sábado, 7 de janeiro de 2017

Osteossarcoma

Osteossarcoma é o crescimento descontrolado de células anormais no osso. Embora seja o tipo mais comum de câncer ósseo, é raro.
Normalmente, osteossarcoma aparece como uma massa de osso anormal num braço ou perna, geralmente perto do joelho ou ombro. Menos frequentemente, o tumor pode desenvolver-se nos ossos pélvicos, mandíbula ou costelas e raramente se desenvolve nos dedos das mãos ou dos pés. No momento do diagnóstico, 10% a 20% de osteosarcomas espalharam-se (metástase) para uma outra parte do corpo, geralmente para os pulmões.
Mais de metade dos osteossarcomas desenvolvem-se em pessoas entre as idades de 10 e 20 anos, geralmente durante um surto de crescimento. Os jovens têm um risco maior de desenvolver a doença se tiverem câncer de olho ou síndrome de Li-Fraumeni.
Cerca de um terço dos adultos contrai osteossarcoma entre as idades de 40 e 50 anos. A doença é mais comum em homens do que mulheres. Adultos estão em maior risco se tiverem uma história de doença de Paget ou de terapia de radiação para o câncer.

Sintomas de osteossarcoma

Os sintomas incluem dor persistente e inchaço num braço ou perna, especialmente perto do joelho ou ombro. A dor pode ocorrer em repouso, e até pode acordar a pessoa do sono, podendo ser inicialmente confundida com uma lesão de entorse, particularmente em adolescentes ativos.
Também pode haver uma protuberância firme sobre um braço ou perna.


Diagnóstico de osteossarcoma

Porque osteossarcoma é muito raro, o seu médico irá formular perguntas sobre os seus sintomas e verificar se existem causas mais comuns de dor e inchaço nos membros, como lesões esportivas e artrite. Ele poderá examinar a área dolorida, sentindo o calor, inchaço e sensibilidade, para procurar sinais de inchaço ou fluido das articulações. Você será questionado sobre qualquer dificuldade de mover o membro ou de usar a articulação.
A verdadeira causa dos seus sintomas pode não ser conhecida até que o seu médico solicite um raio-X. Exames de sangue também podem ser solicitados. Na maioria dos casos, os testes de sangue vão apresentar resultados normais, embora alguns pacientes possam ter níveis elevados de determinadas enzimas. No entanto, normalmente, o raio-X mostra anormalidades características sugestivas de câncer.
Uma vez que o seu médico tem provas de raio-X de um tumor ósseo, ele irá encaminhá-lo para um grande centro médico para tratar o câncer ósseo. Lá, você pode ser sujeito a uma ressonância magnética para determinar até que ponto o tumor invadiu nervos próximos, vasos sanguíneos e articulações. Você também pode ser sujeito a raios-X e a uma varredura do osso para verificar se o câncer se espalhou para os seus pulmões, para outros ossos ou para outras partes do seu corpo.
Quando estes testes estiverem concluídos, você será sujeito a uma biópsia para confirmar o diagnóstico. Numa biópsia, um pequeno pedaço de osso é removido e verificado em laboratório para as células cancerosas.


Tratamento para osteossarcoma

Na maioria dos casos, um osteossarcoma é tratado com o recurso a uma abordagem em três fases, que inclui quimioterapia e cirurgia:
  • Em primeiro lugar, o paciente receberá quimioterapia para destruir o tumor tanto quanto possível antes da cirurgia.
  • Em seguida, o paciente será sujeito a cirurgia. Sempre que possível, o médico remove o osso canceroso, sem amputar o membro. Lacunas criadas quando o câncer é removido são preenchidas com um enxerto ósseo ou uma prótese sintética. Isto ajuda o paciente a manter a função do membro, tanto quanto possível. Se o câncer se espalhou para o pulmão, ele pode ser removido por cirurgia.
  • Finalmente, o paciente recebe um segundo ciclo de quimioterapia após a cirurgia.
Embora a maioria dos pacientes possam ser tratados com cirurgia conservadora do membro, esta abordagem nem sempre é possível. Se o tumor invadiu vasos sanguíneos críticos ou parte de uma articulação nas proximidades, o membro pode ter de ser amputado.
Uma abordagem mais recente envolve administrar ao paciente uma combinação de radioterapia e quimioterapia antes da cirurgia conservadora do membro. Este tratamento parece resultar em maior redução do tumor, tornando, possivelmente, a cirurgia mais eficaz.
Dada a raridade do osteossarcoma, será melhor procurar assistência de peritos médicos que tratam regularmente a doença.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL