terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Sepsia - Causas e tratamento de sepsia

Sepsia causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
A sepsia é uma complicação potencialmente fatal devida a uma infecção. Sepsia ocorre quando substâncias químicas liberadas na corrente sanguínea para combater a infecção desencadeiam respostas inflamatórias em todo o corpo. Esta inflamação pode desencadear uma acumulação de alterações que podem danificar múltiplos sistemas de órgãos, fazendo com que estes possam falhar.
Se sepsia progredir para choque séptico, a pressão arterial cai drasticamente, o que pode conduzir à morte.
Qualquer pessoa pode desenvolver sepsia, mas esta é mais comum e mais perigosa em adultos mais velhos ou naquelas que têm sistemas imunitários enfraquecidos. O tratamento precoce da sepsia, geralmente com antibióticos e grandes quantidades de fluidos intravenosos, melhora as chances de sobrevivência.

Sintomas de sepsia

Muitos médicos consideram a sepsia como uma síndrome em três fases, começando com sepsia e progredindo para sepsia grave e choque séptico. O objetivo é tratar a sepsia durante a sua fase inicial, antes que ela se torne mais perigosa.

Sepsia

Para ser diagnosticado com sepsia, você deve apresentar pelo menos dois dos seguintes sintomas, além de uma provável ou confirmada infecção:
  • Temperatura corporal acima de 38,3 ºC ou abaixo de 36 ºC
  • Frequência cardíaca acima de 90 batimentos por minuto
  • Frequência respiratória maior do que 20 respirações por minuto

Sepsia grave

O diagnóstico será atualizado para sepsia grave se você também apresentar pelo menos um dos seguintes sinais e sintomas, que indicam que um órgão pode estar a falhar:
  • Diminuição significativa de produção de urina
  • Mudança abrupta no estado mental
  • Diminuição da contagem de plaquetas
  • Dificuldade para respirar
  • Anormal função de bombeamento do coração
  • Dor abdominal

Choque séptico

Para ser diagnosticado com choque séptico, você deve ter os sinais e sintomas de sepsia grave, acrescidos de pressão arterial extremamente baixa que não responde adequadamente a reposição simples de líquidos.

Causas de sepsia

Embora qualquer tipo de infecção (bacteriana, viral ou fúngica) possa levar a septicemia, as variedades mais prováveis incluem:
  • Pneumonia
  • Infecção abdominal
  • Infecção renal
  • Infecção da corrente sanguínea (bacteremia)
A incidência de sepsia parece estar a aumentar em muitos países. As causas deste aumento podem resultar de:
  • O envelhecimento da população. Em geral, as pessoas estão a viver mais tempo, o que pode aumentar o numero de pessoas com um maior risco, nomeadamente pessoas com mais de 65 anos.
  • Bactérias resistentes aos medicamentos. Muitos tipos de bactérias podem resistir aos efeitos de antibióticos. Estas bactérias resistentes aos antibióticos são frequentemente a causa das infecções que desencadeiam a sepsia.
  • Sistemas imunitários enfraquecidos. Cada vez mais pessoas vivem com sistemas imunitários enfraquecidos, causados pelo HIV, tratamentos de câncer ou medicamentos associados a transplante.


Fatores de risco para sepsia

Sepsia é mais comum e mais perigosa se você:
  • For muito jovem ou muito velho
  • Tiver um sistema imunológico comprometido
  • Já estiver muito doente, muitas vezes numa unidade de terapia intensiva de um hospital
  • Tiver ferimentos ou lesões, como queimaduras
  • Tiver dispositivos invasivos, como cateteres intravenosos ou tubos de respiração

Diagnóstico de sepsia

Diagnosticar sepsia pode ser difícil porque os sinais e sintomas podem ser causados por outros distúrbios. Muitas vezes, os médicos podem encomendar uma série de testes para tentar identificar a infecção subjacente.

Exames de sangue

Uma amostra do seu sangue deve ser obtida a partir de dois locais distintos e testada para:
  • A evidência de infecção
  • Problemas de coagulação
  • Anormalidade do fígado ou rím
  • Disponibilidade de oxigênio prejudicada
  • Desequilíbrio eletrolítico

Outros exames laboratoriais

Dependendo dos seus sintomas, o médico também pode recorrer a testes a um ou mais dos seguintes fluidos corporais:
  • Urina. Se o médico suspeitar que você tem uma infecção do trato urinário, ele pode querer que a sua urina seja analisada para sinais de bactérias.
  • Secreções de feridas. Se você tiver uma ferida que aparece infetada, testar uma amostra de secreções da ferida pode ajudar a mostrar que tipo de antibiótico pode funcionar melhor.
  • Secreções respiratórias. Se você estiver a tossir muco (escarro), você poderá ser testado para determinar que tipo de germe está a causar a infecção.

Exames de imagem

Se o local da infecção não for óbvio, o médico pode pedir um ou mais dos seguintes exames de imagem:
  • Raio X. Usando baixos níveis de radiação, os raios-X são bons para visualizar problemas nos seus pulmões.
  • A tomografia computadorizada (TC). Infecções no seu apêndice, pâncreas ou intestinos são mais fáceis de ver em tomografias. Esta tecnologia usa raios-X a partir de uma variedade de ângulos e combina-os para detalhar fatias transversais de estruturas internas do seu corpo.
  • O ultrassom. Esta tecnologia utiliza ondas sonoras para produzir imagens em tempo real, num monitor de vídeo. O ultrassom pode ser particularmente útil para verificar se existem infecções na sua vesícula biliar ou ovários.
  • A ressonância magnética. Ressonância magnética pode ser útil na identificação de infecções de tecidos moles, tais como abscessos dentro da sua coluna vertebral. Esta tecnologia utiliza ondas de rádio e um íman forte para produzir imagens transversais das suas estruturas internas.


Tratamento de sepsia

No início, o tratamento agressivo aumenta as suas chances de sobreviver a sepsia. Pessoas com sepsia grave requerem uma estreita vigilância e um tratamento numa unidade de cuidados intensivos de um hospital. Se você tiver sepsia grave ou choque séptico, podem ser necessárias medidas de salvamento para estabilizar a respiração e função cardíaca.

Medicamentos

Alguns medicamentos são usados no tratamento de septicemia. Estes podem incluir:
  • Antibióticos. O tratamento com antibióticos deve começar imediatamente nas primeiras seis horas ou mais cedo. Inicialmente, você receberá antibióticos de largo espectro, que são eficazes contra uma variedade de bactérias. Os antibióticos são administrados por via intravenosa (IV).
  • Depois de conhecer os resultados de exames de sangue, o médico pode mudar para um antibiótico diferente que seja mais adequado contra as bactérias específicas que estão a causar a infecção.
  • Vasopressores. Se a sua pressão arterial permanecer muito baixa, mesmo depois de receber fluidos intravenosos, você pode ser administrado com um medicamento vasopressor, que contrai os vasos sanguíneos e ajuda a aumentar a pressão arterial.
  • Outros medicamentos que podem ser usados incluem baixas doses de corticosteróides, insulina para ajudar a manter os níveis de açúcar no sangue estáveis, medicamentos que modificam as respostas do sistema imunológico e analgésicos ou sedativos.


Cirurgia

Uma cirurgia pode ser necessária para remover as fontes de infecção, tais como acumulações de pus (abscessos).

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL