sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Icterícia - Diagnóstico e tratamento de icterícia

Icterícia causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção riscos complicações
A icterícia é um termo usado para descrever a coloração amarelada da pele e do branco dos olhos.
A icterícia é causada por um acúmulo de uma substância chamada bilirrubina no sangue e nos tecidos do corpo.

Sintomas e sinais de icterícia

Os sinais mais comuns de icterícia são:
  • Amarelecimento da pele, olhos e do revestimento do interior de partes do corpo, tais como o nariz e boca (membrana mucosa)
  • Fezes de cor pálida
  • Urina de cor escura

Causas de icterícia

Icterícia é causada por uma acumulação de uma substância chamada bilirrubina no sangue e nos tecidos do corpo.
Qualquer condição que interrompa o movimento de bilirrubina a partir do sangue para o fígado e para fora do corpo pode causar icterícia.

Diagnóstico de icterícia

Se você tiver icterícia, terá de realizar uma série de testes iniciais para descobrir a sua gravidade e para determinar a causa subjacente.
O seu médico irá avaliar a sua história clínica e promover alguns exames.
É provável que o seu médico tome uma história clínica detalhada para tentar determinar porque é que você tem icterícia.
O seu médico pode perguntar se:
  • Você teve quaisquer sintomas gripais antes da icterícia (isto pode indicar hepatite)
  • Você tem atualmente outros sintomas, tais como dor abdominal, pele com coceira ou perda de peso
  • Você viajou recentemente para um país onde doenças como a malária ou hepatite A são generalizadas
  • Você notou uma mudança de cor na sua urina e fezes
  • Você tem uma história de abuso de álcool
  • Você está a tomar drogas atualmente ou se tomou no passado
  • Esteve exposto a substâncias nocivas
É provável que você também seja sujeito a um exame físico para verificar se existem sinais de uma doença subjacente, como inchaço das pernas, tornozelos e pés (um possível sinal de cirrose), ou um inchaço visível do seu fígado (um possível sinal de hepatite )
Um teste de urina pode ser usado para medir níveis de uma substância chamada urobilinogénio. Esta é produzido quando as bactérias quebram a bilirrubina no interior do sistema digestivo.
Níveis mais elevados do que o esperado de urobilinogênio na urina podem sugerir icterícia pré-hepática ou icterícia intra-hepática. Níveis mais baixos podem sugerir icterícia pós-hepática.
Um teste de função hepática também pode ser implementado. Este é um tipo de exame de sangue usado para ajudar a diagnosticar certas doenças hepáticas, incluindo:
  • Hepatite
  • Cirrose
  • Doença hepática alcoólica
Quando o fígado está danificado libera enzimas no sangue. Ao mesmo tempo, os níveis de proteínas que o fígado produz para manter o corpo saudável começam a cair.
Ao medir os níveis destas enzimas e das proteínas, é possível construir uma imagem de como o fígado está a funcionar. Além disso, o sangue pode ser testado para infecções conhecidas por desencadear icterícia, tais como a malária e hepatite C.
Se houver suspeita de icterícia intra-hepática ou pós-hepática, exames de imagem podem ser usados para verificar a existência de anomalias no interior dos sistemas de ductos do fígado ou biliares. Estes incluem:
  • Ecografia
  • A tomografia computadorizada (TC)
  • Ressonância magnética (RM)
  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica 
Uma biopsia pode ser recomendada para avaliar a condição do tecido do fígado de modo a confirmar se este se encontra danificado por um estado tal como a cirrose ou câncer do fígado.
Durante uma biópsia do fígado, a sua barriga será anestesiada com um anestésico local, e uma agulha fina será inserida de modo a que uma pequena amostra de células do fígado possam ser recolhidas e enviadas para um laboratório, para análise ao microscópio.

Tratamento de icterícia

Existem diversos tratamentos possíveis para icterícia, dependendo da causa subjacente.
No tratamento de icterícia pré-hepática, o objetivo será evitar a rápida destruição das células vermelhas do sangue, que está a causar os níveis de bilirrubina que se acumula no sangue.
Nos casos em que a icterícia pré-hepática foi causada por uma infecção, como a malária, geralmente é recomendada medicação para tratar a infecção subjacente. Para desordens genéticas de sangue, tais como a anemia falciforme e talassemia, transfusões de sangue podem ser necessárias para substituir as células vermelhas do sangue.
Geralmente, a síndrome de Gilbert não requer tratamento porque a icterícia associada não é particularmente grave e não representa uma ameaça grave para a saúde.

Em casos de icterícia intra-hepática, pouco pode ser feito para reparar quaisquer danos do fígado, apesar de muitas vezes o fígado se reparar ao longo do tempo. O objetivo do tratamento é evitar mais danos ao fígado.
Para lesão hepática causada por infecção, tais como hepatite viral ou febre glandular, medicamentos anti-virais podem ser utilizados para ajudar a prevenir mais danos.
Se o dano for causado pelo álcool ou exposição a substâncias nocivas, recomenda-se a redução do consumo de álcool ou evitar ainda mais a exposição à substância nociva.
Em casos graves de doença do fígado, um transplante de fígado é outra opção possível. No entanto, apenas um pequeno número de pessoas pode obter um transplante, já que a disponibilidade de fígados doados é limitada.

Na maioria dos casos de icterícia pós-hepática, recomenda-se uma cirurgia para desbloquear o sistema do ducto biliar.
Durante a cirurgia, também pode ser necessário remover:
  • A vesícula biliar
  • Uma secção do sistema biliar
  • Uma secção do pâncreas para evitar a ocorrência de novos bloqueios

Prevenção de icterícia


Não é possível evitar todos os casos de icterícia, porque esta pode ser causada por uma ampla gama de condições e circunstâncias.

No entanto, você pode tomar precauções para minimizar o risco de desenvolver esta condição. Estas incluem:

  • Garantir que não excede a quantidade diária recomendada para o consumo de álcool
  • Manter um peso saudável para a sua altura e estrutura física
  • Se for o caso, garantir que você está vacinado contra a hepatite A ou B se você tiver que viajar para áreas de alto risco ao longo do mundo
  • Minimizar o risco de exposição ao vírus da hepatite C, já que atualmente não existe nenhuma vacina para a doença. Em muitas regiões do planeta, a forma mais eficaz de prevenir a hepatite C é não injetar-se com drogas ilegais, como a heroína, ou certificar-se de que não compartilha equipamento de injecção de drogas


Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL