segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Adenomiose - Causas e tratamento de adenomiose

Adenomiose causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Adenomiose ocorre quando o tecido endometrial, que normalmente reveste o útero, existe dentro na parede muscular do útero e cresce. O tecido endometrial deslocado continua a agir como normalmente (espessamento, quebra e sangramento) durante cada ciclo menstrual. Um útero aumentado e doloroso, pode resultar em períodos pesados.
Mais frequentemente, os sintomas começam no final dos anos férteis depois de uma mulher ter filhos.
A causa da adenomiose permanece desconhecida, mas normalmente, a doença desaparece após a menopausa. Para as mulheres que sofrem de grave desconforto devido a adenomiose, certos tratamentos podem ajudar, mas histerectomia é a única cura.

Causas de adenomiose

A causa da adenomiose não é conhecida. Teorias de especialistas sobre uma possível causa incluem:
  • Crescimento do tecido invasivo. Alguns especialistas acreditam que os resultados da adenomiose decorrem da invasão direta de células endometriais do revestimento do útero para o músculo que forma as paredes uterinas. Incisões uterinas feitas durante uma operação tal como uma cesariana podem promover a invasão direta das células endometriais na parede do útero.
  • Origens desenvolvimentistas. Outros especialistas especulam que adenomiose tem origem dentro do músculo uterino a partir de tecido endometrial aí depositado, quando o útero é formado no feto.
  • Inflamação uterina relacionada com o parto. Outra teoria sugere uma ligação entre adenomiose e o parto. Uma inflamação do revestimento do útero durante o período pós-parto pode causar uma ruptura no limite normal das células que revestem o útero. Os procedimentos cirúrgicos no útero podem ter um efeito semelhante.
  • Uma teoria recente propõe que as células estaminais de medula óssea podem invadir o músculo uterino, causando adenomiose.
Independentemente de como se desenvolve a adenomiose, o crescimento depende da circulação de estrogénio no corpo de uma mulher. Quando a produção de estrogênio diminui na menopausa, eventualmente, a adenomiose desaparece.

Sintomas de adenomiose

Por vezes, adenomiose é silenciosa (sem causar sinais ou sintomas) ou apenas levemente desconfortável. Noutros casos, adenomiose pode causar:
  • Sangramento menstrual intenso ou prolongado
  • Cólicas ou dor pélvica afiada durante a menstruação (dismenorreia)
  • Cólicas menstruais que duram todo o período e pioram à medida que envelhecem
  • Dor durante a relação sexual
  • Coágulos sanguíneos que passam durante o período
  • O útero pode ficar maior: Embora você possa não saber se o seu útero se encontra ampliado, você pode perceber que o seu abdômen inferior parece maior


Fatores de risco para adenomiose

Fatores de risco para adenomiose incluem:
  • Cirurgia uterina prévia ou remoção dos miomas
  • Parto
  • Meia idade
A maioria dos casos de adenomiose (que depende de estrogênio) são encontrados em mulheres com cerca de 40 ou 50 anos. Adenomiose em mulheres de meia-idade pode relacionar-se com mais exposição ao estrogênio. em comparação com a de mulheres mais jovens. Até recentemente, a adenomiose foi mais frequentemente diagnosticada apenas quando uma mulher foi sujeita a uma histerectomia. A pesquisa atual sugere que a condição também pode ser comum, mas muitas vezes não é detetada em mulheres mais jovens.

Complicações associadas a adenomiose

Se ocorrer sangramento prolongado durante os seus períodos, este pode motivar anemia crônica. Anemia causa fadiga e outros problemas de saúde. Consulte o seu médico se você suspeitar que pode ter anemia.
Apesar de não ser prejudicial, a dor e sangramento excessivo associado com adenomiose pode perturbar o seu estilo de vida. Você pode evitar atividades de que já beneficiou no passado, porque você não tem idéia de quando ou onde você pode começar a sangrar.
Dolorosos períodos podem causar a necessidade de faltar ao trabalho ou à escola, podendo prejudicar relacionamentos. Recorrentes dores podem levar à depressão, irritabilidade, ansiedade, raiva e sentimentos de desamparo. É por isso que se torna importante consultar um médico se você suspeitar que pode ter adenomiose.

Diagnóstico de adenomiose

O médico pode suspeitar adenomiose com base em:
  • Sinais e sintomas
  • Exame pélvico que revela um útero inflamado e alargado
  • Ultra-sonografia do útero
  • Ressonância magnética (MRI) do útero
Nalguns casos, o médico pode coletar uma amostra de tecido uterino para promover um teste (biópsia do endométrio) para verificar se o sangramento uterino anormal não está associado a qualquer outra condição grave. Mas, uma biópsia do endométrio não vai ajudar o médico a confirmar um diagnóstico de adenomiose. A única maneira de ter a certeza de adenomiose é examinar o útero após a cirurgia para removê-lo (histerectomia).
Outras doenças uterinas podem causar sinais e sintomas semelhantes a adenomiose, tornando a adenomiose difícil de diagnosticar. Tais condições incluem os miomas (leiomiomas), células uterinas que crescem fora do útero (endometriose) e crescimentos no revestimento do útero (pólipo endometrial). O seu médico somente pode concluir que você tem adenomiose, depois de determinar que não existem outras causas possíveis para os seus sinais e sintomas.

Tratamento para adenomiose

Geralmente, a adenomiose desaparece após a menopausa, por isso o tratamento pode depender de quão perto você está dessa fase da vida.
As opções de tratamento para a adenomiose incluem:
  • Os anti-inflamatórios. Se você estiver a aproximar-se da altura da menopausa, o seu médico pode tentar medicamentos anti-inflamatórios, como o ibuprofeno (Advil, Motrin IB, outros) para controlar a dor. Deve iniciar-se um medicamento anti-inflamatório dois a três dias antes do período menstrual aparecer e continuar a tomá-lo durante o seu período, o que pode reduzir o fluxo de sangue menstrual e ajudar a aliviar a dor.
  • Meios hormonais. Pílulas combinadas de estrogênio-progestina, de controle de natalidade ou patches contendo hormônio ou anéis vaginais podem diminuir o sangramento pesado e a dor associada com adenomiose. A contracepção apenas de progestina, tal como um dispositivo intra-uterino ou uso contínuo de pílulas anticoncepcionais, muitas vezes levam a amenorreia (ausência de seus períodos menstruais), o que pode proporcionar alívio dos sintomas.
  • Histerectomia. Se a dor for grave e a menopausa ainda demorar muitos anos para ocorrer, o médico pode sugerir a cirurgia para remover o útero (histerectomia). A remoção dos ovários não é necessária para controlar a adenomiose.
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL