domingo, 10 de julho de 2016

Fístula - Causas e tratamento de fístula

Fístula causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Uma fístula é uma passagem anormal permanente entre dois órgãos do corpo, ou entre um órgão e o exterior do corpo. As fistulas podem surgir em qualquer parte do corpo, mas são mais comuns no trato digestivo. Elas também podem desenvolver-se entre os vasos sanguíneos e nos sistemas urinários, reprodutivos e linfáticos, podendo ocorrer em qualquer idade, mas também podem estar presentes no nascimento (congênita). Algumas podem colocar risco de vida, outras causam desconforto, enquanto que outras são benignas e passam despercebidas ou causam poucos sintomas. Pessoas diabéticas, com sistemas imunológicos comprometidos (AIDS, câncer) e pessoas com certas doenças gastrointestinais (doença de Crohn, doença inflamatória intestinal) estão em maior risco de desenvolver fístulas.
Existem quatro tipos comuns de fístulas:
  • Cegas, que são abertas em apenas uma extremidade
  • Completas, que têm uma abertura interna e uma abertura na pele
  • Ferradura, que são situações complexas com mais de uma abertura no exterior do corpo
  • Imcompletas, que são tubos de pele que estão abertos do lado de fora, mas fechados no interior e não se conectam a qualquer estrutura interna.

As fistulas podem ser congênitas ou adquiridas.
Um exemplo de uma condição congênita é a fístula arteriovenosa pulmonar. Esta é uma conexão anormal entre as artérias e as veias dos pulmões. Com circulação normal, o sangue sem oxigênio vai para os pulmões onde ele "pega" oxigênio e sangue oxigenado, sendo então bombeado para o resto do corpo pelo coração.
A fístula arteriovenosa pulmonar permite que o sangue oxigenado e desoxigenado se misturem, levando a que algum sangue oxigenado circule para os pulmões e sangue mal oxigenado seja bombeado para o corpo. A gravidade da fístula determina quanto oxigênio está a atingir o corpo e quanto o paciente é afetado.

As fístulas adquiridas são aquelas que podem ser causadas por doenças. A doença de Crohn, que causa inflamação do intestino, e pode destruir lentamente os delicados tecidos do intestino, pode levar a uma fístula anorretal. Este tipo de passagem anormal permite que as fezes possam viajar fora do intestino, o que leva a fezes que saem do corpo por um local diferente do reto, como a vagina.
Uma fístula obstétrica é uma complicação de um parto difícil, onde o suprimento de sangue é mínimo ou cortado completamente buma área de tecido abdominal, muitas vezes a bexiga, útero ou intestino. Quando este tecido morre, ele deixa um buraco através do qual a urina ou fezes podem mover-se, e a mulher pode sentir fezes a vazar da sua vagina ou urina a vazar do seu ânus. Este tipo de passagem anormal pode levar a infecções crônicas e requer cirurgia para reparar o dano, sendo mais comum em países onde as mulheres podem sofrer trabalho de parto prolongado e obstrutivo, casos em que uma cesariana poderia e deveria ser implementada.

Fístula do trato digestivo

Fístula anal e retal desenvolvem-se na parede do ânus ou reto e conectam o interior do corpo a um ou vários orifícios na pele. Fístulas anais e retais quase sempre começam como uma inflamação numa glândula anal. A inflamação move-se então para o tecido muscular e desenvolve-se num abscesso. Em cerca de metade de todos os casos, o abscesso desenvolve-se numa passagem anormal, degradando o músculo até uma abertura na pele ser criada. Cerca de nove pessoas em cada 100 mil desenvolvem fístulas anais, com os homens a apresentarem quase duas vezes mais chances de desenvolver a doença do que as mulheres. Embora possam ocorrer em qualquer idade, a média de idade para o desenvolvimento da passagem anormal anal é de 38 anos.
Fístulas intestinais podem desenvolver-se, tanto no intestino delgado como no intestino grosso e são frequentemente associadas a doenças tais como a doença inflamatória do intestino e doença de Crohn.
Geralmente, as fístulas esôfago-traqueais são defeitos congênitos, situação em que a traquéia fica anormalmente ligada ao esôfago. Isto permite que o ar entre no sistema digestivo e torne possível alimentar a respiração para dentro dos pulmões (aspiração). Em muitos casos, o esófago também se encontra incompleto, provocando problemas imediatos de alimentação. 


Fístulas do trato urinário e reprodutivo

O tipo mais comum de passagem anormal nestes sistemas é uma fístula vesicovaginal, em que a vagina da mulher está ligada à bexiga urinária, provocando a perda de urina a partir da vagina e resultando em frequentes infecções vaginais e da bexiga. Fistulas também podem desenvolver-se entre a vagina e o intestino grosso, onde fezes provêm da vagina. Embora estes dois tipos sejam incomuns no mundo desenvolvido, eles são comuns em países pobres, e resultam de trabalho de parto difícil e muito demorado, especialmente em meninas muito jovens. Como resultado, estas são muitas vezes referidas como fístulas obstétricas.
Alguns especialistas sugerem que em algumas partes da África, 3 a 4 mulheres desenvolvem este problema em cada 1.000 nascimentos. Outros estimam que mais de 2 milhões de mulheres no mundo vivem com fístulas obstétricas não tratadas. Se não forem reparadas, as fístulas obstétricas levam as mulheres a vazar constantemente urina e fezes. Como resultado, elas tornam-se perturbadoras nas relações sociais, podendo causar trauma psicológico.


Fístula do sistema circulatório

Fistulas arteriovenosas podem desenvolver-se entre uma artéria e uma veia em qualquer parte do corpo. Estas fístulas variam em tamanho, duração e frequência. Artérias contêm sangue e transportam oxigênio para todas as partes do corpo. As ligações entre artérias e veias provocam alterações na pressão arterial, que resultam no desenvolvimento anormal das paredes das artérias e num fluxo sanguíneo anormal. As fístulas arteriovenosas que estão presentes no momento do nascimento, são muitas vezes referidas como malformações arteriovenosas. Muitas fístulas arteriovenosas estão presentes, mas não são evidentes no momento do nascimento, e somente se tornam evidentes após ocorrência de trauma.

Causas e sintomas

As causas e sintomas de fístulas variam de acordo com a sua localização. Fístula anal e retal são geralmente causadas por um abscesso. Os sintomas incluem dor latejante e constante inchaço na área retal. Por vezes, o pus é visível a partir da abertura de drenagem da fístula na pele. Muitos indivíduos apresentam uma febre resultante da infecção causadora do abcesso.
Fístulas vaginais são causadas por infecções e trauma para o tecido durante o parto e são facilmente detetadas, porque a mulher apresenta cheiro desagradável e vazamentos de urina ou fezes através da vagina. Raramente, estas fístulas podem desenvolver-se como uma complicação da histerectomia.
Fístulas traqueais são o resultado de erros no desenvolvimento do feto, sendo evidentes no nascimento, porque a criança é incapaz de engolir ou comer normalmente, sendo considerada como uma emergência médica que requer cirurgia, caso a criança sobreviva.
As fístulas arteriovenosas são na maioria das vezes resultantes de defeitos congênitos. Os sintomas variam dependendo do tamanho e localização da fístula. Muitas vezes, a pele torna-se rosa ou vermelha escura brilhante na área da passagem anormal. Os indivíduos podem queixar-se de dor. A dor é o resultado de alguns tecidos que não recebem oxigénio suficiente por causa do fluxo sanguíneo anormal.

Diagnóstico

Os testes utilizados para determinar a presença de umapassagem anormal variam com a sua localização. Quando existe uma abertura para o exterior, o médico pode ser capaz de ver se existe uma fístula e pode testá-la. Vários estudos de imagem, como raios X, tomografias, enemas de bário, endoscopia e ultra-sonografia são usados para localizar fístulas menos visíveis.

Tratamento de fístula

Fístula anal e retal são tratadas por drenagem do pus na área infetada. Normalmente, também são prescritos antibióticos para ajudar a prevenir a recorrência do abscesso. Se isto falhar, a cirurgia pode ser necessária.
Fístulas intestinais são tratadas primeiramente por redução da inflamação no intestino e, em seguida, se necessário, recorre-se a uma cirurgia. O tratamento varia consideravelmente, dependendo do grau de gravidade dos sintomas e das causas da condição. Fístulas obstétricas devem ser reparadas com cirurgia. O tratamento de fistulas arteriovenosas depende do tamanho e da localização da condição e geralmente inclui cirurgia.
Não são conhecidos tratamentos alternativos eficazes para este tipo de condição.

Prevenção de fístula

Fístulas obstétricas são as únicas que podem ser evitáveis. Estas podem ser prevenidas com um bom acompanhamento pré-natal e acompanhamento do parto, e evitando a gravidez em meninas muito jovens. Apesar de fístulas anais e retais não serem evitáveis, os seus danos podem ser minimizados com pronta drenagem e tratamento adequado.
Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL