sábado, 15 de abril de 2017

Diabetes

O diabetes refere-se a um grupo de doenças que afetam a forma como o seu corpo usa açúcar no sangue (glicose). A glicose é vital para a sua saúde porque é uma importante fonte de energia para as células que compõem os músculos e tecidos, sendo também a principal fonte de combustível do seu cérebro.
Se você tem diabetes, não importa o tipo, isso significa que você tem muita glicose no sangue, embora as causas possam ser diferentes. Demasiada glicose pode levar a sérios problemas de saúde.
As condições crônicas do diabetes incluem diabetes tipo 1 e diabetes tipo 2. As condições de diabetes potencialmente reversíveis incluem pré-diabetes (quando os seus níveis de açúcar no sangue são mais elevados do que o normal, mas não suficientemente elevados para serem classificados como diabetes) e diabetes gestacional, que ocorre durante a gravidez, mas que pode resolver-se após o parto.

Causas de diabetes

Para entender o diabetes, você deve entender primeiramente como é que a glicose é normalmente processada no corpo.

Como funciona a insulina

A insulina é um hormônio que tem origem numa glândula situada atrás e abaixo do estômago (pâncreas).
O pâncreas secreta insulina na corrente sanguínea.
A insulina circula, permitindo que o açúcar entre nas suas células.
A insulina reduz a quantidade de açúcar na sua corrente sanguínea.

O papel da glicose

A glicose (um açúcar) é uma fonte de energia para as células que compõem os músculos e outros tecidos.
A glicose provém de duas fontes principais, alimentos e fígado.
O açúcar é absorvido pela corrente sanguínea, onde entra nas células com a ajuda da insulina.
O seu fígado armazena e produz glicose.
Quando os níveis de glicose são baixos, como quando você não come durante um tempo, o fígado quebra o glicogênio armazenado em glicose para manter o seu nível de glicose dentro de um intervalo normal.

Causas do diabetes tipo 1

A causa exata do diabetes tipo 1 é desconhecida. O que se sabe é que o sistema imunológico (que normalmente combate bactérias ou vírus nocivos) ataca e destrói as suas células produtoras de insulina no pâncreas. Isto deixa você com pouca ou nenhuma insulina. Em vez de ser transportado, o açúcar acumula-se na sua corrente sanguínea.
Pensa-se que o diabetes tipo 1 possa ser causado por uma combinação de susceptibilidade genética e fatores ambientais, embora não se saiba exatamente o que motiva muitos desses fatores.

Causas de pré-diabetes e diabetes tipo 2

No pré-diabetes (que pode levar ao diabetes tipo 2) e no diabetes tipo 2, as células tornam-se resistentes à ação da insulina e o seu pâncreas torna-se incapaz de produzir insulina suficiente para superar essa resistência. Em vez de mover-se, o açúcar acumula-se na sua corrente sanguínea.
Exatamente por que isso acontece é incerto, embora se acredite que fatores genéticos e ambientais desempenham um papel no desenvolvimento de diabetes tipo 2. O excesso de peso está fortemente ligado ao desenvolvimento de diabetes tipo 2, mas nem todas as pessoas com diabetes tipo 2 estão acima do peso.

Sintomas de diabetes

Os sintomas do diabetes variam dependendo da quantidade de açúcar no sangue. Algumas pessoas, especialmente aquelas com pré-diabetes ou diabetes tipo 2, podem não ter sintomas inicialmente. No diabetes tipo 1, os sintomas tendem a aparecer rapidamente e a serem mais graves.
Alguns dos sinais e sintomas do diabetes do tipo 1 e diabetes tipo 2 incluem:
  • Aumento da sede
  • Micção frequente
  • Fome extrema
  • Perda de peso inexplicada
  • Presença de cetonas na urina (cetonas são um subproduto da quebra de músculo e gordura que acontece quando não existe insulina suficiente disponível)
  • Fadiga
  • Irritabilidade
  • Visão embaçada
  • Feridas de cicatrização lenta
  • Infecções frequentes, como gengivas ou infecções cutâneas e infecções vaginais
Apesar de diabetes tipo 1 poder desenvolver-se em qualquer idade, normalmente, a condição aparece durante a infância ou adolescência. Diabetes do tipo 2, o tipo mais comum, pode desenvolver-se em qualquer idade, embora seja mais comum em pessoas com mais de 40 anos.

Fatores de risco para diabetes

Os fatores de risco para diabetes dependem do tipo de diabetes.

Fatores de risco para diabetes tipo 1

Embora a causa exata do diabetes tipo 1 seja desconhecida, os fatores que podem sinalizar um risco aumentado incluem:
  • História familiar. O risco aumenta se um pai ou irmão tiverem diabetes tipo 1.
  • Fatores ambientais. Circunstâncias como a exposição a uma doença viral, provavelmente desempenham algum papel no diabetes tipo 1.
  • A presença de células prejudiciais do sistema imunológico (auto-anticorpos). Por vezes, os membros da família de pessoas com diabetes tipo 1 são testados para a presença de auto-anticorpos associados a diabetes. Se você tiver estes auto-anticorpos, você tem um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 1. Mas nem todas as pessoas que têm esses auto-anticorpos desenvolvem diabetes.
  • Fatores dietéticos. Estes incluem baixo consumo de vitamina D, exposição precoce ao leite de vaca ou fórmula de leite de vaca e exposição a cereais antes dos 4 meses de idade. Nenhum destes fatores tem sido mostrado como podendo causar diretamente o diabetes tipo 1.
  • Geografia. Alguns países, como a Finlândia e a Suécia, têm taxas mais elevadas de diabetes tipo 1.

Fatores de risco para pré-diabetes e diabetes tipo 2

Os pesquisadores não entendem completamente porque é que algumas pessoas desenvolvem pré-diabetes e diabetes tipo 2 e outras não. No entanto, e claro que certos fatores aumentam o risco. Estes podem incluir:
  • Peso. Quanto mais tecido adiposo você tiver, mais resistentes se tornam as suas células à insulina.
  • Inatividade. Quanto menos ativo você estiver, maior será o risco. A atividade física ajuda a controlar o peso, e usa a glicose como energia, tornando as suas células mais sensíveis à insulina.
  • História de família. O seu risco aumenta se um pai ou irmão tiver diabetes tipo 2.
  • Raça. embora não seja claro porque é que algumas pessoas de certas raças (incluindo negros, hispânicos, índios americanos e asiáticos-americanos) estão em maior risco.
  • Idade. O seu risco aumenta à medida que envelhece. Isto pode acontecer porque você tende a exercitar-se menos, perder massa muscular e ganhar peso à medida que envelhece. Mas diabetes tipo 2 também está a aumentar dramaticamente entre crianças, adolescentes e adultos mais jovens.
  • Diabetes gestacional. Se você desenvolveu diabetes gestacional quando estava grávida, o risco de desenvolver mais tarde pré-diabetes e diabetes tipo 2 aumenta. Se você deu à luz um bebê pesando mais de 4 quilos, você também estará em risco de diabetes tipo 2.
  • Síndrome dos ovários policísticos. Para as mulheres, a síndrome dos ovários policísticos (uma condição comum caracterizada por períodos menstruais irregulares, excesso de crescimento de cabelo e obesidade) aumenta o risco de diabetes.
  • Pressão alta. A pressão arterial acima de 140/90 milímetros de mercúrio (mm Hg) está associada a um risco aumentado de diabetes tipo 2.
  • Colesterol e níveis de triglicerídeos anormais. Se você tiver baixos níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL), ou "bom" colesterol, o risco de diabetes tipo 2 é maior. Os triglicerídeos são outro tipo de gordura transportada no sangue. Pessoas com níveis elevados de triglicerídeos têm um risco aumentado de diabetes tipo 2. O seu médico pode informá-lo sobre os níveis de colesterol e triglicerídeos.

Complicações associadas a diabetes

Complicações a longo prazo do diabetes desenvolvem-se gradualmente. Quanto mais tempo você tiver diabetes (e quanto menos controlado for o seu açúcar no sangue) maior o risco de complicações. Eventualmente, as complicações do diabetes podem ser incapacitantes. As possíveis complicações incluem:
  • Doença cardiovascular. Diabetes aumenta drasticamente o risco de vários problemas cardiovasculares, incluindo doença arterial coronariana com dor torácica (angina), ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e estreitamento das artérias (aterosclerose). Se você tem diabetes, é mais provável que tenha doença cardíaca ou derrame.
  • Dano no nervo (neuropatia). Excesso de açúcar pode ferir as paredes dos vasos sanguíneos minúsculos (capilares) que nutrem os seus nervos, especialmente nas suas pernas. Isto pode causar formigamento, dormência, queimação ou dor, que geralmente começa na ponta dos dedos e se espalha gradualmente para cima. Sem tratamento, você pode perder toda a sensação nos membros afetados. Danos nos nervos relacionados com a digestão podem causar problemas com náuseas, vômitos, diarreia ou constipação. Nos homens, pode levar à disfunção eréctil.
  • Danos renais (nefropatia). Os rins contêm milhões de minúsculos clusters de vasos sanguíneos (glomérulos) que filtram o desperdício do sangue. Diabetes pode danificar este sistema de filtragem delicado. Danos graves podem levar a insuficiência renal ou doença renal irreversível em estágio terminal, que pode exigir diálise ou um transplante de rim.
  • Danos oculares (retinopatia). Diabetes pode danificar os vasos sanguíneos da retina (retinopatia diabética), levando potencialmente à cegueira. Diabetes também aumenta o risco de outras condições graves da visão, como catarata e glaucoma.
  • Dano no pé. Danos no nervo dos pés ou fluxo sanguíneo pobre para os pés aumenta o risco de várias complicações no pé. Se os danos não forem tratados, cortes e bolhas podem desenvolver infecções graves, que muitas vezes curam mal. Estas infecções podem, em última instância, exigir a amputação do dedo do pé ou da perna.
  • Condições da pele. Diabetes pode deixá-lo mais suscetível a problemas de pele, incluindo infecções bacterianas e fúngicas.
  • Deficiência auditiva. Os problemas de audição são mais comuns em pessoas com diabetes.
  • Doença de Alzheimer. O diabetes tipo 2 pode aumentar o risco de doença de Alzheimer. Quanto mais pobre for o seu controle de açúcar no sangue, maior o risco parece ser. Embora existam teorias sobre como esses distúrbios podem estar conectados, ainda nenhuma foi provada.

Diagnóstico de diabetes

Os sintomas de diabetes tipo 1, muitas vezes surgem de repente e são motivo suficiente para verificar os níveis de açúcar no sangue. Os sintomas associados a outros tipos de diabetes e pré-diabetes podem aparecer de modo mais gradual, e podem não ser evidentes, pelo que alguns especialistas têm recomendado algumas orientações para promoção de triagem.
Essencialmente, todos os tipos de diabetes são diagnosticados tendo por base a medição de níveis de açúcar no sangue. Atendendo a que existem vários critérios associados à medição de açúcar no sangue, em função do tipo de condição e dos vários fatores que podem motivar a sua ocorrência, elaborámos um artigo específico sobre esta matéria, que tem como nome Diagnóstico de diabetes.

Tratamento para diabetes

Dependendo do tipo de diabetes que você tem, o monitoramento de açúcar no sangue, o uso de insulina e de medicamentos orais podem ser muito importantes no seu tratamento. A implementação de uma dieta saudável, manutenção de um peso saudável e participar em atividades físicas regulares também se tornam fatores importantes no controle do diabetes.
Atendendo a que existe muita informação relativa à forma de tratar e possível reversão de diabetes, promovemos um artigo específico sobre esta matéria, que tem como nome Tratamento para diabetes.
Este artigo engloba:
  • Tratamentos para todos os tipos de diabetes
  • Tratamentos para diabetes tipo 1 e tipo 2
  • Tratamento para diabetes gestacional
  • Tratamento para pré-diabetes
  • Sinais de problemas em qualquer tipo de diabetes

Estilo de vida e remédios caseiros para diabetes

Diabetes é uma doença grave. Seguir o seu plano de tratamento da diabetes assume-se como um compromisso 24 horas por dia. A gestão cuidadosa do diabetes pode reduzir o risco de complicações sérias ou mesmo fatais.
Não importa o tipo de diabetes que você tem:
  • Faça um compromisso para gerenciar o seu diabetes. Saiba tudo o que puder sobre diabetes. Estabeleça um relacionamento com um educador de diabetes, e peça ajuda à equipe de tratamento de diabetes, quando precisar.
  • Escolha alimentos saudáveis e mantenha um peso saudável. Perder apenas 7 por cento do seu peso corporal, se você estiver com sobrepeso, pode fazer uma diferença significativa no seu controle de açúcar no sangue. Uma dieta saudável deve incluir abundância de frutas, legumes, grãos integrais e leguminosas, com uma quantidade limitada de gordura saturada.
  • Fazer com que a atividade física se torne parte da sua rotina diária. O exercício regular pode ajudar a prevenir pré-diabetes e diabetes tipo 2, podendo ajudar a pessoa que já têm diabetes, para manter um melhor controle de açúcar no sangue. Trinta minutos de exercício moderado (como caminhada rápida) a maioria dos dias da semana é recomendado. Uma combinação de exercícios (exercícios aeróbicos, como andar ou dançar na maioria dos dias, combinada com treinamento de resistência, como halterofilismo ou ioga duas vezes por semana), muitas vezes ajuda a controlar o açúcar no sangue mais eficazmente do que qualquer tipo de exercício por si só.

Prevenção de diabetes

Diabetes tipo 1 não pode ser prevenido. No entanto, as escolhas saudáveis de estilo de vida ajudam a tratar pré-diabetes, diabetes tipo 2 e diabetes gestacional:
  • Coma alimentos saudáveis. Escolha alimentos com teores mais baixos de gordura e calorias e com maiores teores de fibras. Foque-se em frutas, vegetais e grãos inteiros. Esforce-se para manter variedade, de modo a evitar o tédio.
  • Obtenha mais atividade física. Obtenha 30 minutos de atividade física moderada por dia. Dê uma caminhada diária rápida. Ande na sua bicicleta. Nade. Se você não poder manter um treino longo, quebre-o em sessões menores, espalhadas ao longo do dia.
  • Perca o excesso de peso. Se você estiver acima do peso, perder até 7% do seu peso corporal  pode reduzir o risco de diabetes. Para manter o seu peso numa escala saudável, foque-se em mudanças permanentes nos seus hábitos de comer e de exercitar-se. Motive-se lembrando-se dos benefícios de perder peso, como um coração mais saudável, mais energia e melhor auto-estima.
  • Por vezes, a medicação também é uma opção. Medicamentos orais para o diabetes, como a metformina (Glucophage, Glumetza, outros) podem reduzir o risco de diabetes tipo 2, mas escolhas saudáveis de estilo de vida continuam a ser essenciais.
  • Realize um exame de açúcar no sangue pelo menos uma vez por ano, para verificar se você não desenvolveu diabetes tipo 2.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL