos relacionados ao câncer e seu tratamento, incluindo a radiação ou quimioterapia. O tratamento para câncer pode prejudicar a produção de espermatozóides, por vezes severamente.

Causas de infertilidade feminina

Causas de infertilidade feminina podem incluir:
  • Distúrbios de ovulação, que afetam a liberação de óvulos pelos ovários. Estes incluem distúrbios hormonais, como a síndrome do ovário policístico. Hiperprolactinemia, uma condição em que você tem demasiada prolactina (hormônio que estimula a produção de leite materno) também pode interferir com a ovulação. Muito hormônio da tireoide (hipertireoidismo) ou muito pouco hormônio (hipotireoidismo) podem afetar o ciclo menstrual ou causar infertilidade. Outras causas podem incluir o exercício excessivo, distúrbios alimentares, lesões ou tumores.
  • Anormalidades uterinas ou do colo do útero, incluindo anormalidades com a abertura do colo do útero, pólipos no útero ou a forma do útero. Tumores não cancerosos (benignos) na parede do útero (miomas uterinos) raramente podem causar infertilidade ao bloquear as trompas de falópio. Mais frequentemente, os miomas interferem com a implantação do óvulo fecundado.
  • Danos ou bloqueio na trompa de Falópio, muitas vezes causados pela inflamação das trompas de Falópio (salpingite). Isto pode resultar de doença inflamatória pélvica, que geralmente é causada por uma doença sexualmente transmissível, endometriose ou aderências.
  • Endometriose, que ocorre quando o tecido endometrial cresce fora do útero, o que pode afetar a função dos ovários, útero e trompas de Falópio.
  • Insuficiência ovariana primária (menopausa precoce), quando os ovários param de funcionar e a menstruação termina antes dos 40 anos. Apesar da causa ser muitas vezes desconhecida, certos fatores estão associados com a menopausa precoce, incluindo doenças do sistema imunológico, certas condições genéticas, como a síndrome de Turner ou no caso de portadores de síndrome do X frágil. O tratamento com radiação ou quimioterapia e o tabagismo também podem contribuir para a condição.
  • Aderências pélvicas, faixas de tecido cicatricial que se ligam aos órgãos após infecção pélvica, apendicite, ou cirurgia pélvica.

Outras causas

Outras causas de infertilidade em mulheres incluem:
  • Câncer e seu tratamento. Certos tipos de câncer (cânceres do sistema reprodutivo, particularmente do sexo feminino) muitas vezes prejudica gravemente a fertilidade feminina. Tanto a radiação como a quimioterapia podem afetar a fertilidade.
  • Outras condições. Condições médicas associadas à puberdade atrasada ou a ausência de menstruação (amenorreia), tais como a doença celíaca, diabetes mal controlada e algumas doenças auto-imunes, como lúpus, podem afetar a fertilidade de uma mulher. Anormalidades genéticas também podem tornar a concepção e a gravidez menos provável.


Diagnóstico para infertilidade

Antes de testar a infertilidade, o seu médico tentará compreender os seus hábitos sexuais e pode fazer recomendações com base nestes fatos. Nalguns casais inférteis, nenhuma causa específica é encontrada (infertilidade inexplicada).
A avaliação da infertilidade pode ser cara, e por vezes envolve procedimentos desconfortáveis. Muitos planos de saúde não podem reembolsar o custo do tratamento de fertilidade. Finalmente, não existe nenhuma garantia (mesmo depois de todos os testes e aconselhamento) de que você possa engravidar.

Testes para homens

A fertilidade masculina requer que os testículos produzam esperma suficientemente saudável e que o esperma seja ejaculado efetivamente na vagina da mulher e viaje para o óvulo. Os testes para a infertilidade masculina permitem determinar se qualquer um desses processos estão prejudicados.
Você pode ser sujeito a um exame físico geral, incluindo o exame dos seus órgãos genitais. Os testes de fertilidade específicas podem incluir:
  • O espermograma. O seu médico pode pedir uma ou mais amostras de sêmen. Geralmente, o sêmen obtém-se com a masturbação ou interrupção da relação sexual e ejaculação do seu esperma num recipiente limpo. Um laboratório promoverá  análise do seu sémen.
  • Testes hormonais. Você pode ser sujeito a um exame de sangue para determinar o nível de testosterona e outros hormônios masculinos.
  • Os testes genéticos. O teste genético pode ser feito para determinar se existe um defeito genético que cause infertilidade.
  • A biópsia testicular. Em casos selecionados, uma biópsia testicular pode ser realizada para identificar anormalidades que contribuem para a infertilidade e para recuperar o esperma, para uso com técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro.
  • Testes de imagem. Em determinadas situações, exames de imagem, como a ressonância magnética do cérebro, varredura da densidade mineral óssea, transretal ou ultra-som escrotal, ou um teste do canal deferente (vasografia) podem ser realizados.
  • Outros testes de especialidade. Em casos raros, outros testes para avaliar a qualidade do esperma podem ser realizados, tal como avaliação de uma amostra de sêmen para anormalidades do ADN.

Testes para as mulheres

A fertilidade nas mulheres depende dos ovários liberarem óvulos saudáveis. O trato reprodutivo deve permitir que um óvulo possa passar nas suas trompas de Falópio e juntar-se com o esperma para a fecundação. O óvulo fertilizado deve viajar para o útero e implantar-se no forro. Os testes para infertilidade feminina podem determinar se qualquer um destes processos se encontram prejudicados.
Você pode ser sujeito a um exame físico geral, incluindo um exame ginecológico regular. Testes de fertilidade específicos podem incluir:
  • Testes de ovulação. Um teste de sangue mede os níveis hormonais para determinar se você está a ovular.
  • Histerossalpingografia. Histerossalpingografia avalia a condição do seu útero e trompas de Falópio e procura por bloqueios ou outros problemas. Contraste de raios-X é injetado no seu útero, e um raio-X é tomado para determinar se a cavidade se encontra normal e para garantir que não existe vazamento de fluido para fora das trompas de falópio.
  • Testes de reserva ovariana. Este teste ajuda a determinar a qualidade e quantidade dos óvulos disponíveis para a ovulação. Geralmente, esta abordagem começa com testes hormonais no início do ciclo menstrual.
  • Outros testes hormonais. Outros testes hormonais podem verificar os níveis de hormônios ovulatórios, assim como hormônios hipofisários que controlam processos reprodutivos.
  • Os exames de imagem. Uma ultra-sonografia pélvica pode procurar doença do útero ou na trompa de Falópio. Por vezes, uma histerossonografia é usada para ver detalhes no interior do útero, que não são vistos num ultrassom regular.
Dependendo da sua situação, raramente, os testes podem incluir:
  • Histeroscopia. Com base nos seus sintomas, o médico pode solicitar uma histeroscopia para procurar doença uterina ou na trompa de Falópio. Durante a histeroscopia, o médico insere um dispositivo fino e iluminado através do seu colo no seu útero para ver qualquer anormalidade potencial.
  • Laparoscopia. Esta cirurgia minimamente invasiva envolve fazer uma pequena incisão abaixo do umbigo e promove a inserção de um dispositivo de visualização fino para examinar as trompas, ovários e útero. A laparoscopia pode identificar a endometriose, cicatrizes, bloqueios ou irregularidades das trompas de falópio e problemas com os ovários e útero.
  • Os testes genéticos. Os testes genéticos ajudam a determinar se existe um defeito genético que cause infertilidade.
Nem todas as pessoas necessitam de ser sujeitas a todos estes testes antes da causa da infertilidade ser encontrada. Você e o seu médico irão decidir quais os testes a que você será sujeito e quando os promoverá.


Tratamento para infertilidade

Nos casos em que a gravidez espontânea não acontece, muitas vezes, os casais ainda podem conseguir uma gravidez com o uso de tecnologia de reprodução assistida. O tratamento de infertilidade pode envolver significativos compromissos financeiros, físicos, psicológicos e de tempo.

Tratamento de infertilidade em homens

Opções masculinas podem incluir tratamento para problemas sexuais gerais ou para falta de esperma saudável. O tratamento pode incluir:
  • Alterar os fatores de estilo de vida. Melhorar o estilo de vida e fatores comportamentais podem aumentar as chances de gravidez, incluindo a interrupção de medicamentos, redução/eliminação de substâncias nocivas, melhora da frequência e momento da relação sexual, estabelecimento de exercício regular e otimização de outros fatores que podem de outra forma prejudicar a fertilidade.
  • Medicamentos. Certos medicamentos podem melhorar a contagem de esperma de um homem e a probabilidade de conseguir uma gravidez bem sucedida. Estes medicamentos podem aumentar a função testicular, incluindo produção e qualidade do esperma.
  • Cirurgia. A cirurgia pode ser capaz de reverter um bloqueio de esperma e restaurar a fertilidade. Noutros casos, a reparação cirúrgica de um varicocele pode melhorar as chances globais para a gravidez.
  • Recuperação de espermatozóides. Estas técnicas permitem obter esperma quando a ejaculação é um problema ou quando nenhum esperma está presente no fluido ejaculado. Estas, também podem ser utilizadas nos casos em que as técnicas de reprodução assistida são planejadas e a contagem de espermatozóides é baixa ou de outra forma anormal.

Tratamento de infertilidade nas mulheres

Apesar de uma mulher poder precisar de apenas uma ou duas terapias para restaurar a fertilidade, é possível que vários tipos diferentes de tratamento possam ser necessários antes que ela seja capaz de conceber. Estes podem incluir:
  • Estimular a ovulação com medicamentos para a fertilidade. Medicamentos para a fertilidade são o principal tratamento para as mulheres que são inférteis devido a distúrbios de ovulação. Estes medicamentos regulam ou induzem a ovulação. Converse com o seu médico sobre as opções de medicamentos de fertilidade, incluindo os benefícios e riscos de cada tipo.
  • Inseminação intra-uterina (IIU). Durante a inseminação, esperma saudável é colocado diretamente no útero durante o período de liberação do óvulo da mulher para que um ou mais óvulos possam ser fertilizados. Dependendo das razões para a infertilidade, o momento da IIU pode ser coordenado com o seu ciclo normal ou com medicamentos de fertilidade.
  • Uma cirurgia para restabelecer a fertilidade. Problemas uterinos, como pólipos endometriais, um septo uterino ou tecido cicatricial intra-uterino podem ser tratados com cirurgia histeroscópica.


Tecnologia de reprodução assistida

A tecnologia de reprodução assistida é qualquer tratamento de fertilidade em que o óvulo e o espermatozóide são manipulados. Uma equipe de saúde inclui médicos, psicólogos, embriologistas, técnicos de laboratório, enfermeiros e profissionais de saúde que trabalham em conjunto para ajudar casais inférteis a conseguir a gravidez.
A fertilização in vitro é a técnica mais comum. Tecnologia de reprodução assistida envolve estimular e recuperar vários óvulos maduros de uma mulher, fertilizando-os com esperma de um homem num laboratório e consequente implantação dos embriões no útero depois de três a cinco dias após a fertilização.
Outras técnicas são muitas vezes utilizadas num ciclo de fertilização in vitro, tais como:
  • Injecção intracitoplasmática de espermatozóide. Um único esperma saudável é injetado diretamente num óvulo maduro. Esta técnica é frequentemente utilizada quando existe má qualidade ou pouca quantidade de sêmen, ou se as tentativas de fertilização durante ciclos anteriores de fertilização in vitro falharam.
  • Incubação assistida. Esta técnica auxilia a implantação do embrião no revestimento do útero através da abertura da cobertura exterior do embrião (incubação).
  • Óvulos ou esperma doados. A maioria dos casos de tecnologia de reprodução assistida é feita usando os próprios óvulos da mulher e espermatozóides do seu parceiro. No entanto, se existirem problemas graves com os óvulos ou esperma, você pode optar por usar óvulos, esperma ou embriões de um doador conhecido ou anônimo.
  • Transportadora gestacional. As mulheres que não têm útero funcional ou as mulheres em que a gravidez representa um risco grave para a saúde, podem escolher a fertilização in vitro utilizando uma transportadora gestacional. Neste caso, o embrião do casal é colocado no útero de um transportador para a gravidez.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL