quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Síndrome de Cogan - Tratamento de síndrome de Cogan

Síndrome de Cogan causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
A síndrome de Cogan é uma doença reumática rara caracterizada por inflamação dos olhos e ouvidos. A síndrome de Cogan pode levar a dificuldade de visão, tonturas e perda auditiva. A condição também pode ser associada com a inflamação dos vasos sanguíneos (chamada vasculite) noutras áreas do corpo, que podem causar danos graves, e num pequeno número de casos, até mesmo a morte. Esta condição ocorre mais comumente em pessoas com 20 ou 30 anos. 


Causas de Síndrome de Cogan

A causa da síndrome de Cogan não é conhecida, no entanto, uma teoria refere que se trata de uma desordem auto-imune em que o sistema imunitário do corpo ataca erroneamente o tecido do olho e do ouvido.

Sintomas de síndrome de Cogan

Os sintomas mais comuns da síndrome de Cogan incluem:

Diagnóstico para síndrome de Cogan

O médico diagnostica a síndrome de Cogan depois de encontrar a combinação típica de problemas associados a esta doença no olho e ouvido interno. Até que, tanto o olho como o ouvido interno estejam afetados, o diagnóstico pode ser incerto. Qualquer área pode ser afetada e os problemas do olho e ouvido podem desenvolver-se ao mesmo tempo.
O seu médico irá querer excluir uma infeção (especialmente a sífilis, tuberculose, infecção viral e clamídia) ou outra doença reumática (incluindo artrite reumatóide, sarcoidose e granulomatose com poliangeíte (granulomatose de Wegener)) como a causa dos seus sintomas. O médico irá encaminhá-lo para um oftalmologista para um exame oftalmológico de modo a procurar problemas oculares, incluindo uma doença chamada ceratite intersticial, que é a inflamação da córnea (a cobertura transparente do olho). O seu médico também vai querer avaliar o seu sistema nervoso (por exemplo, reflexos, força e sensação), e verificar os seus ouvidos por meio de testes de audição, equilíbrio e função do ouvido interno.

Tratamento para síndrome de Cogan

A doença ocular leve pode ser tratada com medicamentos anti-inflamatórios esteróides, incluindo NSAIDs que são aplicados ao olho. Se estes medicamentos não funcionarem, antibióticos orais, como a doxiciclina (vendida sob muitas marcas), podem ser recomendados no caso de uma infecção causar a inflamação dos olhos.
Para a doença mais grave, corticosteróides orais poderão ser necessários. Quando grandes quantidades de esteróides são necessárias ou quando a doença se torna grave e não responde ao tratamento com esteróides, muitas vezes, outros medicamentos serão recomendados. Estas drogas imunossupressoras incluem o metotrexato (Rheumatrex), ciclofosfamida (Cytoxan, Neosar), ciclosporina (Neoral, Sandimmune) ou a azatioprina (Imuran). Nalguns casos, são prescritos outros medicamentos imunossupressores ou combinações de medicamentos. Ocasionalmente, se a doença danificar os vasos sanguíneos, poderá haver necessidade de realizar uma cirurgia para corrigir o problema.
Se o excesso de líquido no ouvido interno estiver a causar problemas de equilíbrio, o médico pode prescrever medicamentos diuréticos, que aumentam a micção e removem o fluido do corpo. Uma sensação de desequilíbrio pode ser tratada com anti-histamínicos ou benzodiazepinas, tais como o diazepam (Valium) ou clonazepam (Klonopin) e repouso.
Quando a audição é prejudicada e não melhora com o tratamento médico, o implante coclear pode ser útil. Os implantes cocleares são dispositivos eletrónicos que traduzem sons em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro, contornando a parte defeituosa do ouvido. Parte do dispositivo é implantado no ouvido e parte é usado fora do ouvido.
Se a parte frontal do olho for gravemente danificada pela inflamação, um transplante de córnea pode melhorar a visão. Um transplante de córnea faz-se através de uma cirurgia que substitui a córnea cicatrizada com uma córnea de um doador.


Prognóstico para síndrome de Cogan

Muitas pessoas com síndrome de Cogan têm danos visuais ou auditivos permanentes. A condição é fatal em menos de 10% dos pacientes. No entanto, com tratamento adequado, a maioria dos pacientes são capazes de controlar os seus sintomas e complicações associadas à doença.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL