quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Cetoacidose diabética

Cetoacidose diabética causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Cetoacidose diabética é uma complicação potencialmente fatal da diabetes, que ocorre quando uma pessoa tem muito menos insulina do que aquela de que o seu corpo precisa. Este problema faz com que o sangue se torne ácido e o corpo se torne perigosamente desidratado. Cetoacidose diabética pode ocorrer quando a diabetes não for tratada adequadamente, mas também pode ocorrer durante os períodos de doença grave.

Causas de cetoacidose diabética

Na cetoacidose diabética, as cetonas acumulam-se no sangue, alterando seriamente a química normal do sangue e interferindo com a função de múltiplos órgãos. As cetonas motivam um sangue ácido, que provoca vômitos e dor abdominal. Se o nível de ácido do sangue tornar-se extremo, a cetoacidose pode causar a diminuição da pressão sanguínea, coma e morte.
Cetoacidose diabética é sempre acompanhada por desidratação, a qual é causada por níveis elevados de glicose no sangue. A glicose acumula-se no sangue, se não houver insulina suficiente para mover a glicose para as células. Durante um episódio de cetoacidose diabética, é comum que o açúcar no sangue possa subir para um nível de mais de 400 miligramas por decilitro. Quando os níveis de açúcar no sangue são tão elevados, algum açúcar "transborda" para a urina. Como o açúcar é levado na urina, água, sal e potássio são atraídos para a urina a cada molécula de açúcar, e o seu corpo perde grandes quantidades de líquidos e eletrólitos, que são minerais que desempenham um papel crucial na função da célula. Quando isso acontece, você produz muito mais urina do que o normal. Eventualmente, pode tornar-se impossível que você (mesmo bebendo bastantes líquidos) consiga manter níveis de líquidos adequados no seu corpo. Vômitos causados pela acidez do sangue também contribuem para as perdas de fluidos e desidratação.
Pessoas com diabetes do tipo 1 estão em risco de cetoacidose diabética. Se você tiver diabetes tipo 1, cetoacidose pode ocorrer porque você parou de tomar as suas injecções de insulina ou porque a sua dose de insulina é demasiado baixa. Ela pode ser desencadeada por uma infecção ou estresse físico grave, como uma lesão ou cirurgia, porque o seu corpo pode precisar de mais insulina do que o habitual durante estas tensões. Cetoacidose raramente ocorre em pessoas com diabetes tipo 2. Na maioria das pessoas que têm diabetes tipo 2, geralmente os níveis de insulina no sangue não baixam suficientemente para sinalizar cetonas.
Em cerca de 25% das crianças com diabetes, sintomas de cetoacidose são o primeiro sinal de que têm diabetes.

Sintomas de cetoacidose diabética

Os sintomas associados à condição incluem:
Com o aumento dos níveis de cetonas no sangue, o padrão de respiração da pessoa afetada pode tornar-se lento e profundo, podendo ter um odor frutado. Uma pessoa com cetoacidose pode parecer cansada ou confusa, ou pode ter dificuldade para prestar atenção. Sem tratamento rápido no primeiro dia dos sintomas, a doença pode causar diminuição da pressão arterial, perda de consciência, coma ou morte.
Se você tiver diabetes tipo 1, é importante medir os níveis de glicose no sangue em casa, usando um aparelho chamado glicosímetro. Você também deve ter tiras de teste de papel que podem detetar cetonas na urina. Se a leitura de glicose no sangue estiver acima de 300 miligramas por decilitro, você deve testar a sua urina para cetonas. Se a tira de teste de urina ler "moderado" ou "grande", é possível que você tenha cetoacidose.

Quando consultar um médico

Se você tiver diabetes tipo 1 e tiver uma leitura no glicosímetro de mais de 300 miligramas por decilitro, você deve testar a sua urina para cetonas. Consulte o seu médico se níveis moderados ou elevados de cetonas estiverem presentes, ou se você não discutiu anteriormente com o seu médico a forma de ajustar a sua dose de insulina quando o açúcar fica assim tão elevado. O seu médico vai dar-lhe orientações mais específicas sobre quando e quantas vezes deve testar a glicose no sangue e na urina, e quais as leituras que deve procurar. Consulte também o seu médico sempre que tiver náuseas inexplicáveis e vômitos, com ou sem dor abdominal.

Diagnóstico para cetoacidose diabética

Pessoas com esta condição são sempre tratadas num hospital. O seu médico irá analisar o seu sangue para verificar os níveis de glicose, cetonas e eletrólitos, como sódio e potássio. Se você tem estado a tomar a sua insulina sem doses perdidas, o seu médico vai querer determinar se você tem uma infecção.

Tratamento para cetoacidose diabética

Quando você se encontrar no hospital, a sua condição será tratada com insulina para baixar o nível de glicose no sangue. Você também receberá um grande volume de fluidos por via intravenosa (através de uma veia). A sua glicose no sangue e os níveis de ácido serão monitorizados frequentemente, e você será administrado com suplementos de potássio para restaurar a oferta deste mineral essencial. Até que a química do sangue volte ao normal, os seus sinais vitais (temperatura, pulso, respiração, pressão arterial) e a produção de urina serão monitorados. Se uma infecção provocou o seu episódio de cetoacidose, os antibióticos ou outros medicamentos serão usados para tratar a infecção.

Prevenção de cetoacidose diabética

Se você tiver diabetes tipo 1, normalmente, você poderá impedir a cetoacidose seguindo o regime de insulina e dieta prescritos pelo seu médico, e testando a sua glicose no sangue regularmente. Se o seu corpo estiver estressado por uma infecção, a cetoacidose pode desenvolver-se dentro de horas, e você pode não ser capaz de impedi-la. É importante que você verifique o açúcar no sangue mais frequentemente durante uma infecção, de modo a que possa ajustar o seu tratamento. Também é importante que o paciente possa reconhecer que vômitos e dores abdominais podem ser sinais de cetoacidose, de modo a recorrerem a ajuda médica rapidamente.
Para ajudar a certificar-se de que você recebe tratamento de emergência adequado para esta condição diabética use um colar ou pulseira de identificação médica que o identifique como um diabético. Isto vai ajudar o pessoal de emergência a reconhecer o seu problema rapidamente se você estiver entre estranhos e se ficar doente demais para falar por si.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL