quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Paralisia cerebral ou doenças que envolvem o cérebro

Paralisia cerebral causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
A paralisia cerebral corresponde a um grupo de doenças que podem envolver o cérebro e as funções do sistema nervoso, como o movimento, aprendizagem, audição, visão, e pensamento.
Existem vários tipos diferentes de paralisia cerebral, incluindo espástica, discinética, ataxia e hipotonia, e estas podem misturar-se.

Causas

A paralisia cerebral é causada por lesões ou anomalias do cérebro. A maioria desses problemas ocorrem enquanto o bebê cresce no útero, mas eles podem acontecer a qualquer momento durante os primeiros 2 anos de vida, enquanto o cérebro do bebê ainda se está a desenvolver.
Nalgumas pessoas com paralisia cerebral, partes do cérebro são feridas devido a baixos níveis de oxigênio (hipóxia) na área. Não se sabe por que isto ocorre.
Bebês prematuros têm um risco ligeiramente maior de desenvolver paralisia cerebral. A paralisia cerebral também pode ocorrer durante a primeira infância, como resultado de várias condições, incluindo:
  • Hemorragia no cérebro
  • Infecções do cérebro (encefalite , meningite, infecções de herpes simplex)
  • Lesão na cabeça
  • Infecções na mãe durante a gravidez (rubéola)
  • Ícterícia grave
Nalguns casos, a causa da paralisia cerebral não é determinada.

Sintomas

Os sintomas de paralisia cerebral podem ser muito diferentes entre as pessoas com este grupo de doenças. Os sintomas podem:
  • Variar entre muito leves e muito graves
  • Envolver apenas um lado do corpo, ou ambos os lados
  • Ser mais acentuados num braço ou perna, ou envolver ambos os braços e pernas
Os sintomas são geralmente verificados antes de uma criança atingir os 2 anos de idade, e por vezes são verificados tão cedo quanto os três meses de idade. Os pais podem perceber que o seu filho está atrasado em alguns estágios de desenvolvimento, como sentar, rolar, engatinhar ou andar.
Existem vários tipos diferentes de paralisia cerebral. Algumas pessoas têm uma mistura de sintomas. Os sintomas de paralisia cerebral espástica, o tipo mais comum, incluem:
  • Os músculos que se tornam muito apertados e não esticam, e podem apertar ainda mais ao longo do tempo.
  • Caminhada anormal (marcha). Braços dobrados em direção aos lados, com os joelhos cruzados ou a tocar-se, pernas a fazer movimentos de "tesoura", andar na ponta dos pés.
  • Articulações são apertadas e não abrem sempre (chamada contratura da articulação).
  • A fraqueza muscular ou perda de movimento de um grupo de músculos (paralisia).
  • Os sintomas podem afetar um braço ou uma perna, um lado do corpo, as duas pernas, ou ambos, braços e pernas.
Os seguintes sintomas podem ocorrer noutros tipos de paralisia cerebral:
  • Movimentos anormais (torcendo, empurrando ou contorcendo-se) das mãos, pés, braços ou pernas, que pioram durante períodos de estresse
  • Tremores
  • Marcha instável
  • Perda de coordenação
  • Músculos flexíveis, especialmente em repouso
  • Inteligência ou aprendizagem diminuída são comuns, mas a inteligência pode ser normal
  • Problemas de fala (disartria)
  • Problemas de visão ou audição
  • Convulsões
  • A dor, especialmente em adultos (pode ser difícil de gerir)
  • Dificuldade em chupar ou alimentar no caso de recém-nascidos, ou dificuldade de mastigação e deglutição em crianças mais velhas e adultos
  • Problemas de deglutição (para todas as idades)
  • Vômito ou constipação
Outros sintomas podem surgir, como:

Diagnóstico

Um exame neurológico completo para diagnóstico da paralisia cerebral é primordial. Em pessoas mais velhas, os testes de função cognitiva também são importantes.
Outros testes podem ser realizados. Estes podem incluir:
  • Exames de sangue
  • Tomografia computadorizada da cabeça
  • Eletroencefalograma (EEG)
  • Teste de audição
  • Ressonância magnética da cabeça
  • Teste de visão



Tratamento

Não existe cura para a paralisia cerebral. O objetivo do tratamento é ajudar a pessoa a ser tão independente quanto possível.
O tratamento requer uma abordagem de uma equipe, incluindo:
  • Médico de cuidados primários
  • Dentista (check-ups dentais são recomendados em torno de cada 6 meses)
  • Assistente social
  • Enfermeiros
  • Terapeutas físicos, ocupacionais e da fala
  • Outros especialistas, incluindo um neurologista, médico de reabilitação, pneumologista e gastroenterologista
O tratamento é baseado nos sintomas da pessoa e na necessidade de evitar complicações. 
Auto-cuidados domiciliares podem incluir:
  • Obtenção de alimentos e nutrição suficiente
  • Manter a casa segura
  • Realizar exercícios recomendados pelos prestadores de cuidados de saúde
  • Praticar o cuidado intestinal adequado (laxantes, fluidos, fibras, laxativos, hábitos intestinais regulares)
  • A protecção das articulações para evitar lesões
  • Colocar a criança em escolas regulares é recomendado, a menos que as deficiências físicas ou de desenvolvimento mental tornem isso impossível. Educação especial pode ajudar
Outras preocupações com a comunicação e a aprendizagem podem incluir:
  • Óculos
  • Aparelhos auditivos
  • Andadores
  • Cadeiras de rodas
  • Fisioterapia, terapia ocupacional, ajuda ortopédica, mas outros tratamentos também podem ser necessários para ajudar nas atividades diárias
Os medicamentos podem incluir:
  • Anticonvulsivantes para prevenir ou reduzir a frequência de crises
  • A toxina botulínica para ajudar com espasticidade e babar
  • Relaxantes musculares para reduzir os tremores e espasticidade
Nalguns casos, a cirurgia pode ser necessária para:
  • Controlo do refluxo gastroesofágico
  • Cortar certos nervos da medula espinhal para ajudar com a dor e espasticidade
  • Colocar tubos de alimentação local
  • Soltar contraturas articulares
O papel dos pais e de outros cuidadores de pacientes com paralisia cerebral é fundamental, e deve ser monitorado por especialistas.

Prevenção

A maioria dos casos de paralisia cerebral não pode ser evitado, mas você pode diminuir os riscos. Se você estiver grávida ou a planear engravidar, pode tomar estas medidas para manter-se saudável e minimizar complicações na gravidez:
  • Certifique-se de que você está vacinada. A vacinação contra doenças tais como a rubéola pode prevenir uma infecção que possa causar danos no cérebro fetal.
  • Cuide-se. Quanto mais saudável você estiver durante uma gravidez, menos provavelmente você poderá desenvolver uma infecção que possa resultar em paralisia cerebral.
  • Procure atendimento pré-natal precoce e contínuo. Visitas regulares ao seu médico durante a gravidez são uma boa maneira de reduzir os riscos de saúde para você e para o seu bebê. Consulte o seu médico regularmente para ajudar a prevenir o nascimento prematuro, baixo peso ao nascer e infecções.
  • Pratique uma boa segurança para as crianças. Previna lesões na cabeça, fornecendo ao seu filho um assento de carro, capacete para bicicleta e supervisão adequada.
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL