domingo, 24 de julho de 2016

Hipotireoidismo - Causas e tratamento de hipotireoidismo

Hipotireoidismo  causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Hipotireoidismo ou disfunção da tireoide desenvolve-se quando a glândula tireoide não consegue produzir ou secretar tiroxina (T4), em quantidades necessárias para as necessidades do corpo. Atendendo a que T4 regula as funções essenciais como a frequência cardíaca, a digestão, o crescimento físico e o desenvolvimento mental, uma oferta insuficiente deste hormônio pode retardar os processos de sustentação da vida, danificar órgãos e tecidos do corpo, e levar a complicações com risco de vida.
O hipotireoidismo é uma das doenças crônicas mais comuns. Os sintomas podem não aparecer até anos após a tireoide parar de funcionar devidamente, e muitas vezes são confundidos com sinais de outras doenças, menopausa ou envelhecimento. Duas em cada três pessoas com hipotireoidismo podem não saber que têm a doença.
O funcionamento da tireoide influencia quase todos os órgãos, tecidos e células do corpo. A tireoide tem a forma de uma borboleta e está localizada logo abaixo do pomo-de-adão. Os baixos níveis de T4 podem alterar o peso, o apetite, padrões de sono, a temperatura corporal, o desejo sexual e uma variedade de outras características físicas, mentais e emocionais.
Existem três tipos de hipotireoidismo. O mais comum é o hipotireoidismo primário, situação em que a tireoide não produz uma quantidade adequada de T4. Hipotireoidismo secundário desenvolve-se quando a glândula pituitária não libera suficiente hormônio estimulante da tireoide, que motiva a tireoide a fabricar T4. Hipotireoidismo terciário é resultado de um mau funcionamento do hipotálamo, a parte do cérebro que controla o sistema endócrino. Hipotireoidismo induzido por drogas, uma reação adversa a medicamentos, ocorre em duas de cada 10 mil pessoas, mas raramente provoca hipotireoidismo grave.
O hipotireoidismo é pelo menos duas vezes mais comum em mulheres do que em homens. Embora o hipotireoidismo seja mais comum em mulheres que estão na fase da meia-idade ou mais velhas, a doença pode ocorrer em qualquer idade. Os recém-nascidos são testados para a deficiência congênita da tireoide (cretinismo), utilizando um teste que mede os níveis de tiroxina no sangue do lactente. Tratamento nos primeiros meses de vida podem prevenir o retardo mental e anormalidades físicas. As crianças mais velhas, que desenvolvem hipotireoidismo, de repente param de crescer.
Os fatores que aumentam o risco de desenvolvimento de hipotireoidismo incluem a idade, peso e história médica. As mulheres são mais propensas a desenvolver a doença após os 50 anos, e os homens após os 60 anos. A obesidade também aumenta o risco. Uma história familiar de problemas de tireoide ou uma história pessoal de níveis elevados de colesterol ou doenças auto-imunes como o lúpus, a artrite reumatoide ou diabetes podem tornar um indivíduo mais suscetível ao hipotireoidismo.

Causas de hipotireoidismo

O hipotireoidismo é na maioria das vezes o resultado da doença de Hashimoto, também conhecida como tireoidite crônica (inflamação da glândula tireoide). Nesta doença, o sistema imunitário não reconhece a glândula tireoide como parte do próprio corpo e ataca-a como se fosse um corpo estranho. O ataque pelo sistema imunológico prejudica a função da tireoide e, por vezes destrói a glândula. Outras causas de hipotireoidismo incluem:
  • Radiação. O iodo radioativo usado para tratar hipertireoidismo (tireoide hiperativa) ou radioterapia para câncer de cabeça ou pescoço pode destruir a glândula tireoide.
  • Cirurgia. A remoção da glândula devido ao câncer da tireoide ou outras doenças da tireoide podem resultar em hipotireoidismo.
  • Os vírus e as bactérias. Infecções que deprimem a produção de hormônios da tireoide costumam causar hipotireoidismo permanente.
  • Medicação. O nitroprussiato, lítio, ou iodetos podem induzir hipotireoidismo. Como os pacientes que usam esses medicamentos são acompanhados de perto pelos seus médicos, este efeito colateral é muito raro.
  • Mau funcionamento da glândula pituitária. Esta é uma condição rara em que a glândula pituitária não consegue produzir suficiente TSH para ativar a produção de T4 pela tireoide.
  • Defeito congênito. Um em cada 4.000 bebês nasce sem que a glândula tireoide funcione corretamente.
  • Dieta. Porque a tireoide produz T4 de iodo elaborado a partir de alimentos, uma dieta com deficiência de iodo pode causar hipotireoidismo. Adição de iodo ao sal de cozinha e outros alimentos comuns eliminou a deficiência de iodo nalguns países. Certos alimentos (repolho, nabos, amendoim, pêssego, soja, espinafre) podem interferir com a produção de hormônios da tireoide.
  • Contaminantes ambientais. Certos produtos químicos sintéticos, tais como PCBs encontrados no meio ambiente local em níveis elevados também podem causar hipotireoidismo.

Sintomas de hipotireoidismo

Hipotireoidismo é muitas vezes referido como uma doença "silenciosa" porque os sintomas iniciais podem ser tão leves que ninguém percebe que algo está errado. Sintomas não tratados tornam-se mais visíveis e graves, e podem levar à confusão e transtornos mentais, dificuldades respiratórias, problemas cardíacos, flutuações na temperatura corporal e morte.
Provavelmente, alguém que tenha hipotireoidismo terá mais do que um dos seguintes sintomas:
  • Fadiga;
  • Diminuição da frequência cardíaca;
  • Perda progressiva da audição;
  • Ganho de peso;
  • Problemas de memória e concentração;
  • Depressão;
  • Bócio (alargamento da glândula tireoide);
  • Dor muscular ou fraqueza;
  • Perda de interesse sexual;
  • Dormência, formigamento das mãos;
  • Pele seca;
  • Pálpebras inchadas;
  • Ressecamento, perda ou envelhecimento precoce dos cabelos;
  • Extrema sensibilidade ao frio;
  • Prisão de ventre;
  • Períodos menstruais irregulares;
  • Voz rouca.
Geralmente, o hipotireoidismo desenvolve-se gradualmente. Quando a doença resulta de cirurgia ou de outro tratamento para o hipertireoidismo, os sintomas podem aparecer de repente e incluem severas cãibras musculares nos braços, pernas, pescoço, ombros e costas.
É importante consultar um médico se algum destes sintomas aparecer de forma inesperada. Pessoas cujo hipotireoidismo permanece não diagnosticado e não tratado podem evoluir para mixedema. Os sintomas desta complicação rara, mas potencialmente mortal, incluem língua alargada, feições inchadas, rouquidão e lentidão física e mental.
O coma mixedematoso pode causar apatia, respiração irregular e superficial, e uma queda na pressão arterial e temperatura corporal. O início desta emergência médica pode ser súbito em pessoas idosas ou que tenham ficado doentes, feridas, ou expostas a temperaturas muito frias, que recentemente foram submetidas a cirurgia, ou que usam sedativos ou anti-depressivos. Sem atenção médica imediata, pode ser fatal.


Complicações associadas a hipotireoidismo

O hipotireoidismo não tratado pode levar a uma série de problemas de saúde, nomeadamente:
  • Bócio. estimulação constante da tireoide para liberar mais hormônios pode fazer com que a glândula se possa tornar maior,  uma condição conhecida como bócio. Tireoidite de Hashimoto é uma das causas mais comuns de bócio. Embora geralmente não seja desconfortável, um grande bócio pode afetar a sua aparência e pode interferir com o engolir ou respirar.
  • Problemas cardíacos. O hipotireoidismo também pode estar associado com um risco aumentado de doença cardíaca, principalmente por causa de altos níveis de lipoproteína de baixa densidade (LDL) que podem ocorrer em pessoas com uma disfunção da tireoide. Mesmo uma condição subclínica, uma forma leve ou início de hipotireoidismo em que os sintomas ainda não se desenvolveram, pode causar um aumento nos níveis de colesterol total e prejudicar a capacidade de bombeamento do coração. O hipotireoidismo também pode levar a uma falha do coração e aumento do coração.
  • Problemas de saúde mental. A depressão pode ocorrer no início da condição, podendo tornar-se mais grave com o tempo. Esta condição também pode causar funcionamento mental retardado.
  • Neuropatia periférica. Hipotireoidismo de longo prazo não controlado pode causar danos nos nervos periféricos, os nervos que levam informações do cérebro e medula espinhal para o resto do corpo, como por exemplo, para os braços e pernas. Sinais e sintomas de neuropatia periférica podem incluir dor, dormência e formigamento na área afetada pela lesão do nervo, podendo ainda provocar fraqueza muscular ou perda do controle muscular.
  • Mixedema. Esta condição rara com risco de vida é o resultado de longo prazo do hipotireoidismo não diagnosticado. Os sinais e sintomas incluem intensa intolerância ao frio e sonolência seguida de profunda letargia e perda de consciência. O coma mixedema pode ser desencadeado por sedativos, infecção ou outro tipo de tensão no corpo. Se tiver sinais ou sintomas de mixedema, você precisará de tratamento médico imediato de emergência.
  • Infertilidade. Os baixos níveis de hormônio da tireoide podem interferir com a ovulação, o que prejudica a fertilidade. Além disso, algumas das causas de hipotireoidismo (tais como doença auto-imune) também podem afetar a fertilidade.
  • Defeitos de nascença. Os bebés nascidos de mulheres com doença da tireoide não tratada podem ter um maior risco de defeitos de nascença do que os bebês nascidos de mães saudáveis. Estas crianças também são mais propensas a apresentar problemas intelectuais e de desenvolvimento graves. Recém-nascidos com hipotireoidismo não tratado presente no nascimento estão em risco de sérios problemas tanto de desenvolvimento físico como mental. Mas se esta condição for diagnosticada nos primeiros meses de vida, as chances de desenvolvimento normal são excelentes.

Diagnóstico de hipotireoidismo

O diagnóstico de hipotireoidismo é baseado em observações do paciente, história clínica, exame físico e testes de função da tireoide. Médicos que se especializam no tratamento de distúrbios da tireoide (endocrinologistas) são os mais aptos a reconhecer os sintomas sutis e indicações físicas de hipotireoidismo. Um exame de sangue conhecido como um ensaio do hormônio estimulante da tireoide (TSH), exame de medicina nuclear da tireoide e ultrassom são utilizados para confirmar o diagnóstico. Uma mulher que esteja a ser testada para hipotireoidismo deve deixar o seu médico saber que está grávida ou a amamentar, e todos os pacientes devem ter a certeza de que os seus médicos estão cientes de todos os procedimentos recentes envolvendo materiais radioativos ou meios de contraste.
O ensaio de TSH é extremamente preciso, mas alguns médicos duvidam da capacidade do teste para detetar o hipotireoidismo leve, podendo aconselhar os pacientes a monitorizar a temperatura do corpo para leituras abaixo do normal, que possam indicar a presença de hipotireoidismo.

Tratamento de hipotireoidismo

Hormonas tireoideias naturais ou sintéticas são utilizadas para restaurar os níveis de hormônio da tireoide normal (eutireoidismo). Hormônios sintéticos são mais eficazes do que as substâncias naturais, mas pode levar vários meses para se determinar a dosagem correta. Os pacientes começam a sentir-se melhor dentro de 48 horas, mas os sintomas vão voltar, se pararem de tomar a medicação.
A maioria dos médicos prescrevem comprimidos de levotiroxina sódica, e a maioria das pessoas com hipotireoidismo vai tomar a medicação para o resto de suas vidas. Envelhecimento, outros medicamentos e mudanças no peso e saúde em geral podem afetar a quantidade de reposição hormonal necessária do paciente, e exames de TSH regulares são usados para monitorar os níveis de hormônio. Os pacientes não devem mudar de um tipo de hormônio da tireoide para outro sem a permissão do médico.
Exercícios regulares e uma dieta rica em fibras podem ajudar a manter a função da tireoide e evitar a prisão de ventre.

Prevenção de hipotireoidismo

Hipotireoidismo primário não pode ser evitado, mas exames de rotina dos adultos podem detetar a doença nos seus estágios iniciais e prevenir complicações.
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL