quinta-feira, 9 de março de 2017

Espinha bífida - Causas, sintomas e tratamento

Espinha bífida causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
A espinha bífida faz parte de um grupo de distúrbios chamados defeitos do tubo neural, que são malformações do cérebro, medula espinal ou das suas coberturas. 

Causas de espinha bífida

A espinha bífida ocorre quando o desenvolvimento da coluna vertebral do feto não fecha corretamente durante os primeiros 28 dias após a fertilização. O distúrbio pode tomar uma de três formas:
  • Espinha bífida oculta - A coluna vertebral não está completamente fechada. Isto pode não causar quaisquer sintomas e muitas vezes não requer tratamento.
  • Meningocele - Partes de cobertura da medula espinal chamadas meninges, podem sobressair através de uma abertura na parte de trás.
  • Mieloningocele - Uma porção da própria medula espinal sobressai através de uma abertura na parte de trás.
Meningoceles e mielomeningoceles podem aparecer como estruturas tipo “bolsas” nas costas de uma criança ao nascer. Quando a maioria das pessoas se referem a espinha bífida, elas estão a referir-se à forma mais grave, mielomeningocele. A incidência de defeitos do tubo neural varia conforme o país, variando entre 1 e 10 casos por cada 10.000 nascimentos. As maiores taxas de incidência são muitas vezes relatadas entre as populações mais pobres.

Sintomas de espinha bífida

Os sintomas da espinha bífida podem variar desde ligeiros a graves, dependendo da gravidade da condição em si. Em mielomeningocele, a criança pode ter fraqueza ou paralisia muscular abaixo do nível da coluna vertebral incompletamente fechada, porque os nervos que viajam para o resto do corpo, a partir da medula espinal não funcionam adequadamente. Perda de sensação e uma incapacidade para controlar a bexiga ou a função intestinal são comuns. Além disso, o fluido cerebrospinal pode acumular-se no cérebro, levando a uma condição chamada hidrocefalia, que é comum em crianças com mielomeningocele. Se deixada sem tratamento, hidrocefalia pode causar dano cerebral, cegueira ou convulsões.
Além dos problemas físicos, a espinha bífida pode produzir problemas de aprendizagem, incluindo dificuldade com:
  • Prestar atenção e expressar ou compreender a linguagem falada
  • Leitura e conceitos matemáticos
  • Organizar ou sequenciar informações
Muitas vezes, defeitos adicionais de nascimento acompanham a espinha bífida, incluindo o desenvolvimento anormal do cérebro (chamado de malformação de Chiari II), fissura do lábio ou palato, malformações cardíacas e desenvolvimento de trato geniturinário anormal. Outras condições que podem ocorrer mais frequentemente em pessoas com espinha bífida incluem alergia ao látex (talvez relacionada com as múltiplas cirurgias necessárias no início da vida), obesidade, problemas de pele, depressão e transtornos gastrointestinais. A espinha bífida também está associada a escoliose, talvez como uma complicação da paralisia muscular ou anormalidades na medula espinhal.

Diagnóstico de espinha bífida

Na maior parte das vezes, a espinha bífida é diagnosticada no nascimento, quando se visualiza uma bolsa na coluna do bebê. Pode suspeitar-se de espinha bífida durante a gravidez porque num teste de triagem, a alfa-fetoproteína é maior do que o normal. Porque um número de fatores podem influenciar os resultados de um teste deste tipo, um nível alto não estabelece o diagnóstico por si só. Se o nível for elevado, o teste é geralmente repetido, e se o nível ainda for anormal, podem ser recomendados mais estudos de diagnóstico, tais como ultrassons e a amniocentese.

Tratamento para espinha bífida

Enquanto que normalmente a espinha bífida oculta não requer tratamento, geralmente, os tipos mais graves de espinha bífida requerem cirurgia para fechar a abertura na parte de trás, para preservar a função da medula espinhal, e para reduzir o risco de infecção. Muitas vezes, cirurgias adicionais são necessárias. Um procedimento que drena o excesso de líquido do cérebro para o abdômen, controla a hidrocefalia e pode prevenir ou reduzir muitas das consequências desta condição.
As crianças com espinha bífida terão de aprender a usar cadeiras de rodas, muletas ou outros dispositivos para melhorar a sua mobilidade. Outras intervenções podem ajudá-las a tornar-se mais independentes na gestão de problemas de bexiga e intestino. As questões educacionais podem ser abordadas por profissionais competentes.


Prevenção de espinha bífida

Estudos têm demonstrado que a obtenção de ácido fólico suficiente na mulher reduz dramaticamente a chance de dar à luz um bebê com espinha bífida. De acordo com algumas estimativas, o número de casos de espinha bífida será reduzido em 75%, se todas as mães consumiram 0,4 miligramas de ácido fólico todos os dias antes de engravidar e durante o primeiro trimestre da gravidez. Suplementação de ácido fólico deve começar antes da gravidez ocorrer, porque a coluna vertebral forma-se muito cedo após a fertilização. Em adição à sua capacidade de prevenir a espinha bífida, o ácido fólico também parece reduzir a sua gravidade.

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL