domingo, 17 de julho de 2016

Priapismo - Causas e tratamento de priapismo

Priapismo causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
O priapismo é uma ereção prolongada do pênis. A ereção indesejada e persistente não é causada pela estimulação sexual e o priapismo é normalmente doloroso.
O priapismo é uma condição incomum que precisa de atenção médica imediata. O tratamento imediato para o priapismo é normalmente necessário para evitar danos nos tecidos, que pode resultar na incapacidade de obter ou manter uma ereção (disfunção erétil).
O priapismo é mais comum entre as idades de 5 e 10 anos em meninos e entre as idades de 20 e 50 anos em homens.

Sintomas de priapismo

Priapismo provoca ereções anormalmente persistentes que não estão relacionadas à estimulação sexual. Os sintomas de priapismo podem variar, dependendo do tipo de priapismo. Existem dois tipos principais, priapismo isquêmico e não isquêmico.

Sintomas de priapismo isquêmico

Priapismo isquêmico é o resultado do sangue não conseguir deixar o pênis, sendo o tipo mais comum de priapismo. Sinais e sintomas incluem:
  • Ereção indesejada que dura mais de quatro horas
  • Ereção indesejada que desaparece durante várias horas
  • Pênis com eixo rígido, mas ponta geralmente macia (glande)
  • Dor

Sintomas de priapismo não isquêmico

Priapismo não isquêmico ocorre quando muito sangue flui para o pênis. O priapismo não isquêmico é geralmente indolor. Sinais e sintomas incluem:
  • Ereção indesejada com duração de pelo menos quatro horas
  • Pênis ereto, mas haste peniana não rígida

Causas de priapismo

Uma ereção normal ocorre em resposta a estimulação física ou psicológica. Esta estimulação faz com que determinados vasos sanguíneos possam relaxar e expandir, aumentando o fluxo sanguíneo para os tecidos esponjosos no pênis. Consequentemente, o pênis cheio de sangue torna-se ereto. Após extrema estimulação, o sangue flui para fora, e o pênis retorna ao seu estado flácido.
Priapismo ocorre quando alguma parte deste sistema (o sangue, os vasos sanguíneos ou nervos) altera o fluxo sanguíneo normal. Subsequentemente, uma ereção indesejada persiste. Fatores que podem contribuir para o priapismo incluem:
  • Doenças do sangue. Doenças relacionadas com o sangue podem contribuir para o priapismo (geralmente priapismo isquêmico, quando o sangue não consegue fluir para fora do pênis). Estes distúrbios incluem anemia falciforme e leucemia. A anemia falciforme é a causa mais comum de priapismo em meninos. A anemia falciforme é uma doença hereditária caracterizada por glóbulos vermelhos de forma anormal. Estas células de forma anorma podem bloquear o fluxo de sangue.
  • Prescrição de medicamentos. Geralmente, o priapismo isquêmico é um efeito colateral associado a  um grande número de drogas. Alguns medicamentos podem por vezes causar priapismo. Estes incluem:
  1. Medicamentos orais utilizados para administrar a disfunção erétil, como o sildenafil (Viagra), tadalafil (Cialis) e vardenafil (Levitra)
  2. Drogas injetadas diretamente no pênis para tratar a disfunção erétil, tais como a papaverina
  3. Antidepressivos, tais como fluoxetina (Prozac) e bupropion (Wellbutrin)
  4. Medicamentos usados para tratar distúrbios psicóticos, como a risperidona (Risperdal) e olanzapina (Zyprexa)

  • Diluentes de sangue, como a varfarina (Coumadin) e heparina
  • Álcool e drogas. Abuso de medicamentos e álcool, e abuso de drogas podem causar priapismo, principalmente priapismo isquêmico. As possíveis causas incluem o uso recreativo de drogas de disfunção erétil, beber muito álcool e uso de drogas ilegais como a maconha ou cocaína
  • Prejuízo. Uma causa comum de priapismo não isquêmico (uma ereção persistente causada pelo fluxo de sangue excessivo no pénis) é um trauma ou lesão nos órgãos genitais, pelve ou períneo, região entre a base do pênis e o ânus.
  • Outros fatores. Outras causas de priapismo incluem lesão da medula espinhal, coágulos de sangue, veneno da serpente, tais como veneno de escorpiões ou aranhas viúva-negra.

Nalguns casos, os médicos não são capazes de identificar a causa específica para o priapismo.


Complicações associadas a priapismo

Priapismo isquêmico pode causar sérias complicações. O sangue preso no pénis fica privado de oxigénio. Quando uma ereção dura mais de quatro horas, o sangue pobre em oxigênio pode começar a danificar ou destruir tecidos no pênis. Como resultado, se esta condição não for tratado pode causar:
  • Disfunção erétil, a incapacidade do pênis ficar ereto com a excitação sexual
  • Desfiguração do pênis

Diagnóstico de priapismo

Se você tiver uma ereção que dura mais de quatro horas, você precisa de cuidados de emergência. Inicialmente, o médico irá determinar se você tem priapismo isquêmico ou priapismo não isquêmico. Isto torna-se necessário porque o tratamento para cada caso será diferente, e o tratamento de priapismo isquêmico precisa de ser feito o mais rapidamente possível.

Para determinar que tipo de priapismo você tem, provavelmente, o seu médico irá fazer algumas perguntas e examinar os seus órgãos genitais, abdômen, virilha e períneo. Ele pode ser capaz de determinar que tipo de priapismo você tem, tendo por base a rigidez e sensibilidade do pênis. Este exame também pode revelar sinais de lesões ou tumores que possam estar a causar priapismo. Por exemplo, uma lesão, sugere que o priapismo não isquêmico é mais provável.

Testes de diagnóstico para priapismo

Testes de diagnóstico podem ser necessários para determinar que tipo de priapismo você tem. Testes adicionais poderão identificar a causa do priapismo. Numa situação de emergência, o tratamento pode começar antes de todos os resultados dos testes serem conhecidos, se o médico se sentir confiante sobre o tipo de priapismo que você tem. Os testes de diagnóstico incluem:
  • Medição de gás de sangue. Neste teste, uma pequena agulha é inserida no seu pênis para remover uma amostra de sangue. Se o sangue for escuro (privado de oxigênio) a condição mais provável é priapismo isquêmico. Se o sangue for vermelho brilhante, provavelmente existe priapismo não isquêmico. Um teste de laboratório que mede as quantidades de certos gases no sangue pode confirmar o tipo de priapismo.
  • Exames de sangue. O seu sangue pode ser testado para medir o número de células vermelhas do sangue e as plaquetas presentes. Os resultados podem fornecer evidências de doenças, como anemia falciforme, outras doenças do sangue ou certos tipos de câncer.
  • O ultrassom. Você pode ser sujeito a ultra-sonografia, que usa ondas sonoras para criar uma imagem de órgãos internos. Este teste pode ser usado para medir o fluxo de sangue dentro do seu pênis que sugira priapismo isquêmico ou não isquêmico. O exame também pode revelar uma lesão, tumor ou anomalia que possa ser uma causa subjacente.
  • Teste de toxicologia. O seu médico pode pedir um teste para triagem de drogas ilegais ou medicamentos prescritos que possam ser a causa do priapismo. Este teste pode ser feito com amostras de sangue ou urina.

Tratamento para priapismo


Tratamento para priapismo isquêmico

Priapismo isquêmico (resulta do sangue não conseguir sair do pênis) é uma situação de emergência que requer tratamento imediato. Geralmente, este tratamento começa com uma combinação de drenagem de sangue do pênis e uso de medicamentos. As etapas podem incluir:
  • Aspiração. Após o seu pênis ser anestesiado com anestésico local, o sangue em excesso é drenado a partir dele, usando uma pequena agulha e seringa. Como parte deste processo, as veias do pênis também podem ser lavadas com uma solução salina. Este tratamento alivia a dor, remove o sangue pobre em oxigênio e pode parar a ereção, podendo ser repetido até que a condição termine.
  • Medicação. Um medicamento chamado usimpaticomimético alfa-adrenérgico, tais como fenilefrina, pode ser injetado no tecido esponjoso do pênis. Esta droga contrai os vasos sanguíneos que transportam o sangue para o pênis. Essa ação permite que os vasos sanguíneos que transportam o sangue para fora do pênis possam abrir e permitir a saída do fluxo de sangue. Este tratamento pode ser repetido ao longo de várias horas, se necessário. Existe algum risco de efeitos colaterais, como dor de cabeça, tonturas e pressão arterial elevada, especialmente se você tiver pressão arterial elevada ou doença cardíaca.
  • Cirurgia. Se outros tratamentos não forem bem sucedidos, um cirurgião pode implantar um dispositivo que redireciona o fluxo sanguíneo (derivação), para que o sangue possa mover-se através do seus pênis normalmente.
  • Tratamentos adicionais. Se você tiver anemia falciforme, você pode receber tratamentos adicionais que são usados no tratamento de episódios relacionados com a doença, tais como oxigênio suplementar ou uma solução intravenosa para mantê-lo hidratado.

Tratamento de priapismo não isquêmico

Geralmente, priapismo não isquêmico desaparece sem tratamento. Atendendo a que não existe um risco de dano no pênis, o médico pode sugerir uma abordagem de vigilância e espera. Colocar gelo e pressão sobre o períneo (a região entre a base do pênis e do ânus) pode ajudar a terminar a ereção.
A cirurgia pode ser necessária nalguns casos, para inserir material que possa bloquear temporariamente o fluxo de sangue para o pênis. O corpo, eventualmente, absorve o material. A cirurgia também pode ser necessária para reparar artérias ou danos nos tecidos, resultantes de uma lesão.

Prevenção de priapismo

Dependendo da provável causa do priapismo, medidas para evitar a recorrencia desta condição podem incluir:
  • O tratamento da doença que pode ter causado priapismo
  • Mudança de medicamentos, se um medicamento prescrito for a causa provável
  • Evitar gatilhos, como álcool ou drogas ilegais
  • A auto-injeção de fenilefrina para parar ereções prolongadas
  • Medicamentos bloqueadores de hormônios (apenas para os homens adultos)
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL