sexta-feira, 7 de abril de 2017

Endocardite - Causas, sintomas e tratamento

Endocardite causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
A endocardite é uma infecção do revestimento interno do coração (endocárdio).
Geralmente, a endocardite ocorre quando bactérias ou outros germes de outra parte do corpo, como da boca, se espalham através da corrente sanguínea e se anexam a áreas danificadas no coração. Não tratada, esta condição pode danificar ou destruir válvulas do coração, podendo levar a complicações fatais. Tratamentos para a condição incluem antibióticos e, em certos casos, uma cirurgia.
Endocardite é incomum em pessoas com corações saudáveis. As pessoas com maior risco de endocardite têm válvulas cardíacas danificadas, válvulas cardíacas artificiais ou outros defeitos cardíacos.

Sintomas de endocardite

A endocardite pode desenvolver-se lentamente ou de repente, dependendo do que está a causar a infecção e do facto do paciente poder ter quaisquer problemas cardíacos subjacentes. Sinais e sintomas de endocardite podem variar, mas podem incluir:
  • Febre e calafrios
  • Um novo ou modificado sopro cardíaco
  • Fadiga
  • Dores nas articulações e músculos
  • Suor noturno
  • Falta de ar
  • Palidez
  • Tosse persistente
  • Inchaço nos pés, pernas ou no abdômen
  • Perda de peso inexplicada
  • Sangue na urina (visível ou encontrado na visualização de urina num microscópio)
  • Sensibilidade no baço
  • Nodos de Osler, que são pontos dolorosos vermelhos sob a pele dos dedos
  • Petéquias, que são pequenas manchas roxas ou vermelhas na pele, no branco dos olhos ou dentro da boca

Causas de endocardite

Endocardite ocorre quando germes entram na corrente sanguínea, e viajam para o seu coração, anexando-se a válvulas cardíacas anormais ou tecido cardíaco danificado. As bactérias causam a maioria dos casos, mas fungos ou outros microorganismos também podem ser responsáveis por esta condição.
Por vezes, o culpado é uma das muitas bactérias comuns que vivem na boca, garganta ou noutras partes do corpo. O organismo agressor pode entrar na corrente sanguínea através de:
  • Atividades orais diárias. Atividades como escovar os dentes ou mastigar alimentos podem permitir que as bactérias entrem na corrente sanguínea, especialmente se os seus dentes e gengivas não forem saudáveis.
  • Uma infecção ou outra condição médica. As bactérias podem espalhar-se de uma zona infetada, como uma ferida na pele. Uma infecção sexualmente transmissível ou um distúrbio intestinal (como a doença inflamatória intestinal) também podem dar às bactérias a oportunidade de entrar na corrente sanguínea.
  • Cateteres ou agulhas. As bactérias podem entrar no seu corpo através de um cateter (um tubo fino que os médicos usam por vezes para injetar ou remover fluidos do corpo). As bactérias que podem causar endocardite também podem entrar na corrente sanguínea através das agulhas utilizadas para tatuagens ou piercing. As agulhas e seringas contaminadas são uma preocupação especial para as pessoas que usam drogas por via intravenosa.
  • Certos procedimentos odontológicos. Alguns procedimentos odontológicos que podem cortar as suas gengivas, podem permitir que as bactérias entrem na corrente sanguínea. Normalmente, o sistema imunológico destrói as bactérias que entram na corrente sanguínea. Mesmo que as bactérias atinjam o seu coração, elas podem não causar uma infecção.
A maioria das pessoas que desenvolvem endocardite têm uma válvula cardíaca afetada ou danificada (um local ideal para as bactérias se instalarem). Este tecido danificado no endocárdio fornece às bactérias uma superfície rugosa de que elas precisam para se prender e multiplicar. Endocardite pode ocorrer ocasionalmente em válvulas cardíacas previamente normais.

Diagnóstico para endocardite

O seu médico pode suspeitar de endocardite com base no seu histórico médico, sinais e sintomas físicos, tais como febre. Usando um estetoscópio para auscultar o seu coração, o médico pode ouvir um novo sopro cardíaco ou uma mudança de um sopro cardíaco anterior, que são possíveis sinais de endocardite.
A infecção pode imitar outras doenças nos seus estágios iniciais. Vários testes podem ser necessários para ajudar a formular um diagnóstico, nomeadamente:
  • Exames de sangue. O ensaio mais importante é uma cultura de sangue utilizada para identificar bactérias na corrente sanguínea. Exames de sangue também podem ajudar o médico a identificar certas condições, incluindo anemia (uma escassez de glóbulos vermelhos saudáveis), que pode ser um sinal de endocardite.
  • Ecocardiograma transesofágica. Um ecocardiograma usa ondas sonoras para produzir imagens do coração a trabalhar. Este tipo de ecocardiograma permite que o seu médico possa obter uma visualização das suas válvulas cardíacas. Este é muitas vezes utilizado para verificar se existem sinais de infecção. Durante este teste, um aparelho de ultrassom é passado através da sua boca, para o seu esôfago (o tubo que liga a boca e estômago).
  • Eletrocardiograma (ECG). O seu médico pode encomendar este teste não-invasivo, se ele pensar que uma endocardite pode estar a causar um batimento cardíaco irregular. Durante um ECG, sensores (eletrodos) que podem detetar a atividade elétrica do coração ficam ligados no seu peito, e por vezes aos seus membros. Um ECG mede o momento e a duração de cada fase elétrica de um batimento cardíaco.
  • Raio-X do tórax. Imagens de raios-X ajudam o médico a verificar a condição dos seus pulmões e coração. O seu médico pode utilizar imagens de raio-X para verificar se a endocardite causou o aumento de coração ou se a infecção se espalhou para os seus pulmões.
  • A tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (MRI). Você pode precisar de uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética de seu cérebro, peito ou outras partes do corpo, se o seu médico achar que a infecção se espalhou para estas áreas.

Tratamento para endocardite

A primeira linha de tratamento para endocardite são os antibióticos. Por vezes, se a sua válvula cardíaca ficar danificada por uma infecção, torna-se necessária uma cirurgia.

Antibióticos

Se você tiver endocardite, você pode precisar de altas doses de antibióticos por via intravenosa, num hospital. Exames de sangue podem ajudar a identificar o tipo de microorganismo que está a infetar o seu coração. Esta informação irá ajudar o médico a escolher o melhor antibiótico ou a combinação de antibióticos para combater a infecção.
Geralmente, você precisará de tomar antibióticos por duas a seis semanas ou mais para limpar a infecção. Uma vez que a sua febre e os piores sinais e sintomas passaram, você pode ser capaz de deixar o hospital e continuar a terapia antibiótica intravenosa com visitas ao consultório do seu médico ou em casa com cuidados domiciliários. Você precisará  de consultar o seu médico regularmente para garantir que o seu tratamento está a funcionar de modo adequado.
Reporte sempre ao seu médico quaisquer sinais ou sintomas que sugiram que a infecção está a piorar, tais como:
  • Febre
  • Calafrios
  • Dores de cabeça
  • Dor nas articulações
  • Falta de ar
  • Diarreia, erupção cutânea, comichão ou dor nas articulações, que podem indicar uma reação a um antibiótico (outra razão para consultar o seu médico)
Consulte o seu médico imediatamente se sentir falta de ar ou inchaço nas pernas, tornozelos ou pés. Estes sinais e sintomas podem indicar insuficiência cardíaca.

Cirurgia

Se a infecção motivar danos nas válvulas do coração, você pode ter sintomas e complicações durante anos após o tratamento. Por vezes, uma cirurgia torna-se necessária para tratar infecções persistentes ou para substituir uma válvula danificada. A cirurgia também se torna por vezes necessária para tratar a endocardite que é causada por uma infecção fungica.
Dependendo da sua condição, o seu médico pode recomendar a reparação de uma válvula danificada ou a sua substituição por uma válvula artificial, feita de tecido animal ou materiais sintéticos.

Prevenção para endocardite

Para ajudar a evitar endocardite, certifique-se de boas práticas de higiene:
  • Preste especial atenção à sua saúde bucal (escove e use fio dental nos seus dentes e gengivas muitas vezes, e promova exames dentários regulares).
  • Evite procedimentos que possam levar a infecções de pele, tais como piercings ou tatuagens.
  • Procure atenção médica imediata se desenvolver qualquer tipo de infecção da pele, feridas abertas ou feridas que não cicatrizam adequadamente.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL