quarta-feira, 28 de junho de 2017

Síndrome de Guillain-Barré

Síndrome de Guillain-Barré causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Síndrome de Guillain-Barré é uma doença rara, que ocorre quando o sistema imunitário do corpo ataca os seus próprios nervos periféricos, sendo conhecida como uma doença auto-imune, e como uma doença que pode ser desencadeada na sequência de uma infecção cirúrgica, de uma doença semelhante à gripe ou por causa de uma infecção do estômago. O sistema imunitário combate a infecção que ataca erroneamente os nervos periféricos. Síndrome de Guillain-Barré afeta homens e mulheres de todas as etnias e idades. Existe tratamento disponível para a condição, e na maioria dos casos, as pessoas recuperam totalmente. Os casos mais graves da doença necessitam de tratamento médico de emergência, internamento hospitalar e períodos de recuperação mais longos.

Causas da síndrome de Guillain-Barré

Os nervos saudáveis estão envoltos num revestimento exterior conhecido como mielina, que é similar ao isolamento de plástico em torno de um arame enrolado. Em casos de ocorrência desta síndrome, a mielina é danificada. Se os nervos não poderem enviar mais mensagens ou enviarem mensagens mais fracas, pode ocorrer fraqueza muscular, formigamento, dormência ou paralisia. Pessoas com esta condição podem sentir fraqueza significativa e ter dificuldade para realizar as tarefas diárias, inclusive para caminhar. Infecções por bactérias ou vírus parecem desencadear esta síndrome. Em particular, as infecções do trato gastrointestinal ou do sistema respiratório são mais comumente associadas com esta condição. Vacinação contra a gripe pode desencadear a doença num número muito pequeno de pessoas. Risco de desenvolver síndrome de Guillain-Barré após uma vacina contra a gripe é de um num milhão. Tenha em mente que receber a vacina contra a gripe ajuda a proteger a sua própria saúde e a dos que o rodeiam, recomendando-se a sua utilização, apesar do extremamente pequeno aumento do risco de ocorrência desta  síndrome.
Pessoas com linfoma, HIV ou lúpus parecem estar em maior risco de vir a ser sujeitas a esta síndrome de Guillain-Barré.

Sintomas de síndrome de Guillain-Barré

Muitas vezes, os sintomas associados à doença começam com formigamento ou dormência nas extremidades do corpo. As mãos, pés e face são frequentemente afetados inicialmente.
Pessoas com síndrome de Guillain-Barré sofrem de uma grande variedade de sintomas que podem incluir:
  • Fraqueza na perna, braço e nos músculos faciais
  • Problemas com a fala e deglutição
  • Dor nos músculos das costas
  • Falta de ar
  • Diminuição da capacidade de mover os olhos
Tipicamente, os sintomas progridem ao longo de um período de alguns dias, e geralmente pioram nas duas primeiras semanas após o início. Uma pessoa que experimenta um caso leve desta doença pode notar ligeira fraqueza ou dormência e pode não necessitar de hospitalização ou tratamento. Em casos mais graves, profunda fraqueza, dificuldade respiratória ou pressão arterial instável podem desenvolver-se, motivando a necessidade de internação em hospital ou unidade de terapia intensiva, e possivelmente necessidade de recorrer a uma máquina de respiração chamada de ventilador. A maioria das pessoas com esta síndrome recupera completamente, mas algumas pessoas podem apresentar sintomas residuais. Por vezes, a síndrome pode recorrer.

Diagnóstico de síndrome de Guillain-Barré

Para diagnosticar a síndrome de Guillain-Barré, o médico terá de aceder ao histórico médico do paciente e formular perguntas sobre os seus sintomas, para ajudar a excluir quaisquer outras condições que possam afetar o sistema nervoso, como um acidente vascular cerebral. 
Geralmente, um acidente vascular cerebral provoca fraqueza muscular ou paralisia de um lado do corpo, enquanto que a síndrome de Guillain-Barré ocorre geralmente em ambos os lados. Depois de discutir os seus sintomas, o seu médico pode formular perguntas sobre todas as infecções ou doenças recentes. Infecções recentes estão intimamente relacionadas com o aparecimento desta síndrome e são relatadas por cerca de dois terços das pessoas com esta condição. O médico irá realizar um exame neurológico, mas também pode solicitar exames especiais para examinar os nervos.
Dois testes principais ajudam os médicos a diagnosticar um paciente com síndrome de Guillain-Barré:
  • Para testar o quão bem os nervos transmitem sinais para os músculos, os médicos usam um teste chamado de eletromiografia, usando ainda estudos de condução nervosa. Usando pequenos elétrodos colocados dentro e sobre a pele, o técnico pode medir a velocidade e a força de mensagens elétricas que são enviadas ao longo do nervo. Nervos danificados pela síndrome conduzem sinais a uma velocidade mais lenta;
  • Para examinar o líquido cefalorraquidiano, o médico pode realizar uma punção lombar. Este procedimento pode dar pistas para ajudar no diagnóstico. 

Tratamento e da síndrome de Guillain-Barré

Os tratamentos disponíveis para a síndrome ajudam a acelerar a recuperação. Tal como acontece com muitas condições, quanto mais cedo a doença for reconhecida e tratada, maiores as chances de uma recuperação rápida. A recuperação pode demorar mais tempo para casos mais graves da doença. Tratamentos com plasmaférese ou imunoglobulina intravenosa são geralmente muito bem sucedidos na ajuda de uma recuperação mais rápida.
Plasmaférese ajuda a remover os anticorpos a partir do sangue. Com as condições de síndrome de Guillain-Barré, determinados anticorpos danificam os nervos e causam uma perda de transmissão de sinais elétricos para os músculos. Plasmaférese trabalha separando o sangue em dois componentes principais, células e plasma. As células são devolvidas ao corpo. O plasma é descartado e substituído com plasma artificial. Plasmaférese funciona melhor quando é iniciado dentro das primeiras duas semanas após início dos sintomas.
A imunoglobulina intravenosa contém anticorpos obtidos a partir de sangue doado e tem sido demonstrado que esta terapia acelera a recuperação, quando administrada nas primeiras 2 semanas. 
Na fase de recuperação pode ser necessário considerar o alívio da dor e a manutenção da força muscular. A fisioterapia é útil para ajudar a recuperação. Medicamentos para a dor também podem ser necessários para ajudar a aliviar a dor do nervo.

Prevenção de síndrome de Guillain-Barré

Atualmente não existem métodos de prevenção conhecidos para esta condição. No entanto, a melhor forma de uma pessoa se manter saudável é fazer com que a atividade física regular seja uma parte da sua rotina diária, associada à promoção de uma alimentação adequada através de uma dieta equilibrada e saudável.
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL