domingo, 1 de janeiro de 2017

Neuroblastoma ou câncer em células nervosas primitivas

Neuroblastoma causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
O neuroblastoma é um câncer que começa nas células nervosas primitivas e que afeta crianças e raramente ocorre após a idade de 10 anos. Em média, as crianças com a doença são diagnosticadas entre os 1 e 2 anos de idade.
Muitas vezes, o neuroblastoma começa nos nervos das glândulas supra-renais. As pessoas têm duas glândulas supra-renais, uma em cima de cada rim. Estas glândulas produzem hormônios que ajudam no controle da taxa cardíaca, pressão arterial, glicemia, e na forma como o corpo reage ao estresse. Quando um neuroblastoma começa numa glândula adrenal, normalmente cresce numa massa grande que pressiona outros órgãos.
A doença pode desenvolver-se noutras áreas do corpo, incluindo os nervos perto da espinha dorsal e na medula espinhal. Ela também pode desenvolver-se no abdômen, tórax, pescoço e pélvis, mas isso é menos comum.
Quando um neuroblastoma cresce, ele tem o potencial de se espalhar (metástase) para outras áreas, na maioria das vezes para a medula óssea, osso, fígado e pele. Num tipo de neuroblastoma que ocorre em recém-nascidos, o câncer já se espalhou no momento em que é diagnosticado. Mesmo assim, estes pacientes tendem a reagir bem. Houve casos em que os tumores nestas crianças desapareceram por conta própria, mas isso não é comum.

Causas de neuroblastoma

Não existe evidência sólida de que o neuroblastoma seja causado por produtos químicos tóxicos ou algo no ambiente. Por vezes esta condição é herdada.

Sintomas de neuroblastoma

Os sintomas de um neuroblastoma podem incluir:
  • Uma massa firme no abdômen, com ou sem dor ou desconforto
  • Uma barriga inchada
  • Dificuldade para respirar (devido à massa pressionante nos pulmões da criança)
  • Perda de peso ou incapacidade de ganhar peso
  • Anemia (baixo número de glóbulos vermelhos)
  • Febre
  • Dor óssea
  • Olhos esbugalhados, círculos escuros ao redor dos olhos ou uma queda da pálpebra
  • Fraqueza, movimentos bruscos, ou dificuldades em andar
  • Pressão alta
  • Pulso rápido
  • Vermelhidão (rubor) da pele
  • Suor
  • Diarreia grave
Alguns destes sintomas são causados por hormônios que o câncer segrega. Estes hormônios podem afetar a pressão arterial e frequência cardíaca. Eles também podem causar rubor da pele e transpiração.
Nalguns casos, o neuroblastoma é diagnosticado por acaso, antes de causar sintomas, podendo ser descoberto quando a criança é sujeita a um raio-X para verificar se existe uma outra doença.

Diagnóstico de neuroblastoma

O seu médico irá avaliar os sintomas do seu filho e examiná-lo. Ele vai pedir exames de sangue e urina para verificar se existem hormônios e outros produtos químicos do tumor. Raios-X também podem ser encomendados. A tomografia computadorizada ou ressonância magnética podem dar ao médico mais informações sobre o tumor. Teste PET-scan pode ser recomendado para determinar a atividade metabólica do tumor.
Se algum destes testes mostrar sinais de câncer, o médico irá encaminhá-lo para um centro médico que trate o câncer em crianças. Lá, o seu filho será sujeito a mais testes, como uma biópsia, para confirmar o diagnóstico. Durante este procedimento, o médico remove um pequeno pedaço do tumor e examina-o num laboratório. O médico também pode necessitar de uma amostra da medula óssea.

Tratamento para neuroblastoma

O tratamento depende de quanto o câncer se espalhou. Isto é chamado de estágio do tumor. Estágio do tumor é determinado pela quantidade de tumor que pode ser removido e que se espalhou para os linfonodos próximos ou para órgãos distantes. As etapas do neuroblastoma incluem:
  • Neuroblastoma localizado. Isto significa que o tumor não se espalhou. Se o tumor extiver localizado e poder ser removido com a cirurgia, pode não ser necessário mais nenhum tratamento. Se o tumor for localizado, mas não poder ser completamente removido, a criança irá precisar de quimioterapia. Depois disso, a criança pode precisar de uma segunda cirurgia para remover qualquer tumor que ainda esteja presente. Isto pode ser seguido por terapia de radiação.
  • Neuroblastoma regional. Isto significa que o câncer se espalhou para os gânglios linfáticos próximos, tecidos ou órgãos, mas não se espalhou para áreas distantes. Um neuroblastoma regional é tratado com cirurgia e quimioterapia. As crianças mais velhas também podem ser sujeitas a radioterapia.
  • Neuroblastoma disseminado. Isto significa que o câncer se espalhou para órgãos ou tecidos distantes. A maioria das crianças são diagnosticadas nesta fase. Este estágio avançado pode ser tratado com quimioterapia intensiva. A cirurgia e radiação podem ser necessárias.
  • Neuroblastoma especial, ou neuroblastoma de estágio 4S. Isto significa que o tumor está bastante localizado, mas algum câncer espalhou-se para o fígado, pele, ou medula óssea. Crianças menores de 12 meses são geralmente diagnosticadas nesta fase. Na maioria dos casos, elas recuperam muito bem. No entanto, nem todos os médicos concordam com a melhor forma de tratamento. Alguns recomendam quimioterapia leve, mas outros escolhem uma abordagem esperar-para-ver.
A radiação e a quimioterapia de vários tipos provaram ser eficazes no tratamento do neuroblastoma. As crianças que recebem radiação ou quimioterapia terão de ser seguidas por um médico após o tratamento. Isto acontece porque um outro câncer pode desenvolver-se. O médico também vai querer verificar se existem danos para a medula óssea, rins, coração e outros órgãos.
Os médicos têm tido algum sucesso no tratamento do câncer com vacinas e outros agentes, tais como anticorpos monoclonais, que podem destruir células cancerosas (as células cancerosas são identificados pelos produtos químicos na sua superfície). No entanto, estes agentes ainda estão a ser testados. 


Prevenção de neuroblastoma

Não existe nenhuma forma conhecida de prevenir um neuroblastoma. No entanto, os fatores genéticos parecem desempenhar um papel no seu desenvolvimento. Pessoas com uma forte história familiar de câncer, especialmente câncer na infância, podem considerar a realização de testes genéticos antes de iniciar uma família.

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL