quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Poliarterite nodosa - Causas e tratamento de poliarterite nodosa

Poliarterite nodosa causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Poliarterite nodosa é uma inflamação dos vasos sanguíneos (vasculite) que danifica as paredes das artérias de pequeno e médio porte do corpo, sendo uma condição rara, mas potencialmente ameaçadora da vida. Este dano retarda o fornecimento de sangue e nutrientes para as artérias, fazendo com que o tecido adjacente em muitas partes do corpo possa ficar ferido ou até mesmo destruído. Mais comunmete, a doença afeta os rins, os nervos dos braços e pernas e os órgãos abdominais, embora também possa envolver a pele, articulações, músculos, cérebro, coração, olhos e órgãos reprodutivos.
Em órgãos individuais, a poliarterite nodosa pode ter os seguintes efeitos:
  • Rins. insuficiência renal e hipertensão arterial relacionada com lesão renal.
  • Sistema nervoso. A lesão do nervo nos braços ou pernas, que podem causar dormência, formigamento ou perda de sensibilidade e movimento causado pela lesão de um feixe de nervos específicos. No cérebro, os danos podem provocar acidentes vasculares cerebrais, ataques ou alterações bruscas na função cerebral.
  • Órgãos abdominais. Dor no intestino, fígado ou pâncreas, especialmente depois de comer, ou até mesmo a morte de parte de um órgão, causada por uma interrupção no fornecimento de sangue. Aneurismas arteriais desenvolvem-se ao longo de uma artéria em áreas onde a vasculite enfraqueceu a parede arterial de repente, e podem-se romper. Isto pode levar a hemorragia no interior do abdômen, com dor abdominal grave com risco de vida.
  • Coração. Ataque cardíaco, bem como inflamação do revestimento do coração (pericardite). A insuficiência cardíaca congestiva pode tornar a respiração difícil.
  • Pele. Erupções cutâneas, nódulos na pele e uma erupção cutânea (púrpura) causados por hemorragias a partir de capilares danificados.
É difícil saber exatamente quantas pessoas têm esta doença, porque os seus sintomas podem ser confundidos com outras doenças e outras formas de vasculite. Um estudo britânico descobriu que poliarterite nodosa ocorre em três ou quatro pessoas em cada 1 milhão de pessoas a cada ano no Reino Unido. Nos Estados Unidos, pode ocorrer mais frequentemente. De acordo com um estudo de Minnesota, ocorreu em até nove em cada 1 milhão de pessoas.
Poliarterite nodosa pode afetar pessoas de todas as raças e grupos etários, mas mais geralmente atinge adultos entre as idades de 40 e 50 anos. Os homens são afetados cerca de duas vezes mais do que as mulheres.
Embora a causa da poliarterite nodosa seja desconhecida, algumas pesquisas têm ligado esta condição com a presença de aglomerados microscópicos de anticorpos do sistema de defesa do corpo, juntamente com proteínas estranhas, tais como partes de um vírus. Nalgumas pessoas com poliarterite nodosa, a doença parece ser desencadeada por uma infecção viral do fígado, hepatite B ou hepatite C.

Nalguns pacientes, os investigadores encontraram pelo menos um auto-anticorpo (uma proteína imunológica que ataca o corpo em vez de um invasor estranho) que parece estar relacionado com os danos arteriais de poliarterite nodosa. Este auto-anticorpo, chamado anticorpo anticitoplasma de neutrófilos, também foi encontrado no sangue de pacientes com outros transtornos de vasculite, incluindo granulomatose com poliangeíte (Wegener). No entanto, a maioria dos pacientes com poliarterite nodosa não tem este anticorpo no sangue ou tecidos, e muitos especialistas não acreditam que este anticorpo desempenhe um papel importante nesta condição.

Sintomas de poliartrite nodosa

Na maioria das pessoas, poliarterite nodosa desenvolve-se gradualmente ao longo de semanas a meses. Os primeiros sintomas incluem febre, perda de peso, fraqueza, sensação geral de doença (mal-estar), dores musculares, dores de cabeça ou dor abdominal. Estas queixas são chamadas de inespecíficas, já que muitas doenças e enfermidades produzem os mesmos sintomas. Eventualmente, estes sintomas são seguidos por sinais específicos de danos nas arteriais para um ou mais órgãos. Dependendo da localização e gravidade do dano, qualquer um dos seguintes sintomas podem ocorrer:
Porque a poliarterite nodosa pode causar uma grande variedade de sintomas, não existem duas pessoas que os sintam exatamente da mesma maneira.

Diagnóstico para poliartrite nodosa

O médico irá revisar a sua história médica e medicamentos que toma. Se o seu médico suspeitar que você tem poliarterite nodosa, ele vai perguntar se você está imunizado contra a hepatite B. O seu médico pode perguntar se você vive um estilo de vida que aumenta o risco de infecção de hepatite, como se você compartilha agulhas para injecção de drogas ou se tem relações sexuais desprotegidas.
Depois de verificar a sua temperatura corporal e pressão arterial, o seu médico irá examiná-lo. Dependendo dos seus sintomas, o médico irá prestar especial atenção à sua pele, abdômen e coração, e para quaisquer sintomas ou sinais neurológicos. Após o exame, o médico pode solicitar testes para procurar evidências de inflamação arterial e danos em órgãos, especialmente nos rins. Estes testes podem incluir:
  • Hemograma completo, para procurar evidência de anemia, que é comum na poliaretrite nodosa, ou outras contagens de sangue anormais que podem ser encontradas em infecções ou lúpus
  • Taxa de sedimentação de eritrócitos ou proteína C-reactiva, medidas de inflamação de corpo largo, geralmente elevadas em pacientes com vasculite
  • Química do sangue para medir os níveis de uréia e creatinina, dois produtos químicos que refletem a função renal
  • A análise da urina, que é um exame microscópico de urina, para verificar a existência de danos nos rins ou inflamação
  • Os exames de sangue para verificar se existe hepatite B ou hepatite C
  • Um exame de sangue para o anticorpo anticitoplasma de neutrófilos
  • Outros exames de sangue podem ser realizados para verificar se existem outras explicações para a sua condição
Para confirmar que você tem poliarterite nodosa, o médico pode recomendar a recolha de uma amostra (biópsia) do tecido envolvido, de modo que possa ser analisada sob um microscópio, para verificar se uma artéria está inflamada. Por exemplo, uma biópsia da pele pode ajudar a confirmar o diagnóstico. Como alternativa, o seu médico pode pedir um procedimento de raios-X chamado angiografia, que pode identificar aneurismas ou outras áreas com danos arteriais na área afetada. Isto é menos preciso do que a biópsia, mas nalguns casos, uma biopsia pode não ser possível; por exemplo, as principais artérias não podem ser amostradas sem causar hemorragias excessivas ou outras complicações. Em tais casos, um angiograma pode ser a melhor ferramenta para mostrar provas de vasculite. Por vezes, um angiograma usando tomografia computadorizada ou ressonância magnética, pode mostrar alterações nos vasos sanguíneos, sugestivos de vasculite. Embora um exame de sangue positivo para o anticorpo anticitoplasma de neutrófilos possa apoiar o diagnóstico em alguns pacientes, este teste não é suficiente para confirmar a poliarterite nodosa.

Tratamento para poliartrite nodosa

Se você não tem nenhuma evidência de hepatite e os seus sintomas são relativamente leves, o médico irá iniciar o tratamento com um medicamento esteróide, como a prednisona, um medicamento poderoso que suprime o sistema imunológico e reduz a inflamação. No entanto, se você tem sintomas mais graves que envolvem o coração, nervos ou rins, prednisona será combinado com um medicamento imunossupressor adicional, tal como ciclofosfamida (Cytoxan, Neosar) ou azatioprina (Imuran). Geralmente, um tratamento completo leva pelo menos um ano.
Se poliarterite nodosa estiver relacionada com hepatite B ou hepatite C, esta pode ser tratada com prednisona para controlar a inflamação arterial e medicamentos antivirais como o interferon para combater a infecção da hepatite. Por vezes, esta é seguida por plasmaferese (também chamada troca de plasma). Plasmaferese é um processo no qual o plasma é separado a partir do sangue, limpo de anticorpos anormais e, em seguida, substituído. O benefício global de plasmaferese para poliarterite nodosa induzida por hepatite viral não é claro.


Prognóstico para poliarterite nodosa

Com o tratamento adequado, pelo menos 80% das pessoas com poliarterite nodosa sobrevivem por cinco anos ou mais após o diagnóstico, e muitas vezes recuperam completamente. Num estudo realizado, o risco de recaídas após um tratamento bem sucedido foi apenas de cerca de 10%, apesar dos vasos sanguíneos danificados poderem causar problemas (tais como um ataque cardíaco) por muito tempo após a inflamação ter sido tratada. Sem tratamento adequado, apenas 10% das pessoas sobrevivem por cinco anos depois de serem diagnosticadas com esta condição.

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL