quarta-feira, 26 de abril de 2017

Rigidez muscular - Causas, sintomas e tratamento

Rigidez muscular causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Rigidez muscular é um sintoma que ocorre quando os músculos não podem mover-se rapidamente sem o acompanhamento de dor e/ou espasmo. Neste caso, os pacientes têm de se mover lentamente. Depois de um período em que o músculo deixa de ser utilizado, como por exemplo depois de dormir ou depois de permanecer sentado numa posição por algum tempo, o primeiro movimento tem que ser particularmente lento, suave e hesitante. Mover de modo muito rápido provoca dor aguda e possivelmente espasmo.
Normalmente a rigidez nos músculos ocorre nas costas, pescoço e nos músculos próximos do ombro e quadris. Aparentemente, a razão porque isto acontece decorre do facto de que a evolução nunca significou seres humanos a andar sobre duas pernas. Nós herdámos a estrutura muscular de criaturas que andam sobre quatro patas. Isto significa que estes músculos estão a trabalhar numa enorme desvantagem mecânica e, portanto, grandes tensões são colocadas sobre eles, situação que a evolução realmente nunca corrigiu. Assim, não se pode considerar uma surpresa que os músculos rígidos tendam a ser associados com a velhice.
Aparentemente muito poucas pessoas que sofrem de rigidez muscular parecem escapar da tendência de espasmo e raramente relatam cãibras. Pessoas que sofrem espasmos e cãibras ao tentar liberar a rigidez nos músculos, muitas vezes têm baixos níveis de magnésio e/ou mau estado de tiamina. 

Possíveis mecanismos de rigidez muscular

Quais são os possíveis mecanismos que levam à rigidez e espasmos musculares? A resposta é que realmente não se sabe muito bem, mas existem algumas ideias que parecem resultar bem na prática clínica e nos achados bio-químicos.
Para que os músculos possam relaxar, eles exigem magnésio, e para que os músculos possam contrair, eles necessitam de cálcio. Qualquer desequilíbrio em cada uma destas situações, demasiado cálcio ou muito pouco magnésio aumentam muito a tendência para contração e espasmo. As dietas modernas absorvem baixos teores em magnésio e alto teor de cálcio, e isso irá aumentar a tendência para o espasmo. 
Outras indiscrições dietéticas também poderão aumentar os níveis de cálcio intercelulares. O cálcio é mantido no interior das células através de uma proteína de ligação, e esta é estimulada por AMP cíclico e insulina. Os dois problemas alimentares que induzem estas enzimas são respetivamente a cafeína e os hidratos de carbono. Assim, uma dieta ocidental tenderá a predispor a rigidez muscular.
Manchas reumáticas podem estar presentes com o sintoma da rigidez nos músculos.
Uma vez que uma pessoa tenha desenvolvido uma tendência a espasmos musculares e dor, em seguida, o corpo promove uma resposta aprendida. O cérebro antecipa que o músculo vai entrar em espasmo ao mover-se muito rapidamente e, assim, todos os movimentos são geralmente abrandados para impedir que isto aconteça. Pode muito bem ser que algumas terapias conhecidas possam ser eficazes para os músculos rígidos, como Pilates, técnica de Bowen, massagem e manipulações para re-educar o cérebro a perceber que agora é "seguro" mover-se livremente. No entanto, estas serão muito mais eficazes se as causas físicas subjacentes também forem abordadas.


Como controlar a rigidez muscular

A necessidade de monitoramento depende da causa subjacente do problema. Tanto os sintomas, como os achados do exame físico devem ser seguidos de perto hora a hora. Os testes de urina, exames de sangue e exames de raios-X também podem ser necessários para monitorar a condição. Qualquer agravamento dos sintomas deve ser imediatamente relatado ao seu médico.

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL