sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Roséola - Causas, sintomas e tratamento

Roséola causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Roséola é uma infecção geralmente leve que normalmente afeta crianças por volta dos 2 anos de idade, mas que ocasionalmente pode afetar adultos. Roséola é tão comum que a maioria das crianças já foram infetadas com esta infecção no momento em que entram nos jardins de infância.
Duas cepas comuns de vírus do herpes causam a roséola. Tipicamente, a condição provoca febre por vários dias, seguida por uma erupção cutânea.
Algumas crianças desenvolvem apenas um caso muito leve de roséola e nunca mostram qualquer indicação clara da doença, enquanto que outras experimentam toda a gama de sinais e sintomas associados à condição.
Normalmente, esta infecção não é grave. Raramente, uma febre muito alta pode resultar em complicações. Tratamento para esta infecção inclui repouso, líquidos e medicamentos para reduzir a febre.

Causas de roséola

A causa mais comum de roséola é o vírus do herpes humano 6, mas a causa também pode ser um outro vírus do herpes, o vírus herpes humano 7.
Como outras doenças virais, como um resfriado comum, a roséola espalha-se de pessoa para pessoa através do contato com secreções ou saliva respiratória de uma pessoa infetada. Por exemplo, uma criança saudável que partilha um copo com uma criança que tem roséola poderá contrair o vírus.
A roséola é contagiosa, mesmo que nenhuma erupção esteja presente. Isto significa que a doença pode espalhar-se enquanto uma criança infetada tem apenas uma febre, mesmo que ainda não existam sinais e sintomas de roséola. Tenha atenção aos sinais associados a esta condição, se o seu filho tem interagido com outra criança que têm a doença.
Ao contrário de varicela e de outras doenças virais da infância que se espalham rapidamente, a roséola raramente resulta em surtos comunitários. A infecção pode ocorrer em qualquer época do ano.

Sintomas de roséola

Se o seu filho estiver exposto a alguém com roséola e ficar infetado com o vírus, geralmente leva uma semana ou duas para que os sinais e sintomas da infecção aparecerem (se aparecerem). É possível que uma pessoa fique infetada com roséola mas apresente sinais e sintomas muito leves que não sejam facilmente percetíveis. Os sintomas podem incluir:
  • Febre. Normalmente, a roséola começa com uma súbita febre alta (muitas vezes superior a 39,4 ºC). Algumas crianças também podem ter uma garganta um pouco dolorida, corrimento nasal ou tosse, juntamente com febre. O seu filho também pode desenvolver inchaço dos gânglios linfáticos no seu pescoço, em conjunto com a febre. A febre dura entre três a cinco dias.
  • Erupção cutânea. Uma vez que a febre desaparece, geralmente, a erupção cutânea aparece, mas nem sempre. A erupção consiste em muitos pontos ou manchas rosadas pequenas. Estas manchas são geralmente planas, mas algumas podem apresentar-se levantadas e pode haver um circulo branco em torno de alguns dos pontos. Geralmente, a erupção começa no peito, costas e abdômen, e depois espalha-se para o pescoço e braços, podendo ou não alcançar as pernas e face. A erupção ou prurido que não se torna desconfortável, pode durar desde algumas horas a vários dias antes de desaparecer.
Outros sinais e sintomas de roséola podem incluir:

Quando consultar um médico

Procure assistência médica imediata se o seu filho tiver uma convulsão (convulsão febril), e se a febre for muito elevada ou atingir picos rapidamente. No entanto, geralmente, no momento em que você percebe a alta temperatura do seu filho, a ameaça de uma eventual convulsão já passou. Se o seu filho tiver um ataque inexplicável procure assistência médica imediatamente.
Consulte ainda o médico do seu filho se:
  • Ele tiver febre superior a 39,4 ºC
  • Ele tiver roséola e a febre durar mais de sete dias
  • A erupção não melhorar depois de três dias
Consulte ainda o seu médico se o seu sistema imunológico estiver comprometido e você entrar em contato com alguém que tenha roséola. Você pode precisar de acompanhamento para uma possível infecção que, para você, pode ser mais grave do que para uma criança.

Diagnóstico de roséola

A roséola pode ser difícil de diagnosticar porque os sinais e sintomas iniciais são semelhantes aos de outras doenças comuns da infância. Se o seu filho tiver febre e for claro que nenhum resfriado, infecção no ouvido, infecções na garganta ou outra condição comum está presente, o médico pode esperar para verificar se a erupção cutânea característica da roséola aparece. O seu médico poderá dizer-lhe para olhar para a erupção enquanto você trata a febre do seu filho em casa.
Os médicos podem confirmar um diagnóstico de roséola pela erupção reveladora, ou nalguns casos, através de um exame de sangue para verificar se existem anticorpos para roséola.

Tratamento de roséola

A maioria das crianças recupera totalmente desta condição dentro de uma semana depois do início da febre. Com conselho do seu médico, você poderá dar medicamentos ao seu filho para reduzir a febre, como o paracetamol (Tylenol, outros) ou ibuprofeno (Advil, Motrin, outros).
Tenha cuidado ao dar aspirina para crianças ou adolescentes. Embora a aspirina seja aprovada para uso em crianças maiores, as crianças e adolescentes que estão a recuperar de catapora ou de sintomas gripais nunca devem tomar aspirina. Isto acontece porque a aspirina tem sido associada à síndrome de Reye, uma doença rara mas que, potencialmente, motiva risco de vida em tais crianças.
Não existe nenhum tratamento específico para a roséola, embora alguns médicos possam prescrever o medicamento antiviral ganciclovir (Cytovene) para tratar a infecção em pessoas com imunidade enfraquecida. Os antibióticos não são eficazes no tratamento de doenças virais, tais como roséola.

Prevenção de roséola

Atendendo a que não existe vacina para prevenir a roséola, o melhor que você pode fazer para evitar a propagação da infecção é evitar expor o seu filho a uma criança infetada. Se o seu filho estiver doente com roséola, mantenha-o em casa e longe de outras crianças, até que a febre desapareça.
A maioria das pessoas têm anticorpos para roséola durante a idade escolar, tornando-os imunes a uma segunda infecção. Mesmo assim, se um membro da família contrair o vírus, certifique-se de que todos os membros da família lavam as mãos com frequência, para evitar a propagação do vírus a qualquer um que não esteja imune.
Adultos que nunca contraíram roséola, como as crianças, podem ser infetados mais tarde ao longo da vida, embora a doença tenda a ser leve em adultos saudáveis. No entanto, os adultos infetados podem transmitir o vírus para as crianças.

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL