segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Angina - Causas e tratamento de angina

Angina causas sintomas diagnóstico tratamento prevenção
A angina é um termo usado para a dor no peito causada por redução do fluxo sanguíneo no músculo do coração. Angina é um sintoma de doença da artéria coronária, sendo tipicamente descrita como uma sensação de compressão, pressão, peso, aperto ou dor no peito.
Angina, também chamada de angina de peito, pode ser um problema recorrente, mas também pode resultar de um súbito problema de saúde agudo.
Angina é relativamente comum, mas pode ser difícil de distinguir de outros tipos de dor no peito, tais como a dor ou desconforto provocados pela indigestão. Se você tiver dores inexplicáveis no peito, procure um médico imediatamente.

Causas de angina

Angina é causada pela redução do fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco. O sangue carrega oxigênio de que o músculo cardíaco precisa para sobreviver. Quando o músculo cardíaco não recebe oxigênio suficiente, ocorre uma condição chamada isquemia.
A causa mais comum de redução do fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco é a doença arterial coronária. As artérias do coração (coronárias) podem tornar-se estreitadas devido a depósitos de gordura, chamados de placas. Isto é chamado de aterosclerose.
Esta redução do fluxo sanguíneo é um problema de abastecimento (o coração deixa de receber sangue suficientemente rico em oxigênio). Você pode perguntar-se porque razão é que nem sempre tem angina, se as suas artérias do coração estão estreitadas devido ao acúmulo de gordura. Isto ocorre porque durante períodos de baixa demanda de oxigênio (por exemplo, quando você está a descansar), o músculo cardíaco pode ser capaz de conseguir repor a quantidade reduzida de fluxo de sangue sem provocar sintomas associados à angina. Mas quando você aumenta a demanda de oxigênio, isso pode causar angina.

Sintomas de angina

Geralmente, a angina sente-se como uma dor pressionante, ardor ou aperto no peito. A dor principal, geralmente situa-se sob o esterno. A dor pode espalhar-se para a garganta e mandíbula. O desconforto pode ser sentido no braço esquerdo e, por vezes, em ambos os braços. As pessoas com angina sentem muitas vezes um suor frio. Outros sintomas podem incluir falta de ar, tonturas e náuseas.

Os médicos dividem angina em dois tipos, nomeadamente:
  • Angina estável - A dor no peito segue um padrão específico, e ocorre quando alguém se envolve em atividade física ou experimenta emoções fortes. Esforço no tempo frio ou após uma grande refeição aumentam a probabilidade da ocorrência da angina. Os sintomas devem desaparecer rapidamente, quando a pessoa descansa e relaxa.
  • Angina instável - Os sintomas são menos previsíveis. A dor no peito ocorre em repouso, durante o sono ou muitas vezes com esforço mínimo. O desconforto pode durar e ser intenso. Você deve procurar assistência médica imediatamente se isto ocorrer, mesmo que a dor no peito desapareça.

Fatores de risco para angina

Os seguintes fatores de risco aumentam o risco de doença da artéria coronária e angina:
  • O uso do tabaco. Mascar tabaco, tabagismo e exposição a longo prazo ao fumo passivo pode danificar as paredes interiores das artérias, incluindo artérias para o seu coração, permitindo depósitos de colesterol para coletar e bloquear o fluxo sanguíneo.
  • Diabetes. Diabetes é a incapacidade do organismo para produzir insulina suficiente ou responder à insulina adequadamente. A insulina, um hormônio secretado pelo pâncreas, permite que o seu corpo use glicose, que é uma forma de açúcar que tem origem nos alimentos. Diabetes aumenta o risco de doença arterial coronariana, o que leva a angina e ataques cardíacos, acelerando a aterosclerose.
  • Pressão alta. A pressão sanguínea é determinada pela quantidade de sangue bombeado pelo coração e pela quantidade de resistência ao fluxo de sangue nas artérias.
  • Níveis altos de colesterol ou triglicerídeos. O colesterol é uma parte importante dos depósitos que podem estreitar as artérias por todo o corpo, incluindo aquelas que fornecem o seu coração. Um alto nível do tipo errado de colesterol, conhecido como de baixa densidade (o colesterol "ruim"), aumenta o risco de angina e ataques cardíacos.
  • Um nível elevado de triglicerídeos, um tipo de gordura sanguínea, relacionada com a sua dieta, também é indesejável.
  • História de doença cardíaca. Se você tiver doença arterial coronariana ou se você teve um ataque do coração, você estará em maior risco de desenvolver angina.
  • Idade mais avançada. Homens com mais de 45 e mulheres com mais de 55 anos têm um risco maior do que os adultos mais jovens.
  • Falta de exercício. Um estilo de vida sedentário contribui para colesterol alto, pressão alta, diabetes tipo 2 e obesidade. No entanto, é importante conversar com o seu médico antes de iniciar um programa de exercícios.
  • Obesidade. A obesidade aumenta o risco de angina e doenças cardíacas porque está associada com níveis de colesterol no sangue, pressão arterial alta e diabetes. Além disso, o seu coração tem que trabalhar mais para fornecer sangue para o tecido em excesso.
  • Estresse. O estresse pode aumentar o risco de angina e ataques cardíacos. Demasiado estresse, bem como raiva, também podem elevar a pressão arterial. Surtos de hormônios produzidos durante o estresse podem restringir as suas artérias e piorar a angina.


Complicações associadas à angina


A dor no peito que pode ocorrer com angina pode fazer com que algumas atividades normais, como caminhar, se tornem desconfortáveis. No entanto, a complicação mais grave associada à angina é um ataque cardíaco.

Sinais e sintomas mais comuns de um ataque cardíaco incluem:
  • Pressão, plenitude ou uma dor no centro do peito que dura mais do que alguns minutos
  • Dor que se estende para além do seu peito para o seu ombro, braço, costas, ou até mesmo para os dentes e mandíbula
  • Aumento de episódios de dor no peito
  • Dor prolongada na parte superior do abdômen
  • Falta de ar
  • Suor
  • Sentimento iminente de desgraça
  • Desmaio
  • Náusea e vômito

Diagnóstico para angina

O seu médico pode suspeitar que você tem angina com base nos seus sintomas e no seu risco de doença arterial coronariana. O médico irá rever o seu histórico médico para verificar se você fuma (ou fumou) e se você tem diabetes e pressão arterial elevada. O seu médico irá perguntar sobre o histórico médico da sua família e irá rever os seus níveis de colesterol, incluindo o LDL (mau colesterol) e HDL (bom colesterol).
O médico irá verificar a sua pressão arterial e pulso, e auscultar o seu coração e pulmões. Você pode precisar de um ou mais testes de diagnóstico para determinar se tem doença arterial coronariana. Possíveis testes incluem:
  • Eletrocardiograma (ECG) - Um eletrocardiograma é um registo de impulsos elétricos do coração. Ele pode identificar problemas com a frequência e ritmo cardíaco. Por vezes, ele pode mostrar mudanças que indicam uma artéria bloqueada.
  • Teste de estresse - Se o seu eletrocardiograma for normal e você for capaz de andar, você terá de realizar um teste de esforço. Você irá andar numa esteira enquanto a sua frequência cardíaca é monitorada. Outros testes de estresse usam medicamentos para estimular o coração, injetando-se corantes para procurar bloqueios e tirar fotografias através de ultrassom, para fornecer mais informações.
  • Angiograma coronária - Estes raios-X das artérias coronárias são a forma mais precisa de medir a gravidade da doença coronária. Neste procedimento, um tubo longo, fino e flexível (chamado cateter) é inserido numa artéria no antebraço ou na virilha. O médico orienta o cateter em direção ao coração, usando uma câmera especial. Uma vez que o cateter está em posição, é injetado um corante para mostrar o fluxo de sangue dentro das artérias coronárias, com destaque para as áreas que se encontram mais estreitas ou bloqueadas.

Tratamento de angina

Quando a angina é causada por doença da artéria coronária, geralmente o tratamento inclui:
  • Mudanças de estilo de vida - As alterações incluem a perda de peso em pacientes obesos, terapia para deixar de fumar, medicamentos para baixar o colesterol elevado, um programa de exercício físico regular e técnicas de redução de estresse.
  • Nitratos, incluindo a nitroglicerina - Os nitratos são medicamentos que alargam os vasos sanguíneos (vasodilatadores). Eles aumentam o fluxo sanguíneo nas artérias coronárias, tornado mais fácil para o coração bombear o sangue para o resto do corpo.
  • Estatinas, tais como atorvastatina (Lipitor), rosuvastatina (Crestor) e sinvastatina (Zocor, versões genéricas) - Estes medicamentos baixam o colesterol, diminuem a taxa de acúmulo de gordura nas artérias coronárias e diminuem o risco de ataque cardíaco.
  • Os beta-bloqueadores, tais como atenolol (Tenormin) e metoprolol (Lopressor, Toprol-XL) - Estes medicamentos diminuem a carga de trabalho do coração ao abrandar o ritmo cardíaco e reduzir a força das contrações do coração, especialmente durante o exercício.
  • Aspirina - Como a aspirina ajuda a prevenir a formação de coágulos no interior das artérias coronárias estreitadas, pode reduzir o risco de ataques cardíacos em pessoas que já têm doença arterial coronariana.
Outros fármacos comumente utilizados incluem:
  • Bloqueadores dos canais de cálcio, como a nifedipina (Adalat, Procardia), verapamil (Calan, Isoptin, Verelan), diltiazem (Cardizem, Tiazac), amlodipina (Norvasc) - Estes medicamentos podem ajudar a melhorar a eficiência da função do músculo do coração e podem diminuir o número e a gravidade dos episódios de dor no peito.
  • Medicamentos adicionais para baixar o colesterol, tais como niacina, fenofibrato, gemfibrozil e ezetimibe (Zetia). Estes podem ser utilizados em combinação com uma estatina de modo isolado, ou quando uma pessoa tem uma taxa muito elevada de triglicerideos e/ou muito baixo colesterol HDL.
Se as mudanças de estilo de vida e medicamentos falharem no alivio da angina, ou se existir um grande risco de ataque cardíaco, o médico pode recomendar angioplastia com balão ou cirurgia de revascularização miocárdica.

Prevenção de angina

Você pode ajudar a prevenir a angina causada pela doença arterial coronariana através do controle dos seus fatores de risco para artérias obstruídas, nomeadamente:
  • O colesterol alto - Siga as orientações do seu médico para manter uma dieta baixa em gorduras e colesterol e, se necessário, tome medicamentos para diminuir o colesterol.
  • A pressão arterial elevada - Siga as recomendações do seu médico para mudar a sua dieta e tome a sua medicação.
  • Fumar - Se você fuma, pare. Se você não fuma, não comece.
  • Diabetes - Teste o seu açúcar no sangue com frequência, siga a sua dieta especial, e tome insulina ou medicação oral da forma que o seu médico receitou.
  • Também é aconselhável fazer exercícios de modo regular e manter um peso ideal. Se os ataques de angina forem desencadeados por estresse emocional, aprenda técnicas de gerenciamento de estresse ou relaxamento.
Referências:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL