quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Transplante de medula óssea - Como se faz

Transplante de medula óssea causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Um transplante de medula óssea é um procedimento usado para tratar certos tipos de câncer e outras doenças. Antes do transplante de medula óssea ocorrer, as células da medula óssea do paciente são destruídas com radioterapia ou quimioterapia.
As células que normalmente residem na medula óssea e que são responsáveis pela produção de células sanguíneas, são em seguida substituídas. Células da medula óssea são células do sangue que estão localizadas no centro esponjoso dos ossos. Estas incluem:
  • Glóbulos brancos que são importantes para impulsionar o sistema imunológico a combater as infecções
  • Células vermelhas do sangue, que transportam oxigênio para todo o corpo
  • As plaquetas, que são necessárias para a coagulação do sangue.
Células para substituir as células originais podem ser tomadas a partir do seu sangue ou medula óssea antes de se iniciar o processo. As células da medula também podem ser obtidas a partir de uma pessoa diferente (um doador), cujas células têm uma boa correspondência com a pessoa que recebe o transplante (o receptor). Uma boa correspondência significa que certos marcadores químicos nas células do dador e do receptor são tão próximos quanto possível e, portanto, minimiza a possibilidade de que as células sejam rejeitadas pelo seu corpo.

Quando se realiza um transplante de medula óssea

Os transplantes de medula óssea são usados mais frequentemente no tratamento de leucemias, linfomas, doença de Hodgkin, e mieloma múltiplo. O transplante de medula óssea é particularmente útil, uma vez que estas doenças afetam diretamente a medula óssea.

Transplantes de medula óssea, também podem ser implementados para tratar condições não cancerosas, incluindo anemia aplástica, deficiências congênitas do sistema imunológico e talassemia maior. Nestas condições, uma nova medula óssea e células novas da medula óssea serão necessárias, já que a medula óssea doente não será capaz de produzir células necessárias que possam ser úteis no combate à doença a ser tratada.
O uso de transplantes de medula óssea para tratar outros tipos de câncer, incluindo câncer de mama e câncer de rim permanecem experimentais.

Preparação para um transplante de medula óssea

O seu médico irá discutir consigo o seu plano de tratamento, os possíveis efeitos colaterais do procedimento e possíveis complicações. Se você for homem e estiver a pensar em tornar-se pai, você pode querer conversar com o seu médico sobre formas de  poupar algum do seu esperma, porque a quimioterapia e a radiação podem causar infertilidade temporária ou permanente.
Você deve ficar totalmente familiarizado com todos os serviços de apoio oferecidos pelo centro médico onde o transplante será realizado.
Você passará por avaliação pré-tratamento e por diversos testes, incluindo muitos exames de sangue e outros testes, como uma radiografia de tórax e ecocardiograma.
O próximo passo de um transplante de medula óssea é determinar de onde virão as células de substituição. Existem duas opções. As células podem ser tomadas a partir da própria pessoa. Isto é chamado de transplante autólogo. A outra opção é usar as células provenientes de um dador. Isto é chamado de transplante alogênico.
Se forem usadas as suas próprias células, essas células devem ser recolhidas antes da radiação ou quimioterapia principal começarem. Existem duas formas desta solução ser utilizada:
  • Colheita de medula óssea. As células para o transplante são tomadas a partir da medula óssea do paciente. O procedimento é feito numa sala de operação sob anestesia geral para que ele não fique acordado. Uma agulha numa seringa é inserida dentro do osso ilíaco, sendo usada para retirar medula óssea.
  • Colheita de células estaminais periféricas. As células para o transplante são retiradas do sangue circulante do paciente. Uma substância pode ser administrada por injecção durante vários dias antes do procedimento, para encorajar mais células estaminais a saírem da medula óssea e a circular no sangue.
Nalguns casos, a quimioterapia é utilizada antes das células serem retiradas para aumentar o número de células estaminais que circulam. O procedimento é semelhante para a doação de sangue. Uma agulha será colocada em cada um dos braços, e o sangue correrá de um braço através de uma máquina que remove as células-tronco. O sangue, em seguida, será devolvido através da agulha no outro braço.
As células retiradas de qualquer forma podem ser tratadas para remover quaisquer células de câncer e, em seguida, armazenadas até à concretização do transplante.

No caso de se utilizar células de um doador, um doador tem que ser encontrado, e as células devem coincidir com as células do paciente, tanto quanto possível. É melhor que o doador seja um parente próximo, porque existe uma melhor chance de que as células correspondam e, assim, minimizar a probabilidade de serem "rejeitadas". Se isso não for possível, os doadores correspondentes, por vezes, podem ser encontradoa através de um registo de medula óssea.

Como se realiza um transplante de medula óssea

Um tubo de plástico chamado cateter vai ser colocado numa veia grande no seu tórax, com uma extremidade que adere através da pele. Este será usado para tirar amostras de sangue e para inserir as novas células. Em seguida, você será sujeito a quimioterapia principal e a radiação, como prescrito pelo seu médico. Estes tratamentos são concebidos para tratar a doença subjacente, mas também causam a destruição das células da medula óssea.
Em seguida, as células transplantadas (que não foram tratadas com a quimioterapia ou radioterapia) serão colocadas na sua corrente sanguínea através do cateter no peito. As células do transplante viajarão através do sangue e estabelecem-se nos espaços deixados pelas células originais. As novas células vão multiplicar-se. Até atingirem um certo nível, o seu corpo não será capaz de combater os germes e infecções de modo adequado, pelo que você terá de ficar no hospital, numa sala especial, onde será protegido de germes. Isto pode levar várias semanas.

Acompanhamento após o transplante de medula óssea

É provável que o paciente tenha de permanecer no hospital durante 4 a 6 semanas após o transplante. Durante algum tempo, o paciente terá de ficar numa sala que fica isolada a partir de outros pacientes, para ajudar a evitar infecções.
Depois de deixar o hospital, você terá que voltar ao consultório do seu médico com frequência durante vários meses, e terá de realizar vários exames de sangue. O cateter permanecerá no seu peito durante esse tempo. Quando você consultar o seu médico, ele irá verificar o seu cateter, examiná-lo para sinais de infecção e outros problemas, e avaliar os resultados do teste de sangue.

Você também pode ter de realizar testes da medula óssea para verificar como estão a crescer as novas células. Este teste é chamado de biópsia. Uma pequena amostra de medula óssea será removida através de uma agulha, sendo examinada ao microscópio. Você também terá testes para ver se algum câncer permanece.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL