sexta-feira, 31 de março de 2017

Encefalite - Causas e tratamento de encefalite

Encefalite causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Encefalite é uma inflamação do cérebro. As infecções virais são a causa mais comum da doença. Encefalite pode causar sintomas semelhantes aos da gripe, tais como febre ou dor de cabeça severa. Esta inflamação também pode causar pensamento confuso, convulsões ou problemas com os sentidos ou movimento. No entanto, muitos casos de encefalite resultam apenas em sintomas gripais leves ou não motivam qualquer sintoma.
Casos graves de encefalite, embora relativamente raros, podem ser fatais. Porque o curso de um caso único de encefalite pode ser imprevisível, torna-se importante obter um diagnóstico e tratamento precoce e oportuno.


Causas da encefalite

A encefalite pode desenvolver-se como resultado de uma infecção direta no cérebro provocada por um vírus, bactéria ou fungo (encefalite infecciosa ou encefalite primária), ou quando o sistema imunológico responde a uma infecção anterior. O sistema imunológico ataca por engano o tecido cerebral (encefalite secundária ou encefalite pós-infecciosa).
A encefalite primária (infecciosa) pode ser dividida em três categorias principais de vírus:
  • Os vírus comuns, incluindo HSV (vírus herpes simplex) e EBV (vírus Epstein-Barr)
  • Vírus infantis, incluindo sarampo e caxumba
  • Arbovírus (propagação por mosquitos, carrapatos e outros insetos), incluindo encefalite japonesa, encefalite do Nilo Ocidental e encefalite transmitida por carrapatos
Encefalite secundária (pós-infecciosa): pode ser causada por uma complicação de uma infecção viral. Os sintomas começam a aparecer dias ou mesmo semanas após a infecção inicial. O sistema imunológico do doente trata células cerebrais saudáveis como organismos estranhos e ataca-as. Ainda não se sabe ao certo porque é que o sistema imunológico atua desta forma em certos casos e noutros não.
Em mais de 50 por cento dos casos de encefalite, a causa exata da doença não é rastreada.
A encefalite é mais provável de afetar crianças, adultos mais velhos, indivíduos com sistemas imunológicos enfraquecidos e pessoas que vivem em áreas onde os mosquitos e carrapatos que espalham os vírus específicos são comuns.


Sintomas de encefalite

Tipicamente, um paciente com a condição tem febre, dor de cabeça e fotofobia (sensibilidade excessiva à luz), mas também podem ocorrer fraqueza geral e convulsões.
Sintomas que menos comumente são associados à encefalite incluem rigidez nucal (rigidez do pescoço), que pode levar a um diagnóstico de meningite. Os sintomas podem ainda incluir rigidez dos membros, movimentos lentos e desajeitados, sonolência e tosse.

Em casos mais graves, a pessoa pode experimentar dores de cabeça muito graves, náuseas, vômitos, confusão, desorientação, perda de memória, problemas de fala, problemas de audição, alucinações, convulsões e possivelmente coma. Em alguns casos o paciente pode ainda tornar-se agressivo.


Sinais e sintomas em bebês

Inicialmente, a encefalite é mais difícil de detetar em crianças e bebês. Os pais ou cuidadores devem procurar por vômitos, um abaulamento da fontanela (a área macia no centro superior da cabeça), choro incessante que não melhora quando o bebê é pegado ao colo e confortado, e rigidez corporal.


Fatores de risco para encefalite

Qualquer pessoa pode desenvolver encefalite. Os fatores que podem aumentar o risco desta condição incluem:
  • Idade. Alguns tipos de condição são mais frequentes ou mais graves em certos grupos etários. Em geral, crianças e adultos mais velhos estão em maior risco de contrair tipos de encefalite viral. Encefalite pelo vírus herpes simplex tende a ser mais comum em pessoas com idade entre os 20 e os 40 anos.
  • Sistema imunológico enfraquecido. A condição pode ocorrer em pessoas que têm HIV/AIDS, tomam drogas imuno-supressoras, ou têm outra condição que causa um sistema imunológico comprometido ou enfraquecido.
  • Regiões geográficas. Mosquito-borne ou vírus transmitidos por carrapatos são comuns em regiões geográficas específicas.
  • Estação do ano. Doenças transmitidas por carrapatos e mosquitos tendem a ser mais prevalentes na primavera, verão e início do outono. No entanto, em áreas mais quentes, os mosquitos e carrapatos podem estar presentes durante todo o ano.


Complicações associadas a encefalite

As complicações resultantes da inflamação do cérebro dependem de vários fatores, incluindo a idade, a causa da infecção, a gravidade inicial da doença e o tempo decorrido até que se inicia o tratamento da doença.
Na maioria dos casos, as pessoas com doença relativamente leve recuperam dentro de algumas semanas sem complicações a longo prazo.

Diagnóstico para encefalite

Perguntas sobre sintomas, fatores de risco e história médica são importantes para promover um diagnóstico de encefalite. Os testes de diagnóstico que podem ser necessários incluem:
  • Imagiologia cerebral. As imagens do cérebro são muitas vezes o primeiro teste, se os sintomas e histórico do paciente sugerirem a possibilidade de encefalite. As imagens podem revelar inchaço do cérebro ou outra condição que possa estar a causar os sintomas, tais como um tumor. Tecnologias podem incluir imagiologia por ressonância magnética, que pode produzir imagens transversais detalhadas 3-D do cérebro, ou uma tomografia computadorizada que produz imagens transversais.
  • Punção lombar. Com uma punção lombar, o médico insere uma agulha na parte inferior das costas para extrair líquido cefalorraquidiano, o fluido protetor que envolve o cérebro e a coluna vertebral. As alterações neste fluido podem indicar uma infecção e inflamação no cérebro. Nalguns casos, as amostras podem ser testadas para identificar o vírus ou outro agente infeccioso.
  • Outros testes de laboratório. As amostras de sangue ou urina, ou de excreções da parte de trás da garganta podem ser testadas para vírus ou outros agentes infecciosos.
  • Eletroencefalograma. O seu médico pode determinar um eletroencefalograma, um teste em que uma série de eletrodos são afixados ao couro cabeludo. Este exame regista a atividade elétrica do cérebro. Certos padrões anormais na sua atividade podem ser consistentes com um diagnóstico de encefalite.
  • Biópsia do cérebro. Raramente, um processo para remover uma pequena amostra de tecido cerebral (biópsia do cérebro) é utilizado no caso dos sintomas piorarem e os tratamentos não produzirem nenhum efeito.

Tratamento para encefalite

O tratamento para casos leves, que podem ser confundidos com uma gripe, consiste principalmente em:
  • Repouso na cama
  • Ingestão de muitos líquidos
  • Medicamentos anti-inflamatórios, como o paracetamol (Tylenol, outros), ibuprofeno (Advil, Motrin IB, outros) e naproxeno sódico (Aleve, outros), para aliviar dores de cabeça e febre
  • Medicamentos antivirais
Geralmente, os casos de encefalite devida a certos vírus exigem tratamentos antivirais intravenosos. Medicamentos antivirais comumente usados para tratar a encefalite incluem:
  • Aciclovir (Zovirax)
  • Ganciclovir (Cytovene)
  • Foscarnet (Foscavir)
Alguns vírus como os vírus transmitidos por insetos, não respondem a estes tratamentos. No entanto, porque o vírus específico não pode ser identificado imediatamente, o tratamento com aciclovir é frequentemente iniciado imediatamente.
Os efeitos colaterais de medicamentos antivirais podem incluir náuseas, vômitos, diarreia, dor muscular ou dor nas articulações. Problemas graves raros podem incluir alterações na função renal ou hepática ou supressão da atividade da medula óssea. Testes apropriados são usados para monitorar os efeitos adversos graves.

Tratamento de suporte

Cuidados de suporte adicionais também podem ser necessários no hospital, para pessoas com encefalite grave. O tratamento pode incluir:
  • Assistência para respiração, bem como uma monitorização cuidadosa da função respiratória e cardíaca
  • Fluidos intravenosos para garantir a hidratação e níveis adequados de minerais essenciais
  • Os medicamentos anti-inflamatórios, tais como corticosteróides, para ajudar a reduzir o inchaço e a pressão dentro do crânio
  • Anticonvulsivantes, como a fenitoína (Dilantin), para parar ou prevenir convulsões.

Prevenção de encefalite

A melhor forma de prevenir a encefalite viral é tomar precauções para evitar a exposição a vírus que podem causar a doença. Para isso, considere:
  • Usar boas práticas de higiene. Lave as mãos com frequência e cuidadosamente com água e sabão, especialmente depois de usar o banheiro e antes e após as refeições.
  • Não compartilhar utensílios. Não compartilhe talheres e bebidas.
  • Ensinar bons hábitos aos seus filhos. Ensine os seus filhos a praticar uma boa higiene e a evitar a partilha de utensílios em casa e na escola.
  • Obter vacinas. Mantenha a vacinação dos seus filhos e a sua atualizadas. Antes de viajar converse com o seu médico sobre vacinas recomendadas para diferentes destinos.
  • Usar proteção contra mosquitos e carrapatos.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL