terça-feira, 14 de março de 2017

Tratamento para a doença de Crohn

Tratamento da doença de Crohn causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
Este artigo aborda as diferentes opções de tratamento da doença de Crohn. Para conhecer a doença de Crohn, as suas causas, sintomas, modo de diagnóstico, fatores de risco e complicações consulte o artigo Doença de Crohn.

Geralmente, o tratamento para a doença de Crohn envolve a terapia de medicamentos ou, em certos casos uma cirurgia. Atualmente não existe cura para a doença e não existe um tratamento que funcione de modo igual para todos os casos. Os médicos usam uma de duas abordagens para o tratamento, nomeadamente "step-up", que começa com drogas leves, ou "top-down", que dá às pessoas drogas mais fortes no início do processo de tratamento.
O objetivo do tratamento médico é reduzir a inflamação que desencadeia os sinais e sintomas da doença e também melhorar o prognóstico de longo prazo através da limitação de possíveis complicações. No melhor dos casos, isto pode permitir não só o alívio dos sintomas, mas também a sua remissão a longo prazo.

Os anti-inflamatórios para a doença de Crohn

Os medicamentos anti-inflamatórios são frequentemente o primeiro passo no tratamento de doença inflamatória do intestino. Estes incluem:
  • Aminossalicilatos. Estes medicamentos podem ser úteis se a doença de Crohn atingir o cólon, mas eles não se tornam úteis no tratamento de doenças do intestino delgado. Estes incluem sulfasalazina (Azulfidina), que contém sulfa, e mesalamina (Asacol, Delzicol, Pentasa, Lialda, Apriso). Estas drogas, especialmente sulfasalazina, têm um grande número de efeitos colaterais, incluindo náuseas, diarreia, vômitos, azia e dor de cabeça. Estes fármacos foram amplamente utilizados no passado, mas hoje em dia são geralmente considerados de benefício limitado.
  • Corticosteróides. Corticosteróides, como a prednisona podem ajudar a reduzir a inflamação em qualquer local do corpo, mas podem provocar vários efeitos colaterais, incluindo um rosto inchado, excesso de pelos faciais, suores noturnos, insônia e hiperatividade. Efeitos colaterais mais graves incluem pressão arterial elevada, diabetes, osteoporose, fraturas ósseas, catarata, glaucoma e aumento da chance de infecção. Além disso, os corticosteróides não funcionam devidamente em todas as pessoas com a doença. Geralmente, os médicos apenas os usam se a pessoa não responder a outros tratamentos. Um novo tipo de corticosteróide, budesonida (Entocort CE), funciona de modo mais rápido do que os esteróides tradicionais e parece produzir menos efeitos colaterais. No entanto, este apenas se torna eficaz para a doença que ocorre em certas partes do intestino. Os corticosteróides não são utilizados a longo prazo, mas podem ser usados no curto prazo (três a quatro meses) para melhoria dos sintomas e para induzir a remissão. Os corticosteróides também podem ser utilizados com um supressor do sistema imunitário (os corticosteróides podem induzir a remissão, enquanto que os supressores do sistema imune podem ajudar a mantê-lo).

Supressores do sistema imune para a doença de Crohn

Estas drogas também reduzem a inflamação, mas têm como alvo o seu sistema imunológico, que produz as substâncias que causam inflamação. Para algumas pessoas, uma combinação destas drogas funciona melhor do que uma droga por si só. Drogas imunossupressoras incluem:
  • Azatioprina (Imuran) e mercaptopurina (Purinethol). Estes são os imunossupressores mais utilizados para o tratamento da doença inflamatória do intestino. Tomá-los requer que você seja acompanhado de perto pelo seu médico, para que possa ter o sangue verificado regularmente, para estudar os efeitos colaterais, tais como uma baixa resistência à infecção. A curto prazo, eles também podem estar associados com a inflamação do fígado ou a supressão da medula óssea e pâncreas. A longo prazo, embora raramente, eles estão associados a certas infecções e neoplasias, incluindo linfoma e câncer da pele. Eles também podem causar náuseas e vômitos. O seu médico irá usar um exame de sangue para determinar se você pode tomar estes medicamentos.
  • Infliximab (Remicade), adalimumab (Humira) e certolizumab pegol (Cimzia). Estes medicamentos, chamados inibidores de TNF ou "agentes biológicos", trabalham através da neutralização de uma proteína do sistema imunitário conhecida como o factor de necrose tumoral. Estes são usados em adultos e crianças com doença moderada a grave, para reduzir os sinais e sintomas. Estes também podem induzir a remissão. Os investigadores continuam a estudar estas drogas para comparar os seus benefícios. Inibidores de TNF podem ser utilizados logo após o diagnóstico, principalmente se o seu médico suspeitar que você é propenso a ter doença de Crohn mais grave ou se você tiver uma fístula. Por vezes, estes são usados depois de outras drogas falharem. Eles também podem ser combinados com um imunossupressor em algumas pessoas, mas esta prática é um pouco controversa. Pessoas com certas condições não podem tomar inibidores de TNF. Tuberculose e outras infecções graves têm sido associadas com o uso de drogas imuno-supressoras. Converse com o seu médico sobre os seus potenciais riscos e sujeite-se a um teste cutâneo para a tuberculose e a uma radiografia do tórax e um teste para a hepatite B, antes de iniciar estes medicamentos. Eles também estão associados com certos tipos de câncer, incluindo câncer de linfoma e da pele.
  • O metotrexato (Rheumatrex). Esta droga, que é utilizada para tratar câncer, psoríase e artrite reumatóide, é por vezes usada em pessoas com a doença de Crohn que não respondem bem a outros medicamentos. Efeitos colaterais de curto prazo incluem náusea, fadiga e diarreia, e raramente pode causar pneumonia potencialmente fatal. Uso a longo prazo pode levar a supressão da medula óssea, fibrose do fígado e por vezes ao câncer. Você terá de ser acompanhado de perto por causa dos efeitos secundários.
  • Ciclosporina (Gengraf, Neoral, Sandimmune) e tacrolimus (Astagraf XL, Hecoria). Estas drogas potentes são muitas vezes usadas para ajudar a curar fístulas relacionadas com a doença, e são normalmente reservadas para as pessoas que não responderam bem a outros medicamentos. A ciclosporina tem o potencial de efeitos secundários graves, tais como danos nos rins e fígado, convulsões e infecções fatais. Estes medicamentos não são utilizados para uso a longo prazo.
  • Natalizumab (Tysabri) e Vedolizumab (Entyvio). Estas drogas trabalham através da não permissão de certas células imunes (integrinas) se ligarem a outras células no seu revestimento intestinal. Natalizumab é aprovado para as pessoas com doença moderada a grave e com evidências de inflamação que não está a responder bem a quaisquer outros medicamentos. Porque a droga está associada a um raro mas grave risco de leucoencefalopatia multifocal progressiva (uma doença do cérebro que normalmente leva à morte ou incapacidade grave) você deve estar inscrito num programa especial de distribuição restrita para o seu uso.
  • Vedolizumab foi recentemente aprovado para a doença de Crohn, nos USA. Este, funciona como natalizumab, mas parece não implicar um risco de doença cerebral.
  • Ustekinumab (Stelara). Este fármaco é utilizado para tratar a psoríase. Estudos têm mostrado que é útil no tratamento da doença de Crohn.

Antibióticos para a doença de Crohn

Os antibióticos podem reduzir a quantidade de drenagem e, por vezes, curar fístulas e abscessos em pessoas com doença de Crohn. Alguns investigadores pensam que os antibióticos também podem ajudar a reduzir as bactérias intestinais nocivas que podem desempenhar um papel na ativação do sistema imunitário do intestino, levando a uma inflamação.
Os antibióticos podem ser utilizados em adição a outros medicamentos ou quando a infecção for uma preocupação, tal como com a doença perianal de Crohn. No entanto, não existe nenhuma evidência forte de que os antibióticos sejam eficazes para a doença de Crohn. Antibióticos prescritos incluem frequentemente:
  • Metronidazol (Flagyl). O metronidazol foi o antibiótico mais comumente utilizado para a doença de Crohn. No entanto, ele pode causar efeitos secundários graves, incluindo dormência e formigamento nas mãos e pés e, ocasionalmente dor muscular ou fraqueza. Caso estes efeitos ocorram, interrompa a medicação e contate o seu médico.
  • Ciprofloxacina (Cipro). Esta droga melhora os sintomas em algumas pessoas com doença de Crohn. Um efeito secundário raro é a ruptura do tendão, que tem um risco maior se você também estiver a tomar corticosteróides.

Outros medicamentos para a doença de Crohn

Além de controlar a inflamação, alguns medicamentos podem ajudar a aliviar os sinais e sintomas, mas fale sempre com o seu médico antes de tomar qualquer medicação de venda livre. Dependendo da gravidade da sua doença, o médico pode recomendar um ou mais dos seguintes:
  • Antidiarreico. Um suplemento de fibras, tais como pó de psyllium (Metamucil) ou metilcelulose (Citrucel) pode ajudar a aliviar a diarreia leve a moderada. Para diarreia mais intensa, loperamida (Imodium) pode ser eficaz. Os antidiarreicos só devem ser utilizados depois de autorizados pelo seu médico.
  • Analgésicos. Para dor leve, o médico pode recomendar paracetamol (Tylenol, outros), mas não outros analgésicos comuns, como o ibuprofeno (Advil, Motrin IB, outros) e naproxeno sódico (Aleve, Anaprox). Estes medicamentos são susceptíveis de piorar os sintomas, e podem piorar a doença.
  • Os suplementos de ferro. Se você tiver sangramento intestinal crônico, você pode desenvolver anemia ferropriva e necessitar de tomar suplementos de ferro.
  • Vitamina B-12. A doença de Crohn pode causar deficiência de vitamina B-12. A vitamina B-12 ajuda a prevenir a anemia e a promover o crescimento e desenvolvimento normais, sendo essencial para a função adequada do nervo.
  • Suplementos de cálcio e vitamina D. A doença pode aumentar o risco de osteoporose, pelo que, você pode precisar de tomar um suplemento de cálcio ou de vitamina D.

Cirurgia para a doença de Crohn

Se a dieta, estilo de vida, terapia de medicamentos ou outros tratamentos não aliviarem os sinais e sintomas, o médico pode recomendar uma cirurgia. Até cerca de 50% dos indivíduos com doença de Crohn irão requerer pelo menos uma cirurgia. No entanto, a cirurgia não cura a doença.

Durante a cirurgia, o cirurgião remove uma parte danificada do aparelho digestivo e depois reconecta as secções saudáveis. A cirurgia também pode ser usada para fechar fístulas e para drenar abscessos. Um procedimento comum para a doença é o alargamento de um segmento do intestino que se tornou demasiado estreito.
Os benefícios da cirurgia para a doença de Crohn são geralmente temporários. Muitas vezes a doença repete-se frequentemente, perto do tecido reconectado. A melhor abordagem será utilizar medicação após a cirurgia, de modo a minimizar o risco de recorrência.


Dieta para pacientes com doença de Crohn

Não existe nenhuma evidência sólida de que o que você come possa realmente causar a doença inflamatória intestinal. Mas determinados alimentos e bebidas podem agravar os seus sinais e sintomas.
Pode ser útil manter um diário alimentar para manter o controle do que você está a comer, bem como a forma como você se sente. Se você descobrir que alguns alimentos estão a causar os seus sintomas, você pode tentar eliminá-los. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar:
  • Limite produtos lácteos. Muitas pessoas com doença inflamatória do intestino que encontram problemas, tais como diarreia, dor abdominal e gases, melhoram ao limitar ou eliminar os produtos lácteos. Você pode ter intolerância a lactose (isto é, o seu corpo não consegue digerir o açúcar do leite (lactose) em alimentos lácteos). A utilização de um produto enzimático tal como Lactaid também pode ajudar.
  • Experimente alimentos com baixo teor de gordura. Se tiver doença de Crohn do intestino delgado, você pode não ser capaz de digerir ou absorver a gordura de modo normal. Em vez disso, a gordura passa através do seu intestino, tornando pior a sua diarreia. Experimente manteiga e evite margarina, cremes, molhos e frituras.
  • Limite a fibra, se esta se tornar um problema. Se tiver uma doença inflamatória do intestino, alimentos ricos em fibras, como frutas e vegetais frescos e cereais integrais, podem piorar os sintomas. Se as frutas e vegetais crus o incomodam, tente cozinhar, assar ou estufá-los. Em geral, você pode ter mais problemas com alimentos da família do repolho, como brócolis e couve-flor, nozes, sementes, milho e pipoca. Você pode ter de limitar fibra ou recorrer a uma dieta de baixo resíduo, se você tiver um estreitamento do seu intestino (estenose).
  • Evite outros alimentos problemáticos. Alimentos condimentados, álcool e cafeína podem piorar os seus sinais e sintomas.


Medicina alternativa para a doença de Crohn

Muitas pessoas com distúrbios digestivos têm usado alguma forma de medicina complementar e alternativa. No entanto, existem poucos estudos bem detalhados da sua segurança e eficácia.
Algumas terapias comumente utilizadas incluem:
  • Ervas e suplementos nutricionais. A maior parte das terapias alternativas não são regulamentadas. Os fabricantes podem reivindicar que as suas terapias são seguras e eficazes, mas não precisam de provar isso. Além do mais, até mesmo ervas naturais e suplementos podem ter efeitos colaterais e causar interações perigosas. Informe o seu médico se decidir tentar qualquer suplemento de ervas.
  • Probióticos. Resultados de estudos realizados sobre probióticos para o tratamento da doença de Crohn têm sido mistos, mas em geral não têm mostrado benefício.
  • Óleo de peixe. Estudos feitos em óleo de peixe para o tratamento da doença não têm demonstrado benefício.
  • Acupuntura. Algumas pessoas podem achar que a acupuntura ou hipnose se torna útil para a gestão da doença, mas esta terapia não foi bem estudada para este tipo de uso.
  • Prebióticos. Ao contrário de probióticos (que são bactérias vivas benéficas que você consome) prebióticos são compostos naturais encontrados em plantas, tais como alcachofras, que ajudam as bactérias intestinais benéficas. Os estudos não têm mostrado resultados positivos dos prebióticos para as pessoas com doença de Crohn.

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL