segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Síndrome de Stevens-Johnson

Síndrome de Stevens-Johnson causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Síndrome de Stevens-Johnson é uma doença rara e grave da pele e membranas mucosas, sendo geralmente uma reação a um medicamento ou a uma infecção. Muitas vezes, a síndrome de Stevens-Johnson começa com sintomas semelhantes aos da gripe, seguidos por uma erupção vermelha ou arroxeada dolorosa que se espalha, e bolhas. Em seguida, a camada superior da pele afetada morre.
A síndrome de Stevens-Johnson é uma emergência médica que geralmente requer hospitalização. O tratamento visa eliminar a causa subjacente, controlar os sintomas e minimizar as complicações.
A recuperação após a síndrome de Stevens-Johnson pode levar semanas ou meses, dependendo da gravidade do seu estado. Se ela for causada por um medicamento, você vai precisar de evitar permanentemente esse medicamento ou outros que se relacionem.

Causas da síndrome de Stevens-Johnson

Esta síndrome ocorre como uma reacção rara e imprevisível. O seu médico pode não ser capaz de identificar a sua causa exata, mas geralmente, a doença é desencadeada por um medicamento ou uma infecção.

Os medicamentos que podem causar síndrome de Stevens-Johnson incluem:
  • Medicamentos anti-gota, tais como alopurinol
  • Analgésicos como o paracetamol (Tylenol, outros), ibuprofeno (Advil, Motrin IB, outros) e naproxeno sódico (Aleve)
  • Medicamentos para combater uma infecção, como a penicilina
  • Medicamentos para tratar convulsões ou doença mental (anticonvulsivantes e antipsicóticos)
  • Terapia de radiação
As infecções que podem causar síndrome de Stevens-Johnson incluem:
  • Herpes (herpes simplex ou herpes zoster)
  • Pneumonia
  • HIV
  • Hepatite

Sintomas de síndrome de Stevens-Johnson

Os sintomas associados à síndrome de Stevens-Johnson podem incluir:
  • Edema facial
  • Inchaço da língua
  • Urticária
  • Dor na pele
  • Erupção vermelha ou roxa na pele que se espalha dentro de horas a dias
  • Bolhas na pele e nas membranas mucosas da boca, nariz, olhos e partes genitais
  • Derramamento de pele
Se você tem a síndrome de Stevens-Johnson, vários dias antes da erupção de desenvolver, você pode experimentar:

Fatores de risco para síndrome de Stevens-Johnson

Os fatores que aumentam o risco de desenvolver a síndrome de Stevens-Johnson incluem:
  • Infecções virais. O risco desta síndrome pode ser aumentado se você tiver uma infecção causada por um vírus, como herpes, pneumonia viral, HIV ou hepatite.
  • Sistema imunológico enfraquecido. Se você tiver um sistema imunológico enfraquecido, você pode ter um risco aumentado desta síndrome. O sistema imunitário pode ser afetado por um transplante de órgãos, HIV/SIDA e doenças auto-imunes, tais como lúpus.
  • História de síndrome de Stevens-Johnson. Se você já teve uma forma desta condição relacionada com um medicamento, você estará em risco de uma recorrência se usar essa droga novamente.
  • Uma história familiar de síndrome de Stevens-Johnson. Se um membro da família teve síndrome de Stevens-Johnson ou uma condição relacionada chamada necrose epidérmica tóxica, você pode ser mais susceptível a desenvolver a síndrome de Stevens-Johnson.
  • Ter um determinado gene. Se você tem um gene chamado HLA-B*1502, você tem um risco aumentado de síndrome de Stevens-Johnson, especialmente se tomar certos medicamentos para convulsões ou doença mental.

Diagnóstico de síndrome de Stevens-Johnson

Testes e procedimentos utilizados para diagnosticar a síndrome de Stevens-Johnson incluem:
  • Exame físico. Muitas vezes, os médicos podem identificar a síndrome com base no seu histórico médico, num exame físico e nos sinais e sintomas do transtorno.
  • Teste de pele. Para confirmar o diagnóstico, o médico pode remover uma amostra de pele para análise laboratorial (biópsia).


Tratamento para síndrome de Stevens-Johnson

Esta síndrome requer hospitalização, muitas vezes numa unidade de terapia intensiva ou unidade de queimados.

O primeiro e mais importante passo no tratamento da síndrome de Stevens-Johnson é interromper qualquer medicação que possa estar a causá-la. Atendendo a que se torna difícil determinar exatamente qual a droga que pode estar a causar o problema, o médico pode recomendar que você pare de tomar todos os medicamentos não-essenciais.

O tratamento de suporte que provavelmente receberá enquanto estiver hospitalizado pode incluir:
  • A reposição de líquidos e nutrição. Porque a perda de pele pode resultar em perda significativa de fluidos do seu corpo, a substituição de fluidos é uma parte importante do tratamento. Você pode receber fluidos e nutrientes através de um tubo colocado através do seu nariz para o seu estômago (sonda nasogástrica).
  • Tratamento de feridas. Compressas úmidas podem ajudar a acalmar bolhas enquanto elas curam. A equipe de saúde pode delicadamente remover qualquer pele morta e colocar um curativo medicado sobre as áreas afetadas.
  • Cuidados com os olhos. Você também pode ter de consultar um oftalmologista.

Medicamentos

Os medicamentos vulgarmente utilizados no tratamento desta síndrome podem incluir:
  • Medicação para reduzir  a dor e desconforto
  • Medicação para aliviar a coceira (anti-histamínicos)
  • Antibióticos para controlar a infecção, quando necessário
  • Medicação para reduzir a inflamação da pele (esteróides tópicos)
Se a causa subjacente da síndrome poder ser eliminado e a reacção da pele parar, pele nova pode começar a crescer sobre a área afetada dentro de vários dias. Em casos graves, a recuperação total pode demorar vários meses.

Prevenção para síndrome de Stevens-Johnson

Se você for de ascendência asiática, considere o teste genético antes de tomar certos medicamentos. Se você for de ascendência chinesa, do Sudeste Asiático ou de ascendência indiana, converse com o seu médico antes de tomar carbamazepina (Carbatrol, Tegretol). Este medicamento é útil para tratar a epilepsia, doença bipolar e outras condições. Mas as pessoas com um gene chamado HLA-B*1502 têm um risco aumentado de síndrome de Stevens-Johnson, se tomarem este medicamento.
Se você já teve esta condição, evite a medicação que a desencadeou. Se você já teve a síndrome e o seu médico lhe disse que ela foi causada por um medicamento, evite essa e outras drogas que se relacionem com esta. Isto é essencial para evitar a reincidência, que geralmente é mais grave do que o primeiro episódio, podendo tornar-se fatal.
Os membros da sua família também podem querer evitar esta droga, porque algumas formas desta doença têm um fator de risco genético.
Postar um comentário
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL