quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Osteopenia - Causas e tratamento de osteoponia

Osteopenia causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Osteopenia refere-se a densidade óssea que é menor do que a densidade normal, mas não suficientemente baixa para ser classificada como osteoporose. A densidade do osso é uma medida de quão densos e fortes são os ossos. Se a sua densidade óssea for baixa, quando comparada com a densidade de pico normal, você terá osteopenia. Ter osteopenia significa que existe um maior risco de que, com o passar do tempo, você possa desenvolver baixa densidade óssea, conhecida como osteoporose.


Causas de osteopenia

Naturalmente, os ossos tornam-se mais finos à medida que as pessoas envelhecem, porque, a partir da meia-idade, as células ósseas existentes são reabsorvidas pelo corpo de forma mais rápida do que quando o osso é novo. Quando isto ocorre, os ossos perdem minerais, peso (massa) e estrutura, tornando-se mais fracos e aumentando o risco de quebrar. Todas as pessoas começam a perder massa óssea depois de atingirem o pico da densidade óssea por volta dos 30 anos de idade.
Algumas pessoas que têm osteopenia podem não ter perda óssea. Esta, pode apenas, naturalmente, ocorrer como uma densidade óssea mais baixa. Osteopenia também pode ser o resultado de uma ou mais condições, processos de doença, ou tratamentos. As mulheres são muito mais propensas a desenvolver osteopenia e osteoporose do que os homens. Isto acontece porque as mulheres têm um pico de densidade óssea mais baixa e porque a perda de massa óssea acelera com as alterações hormonais que ocorrem na altura da menopausa. Tanto em homens como em mulheres, as seguintes situações podem contribuir para osteopenia:
  • Distúrbios alimentares ou problemas de metabolismo que não permitem que o corpo possa absorver e utilizar vitaminas e minerais suficientes
  • Quimioterapia, ou medicamentos, tais como os esteróides, utilizados para tratar uma série de condições, incluindo asma
  • A exposição à radiação
  • Ter uma história familiar de osteoporose, ser magro, de raça branca ou de origem asiática, promover atividade física limitada, história de tabagismo, beber regularmente bebidas de cola e beber quantidades excessivas de álcool, o que também aumenta o risco de osteopenia e, por fim, de osteoporose.

Sintomas de osteopenia

Osteopenia não tem sintomas. Algumas pessoas poderão não notar nenhuma dor ou mudança na medida do seu osso, embora o risco de quebrar um osso aumente à medida que o osso se torna menos denso.


Fatores de risco para osteopenia

Condições que aumentam o risco de osteoponia incluem:
  • Ser de raça branca (caucasiana), ou, em menor grau, ser de ascendência asiática.
  • Uma história familiar de osteoporose.
  • Ser magro.
  • O uso a longo prazo de corticosteróides, tais como hidrocortisona ou prednisona para condições inflamatórias, ou anticonvulsivos, tais como carbamazepina (Tegretol), gabapentina (Neurontin), ou a fenitoína (Dilantin) para a dor ou convulsões.
  • Distúrbios alimentares ou doenças que afetam a absorção de nutrientes dos alimentos.
  • Manter-se inativo ou acamado por um longo período de tempo.
  • Fumar.
  • Beber quantidades excessivas de álcool.
  • Implementar uma dieta pobre em cálcio e vitamina D.

Diagnóstico de osteopenia

Osteopenia é diagnosticada com um teste de densidade óssea, geralmente feito para verificar se você tem osteoporose. O teste mais preciso da densidade óssea é a absorciometria de raios-X de dupla energia (DXA), embora existam outros métodos. Este teste é uma forma de raios-X que pode detetar tão pouco quanto 2% de perda de massa óssea por ano. Um padrão de raios-X não é útil no diagnóstico de osteopenia, porque não é suficientemente sensível para detetar pequenas quantidades de perda óssea ou pequenas alterações na densidade óssea.
Muitos especialistas recomendam que todas as mulheres com mais de 65 anos devem rotineiramente ser sujeitas a um teste de densidade óssea para o rastreio de osteoporose. Se você estiver em maior risco de fraturas causadas por osteoporose, os exames de rotina devem começar cedo. O seu médico pode verificar o seu risco para fratura, para ajudar a decidir se você deve ser rastreado para a osteoporose. Converse com o seu médico sobre os seus fatores de risco e quando deve começar a triagem para analisar a densidade óssea.

Tratamento de osteopenia

Osteopenia é tratada através de medidas para não permitir o avanço para a osteoporose e, para algumas pessoas, tomando medicamentos. Mudanças de estilo de vida podem ajudar a reduzir a perda de massa óssea que leva à osteopenia e osteoporose.
O que você come é muito importante para o desenvolvimento dos ossos. O cálcio é o mineral mais crítico para a massa óssea. As suas melhores fontes de cálcio são o leite e outros produtos lácteos, verduras e produtos enriquecidos com cálcio.
O seu médico também pode querer que você tome um suplemento de cálcio, muitas vezes combinado com a vitamina D. A vitamina D ajuda o corpo a absorver o cálcio e outros minerais e pode ser encontrada em ovos, salmão, sardinha, peixe-espada, e nalguns óleos de peixe. Esta, pode ser adicionada ao leite. O cálcio e as vitaminas também podem ser adquiridos através de suplementos. O seu corpo também produz vitamina D em resposta à luz solar.
O exercício é importante para ter ossos fortes, porque estes respondem melhor ao estresse. Exercícios de levantamento de peso, caminhadas, passeios pedestres e dança, são boas escolhas. Acrescentar exercícios com pesos leves ou elásticos pode ajudar os ossos na parte superior do corpo. Fale com o seu médico ou um fisioterapeuta sobre a forma como pode iniciar um programa de exercícios.
Além de dieta e exercício, parar de fumar e evitar o uso excessivo de álcool e coca-cola também irá reduzir o risco de perda óssea.
Existem medicamentos para o tratamento do afinamento do osso. Mas estes são mais comumente usados se você tiver osteopenia que avançou para um estado mais grave, para osteoporose. Os medicamentos que podem ser utilizados para a osteopenia incluem bifosfonatos, raloxifeno, e reposição hormonal.
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL