quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Sepse - Causas, sintomas e tratamento de sepse

Sepse causas sintomas diagnóstico tratamento
A sepse é uma doença grave causada por uma resposta imunológica a uma infecção avassaladora. A inflamação pode resultar em danos nos órgãos. A coagulação do sangue que ocorre durante a sepse reduz o fluxo de sangue para os membros e órgãos internos, privando-os de nutrientes e oxigênio. Em casos graves, um ou mais órgãos podem falhar. Nos piores casos, a infecção leva a uma queda na pressão sanguínea, com risco de vida, chamada choque séptico, o que pode levar rapidamente à falha de vários órgãos, pulmões, rins e fígado, causando a morte.
O termo sepse é frequentemente usado como sinônimo de uma grave infecção septicemia, com risco de vida que se agrava muito rapidamente e muitas vezes é fatal.

Causas e fatores de risco para sepse

As infecções bacterianas são a causa mais comum da doença. No entanto, a condição também pode ser causada por outras infecções. A infecção pode começar em qualquer local já que as bactérias ou outros agentes infecciosos podem entrar no corpo, podendo resultar de algo aparentemente tão inofensivo como um joelho arranhado ou um problema médico mais grave, como apendicite, pneumonia, meningite ou uma infecção do trato urinário.
A sepse pode acompanhar infecção do osso, chamada de osteomielite. Em pacientes hospitalizados, os locais mais comuns de infecção inicial incluem incisões cirúrgicas, cateteres urinários e escaras.
Embora qualquer pessoa possa estar sujeita à condição, certos grupos de pessoas estão em maior risco. Eles incluem:
  • As pessoas cujo sistema imunitário não está a funcionar bem, devido a doenças, tais como o HIV / SIDA ou câncer, ou a utilização de drogas que suprimem o sistema imunológico, tais como as destinadas a prevenir a rejeição de órgãos transplantados;
  • Bebés muito jovens;
  • Os idosos, particularmente se eles tiverem outros problemas de saúde;
  • Pessoas que tenham sido recentemente hospitalizadas e/ou tiveram procedimentos médicos invasivos;
  • Pessoas com diabetes.

Sintomas de sepse

Porque sepse pode começar em diferentes partes do corpo, pode apresentar muitos sintomas diferentes. Respiração rápida e uma alteração no estado mental, tais como diminuição da atenção ou confusão, podem ser os primeiros sinais de que a condição está a começar. Outros sintomas comuns incluem:

Diagnóstico de sepse


Diagnosticar a doença pode ser difícil porque os sinais e sintomas podem ser causados ​​por outros distúrbios. Muitas vezes, os médicos encomendam alguns testes para tentar identificar a infecção subjacente.


Exames de sangue


Uma amostra de sangue deve ser obtida a partir de dois locais distintos e testadas para:

  • A evidência de infecção
  • Problemas de coagulação
  • Anormalidades renais ou do fígado
  • Disponibilidade de oxigênio afetada
  • Desiquilíbrio eletrolítico
  • Outros exames laboratoriais

Dependendo dos seus sintomas, o médico também pode querer executar testes num dos seguintes fluidos corporais:

  • A urina. Se o médico suspeitar que você tem uma infecção do trato urinário, ele pode querer analisar a urina para sinais de bactérias.
  • Secreções de feridas. Se você tiver uma ferida que aparece infetada, testar a amostra de secreções da ferida, pode ajudar a mostrar que tipo de antibiótico pode funcionar melhor.
  • Secreções respiratórias. Se você estiver tossindo muco (escarro), pode ser testado para determinar que tipo de germe está a causar a infecção.


Exames de imagem

Se o local da infecção não for óbvio, o médico pode pedir um ou mais dos seguintes exames de imagem:
  • Raios-X. Usando baixos níveis de radiação, os raios-X são bons para a visualização de problemas nos pulmões.
  • A tomografia computadorizada. Infecções no apêndice, pâncreas ou intestinos são mais fáceis de visualizar em tomografias. Esta tecnologia promove raios-X a partir de uma variedade de ângulos e combina-os para analisar fatias transversais de estruturas internas do seu corpo.
  • O ultrassom. Esta tecnologia utiliza ondas sonoras para produzir imagens em tempo real num monitor de vídeo. O ultrassom pode ser particularmente útil para verificar se existem infecções na vesícula biliar ou ovários.
  • A ressonância magnética. Ressonância magnética pode ser útil na identificação de infecções de tecidos moles, tais como abscessos dentro da coluna vertebral. Esta tecnologia utiliza ondas de rádio e um ímã forte para produzir imagens transversais das suas estruturas internas.

Tratamento de sepse

O primeiro passo para um tratamento bem sucedido da sepse é um diagnóstico rápido. Se houver suspeita da ocorrência, o médico irá realizar um exame e executar testes para procurar:
  • Bactérias no sangue ou outros fluidos corporais
  • Fonte da infecção, utilizando a tecnologia de imagem, como raios-X, tomografia computadorizada ou ultra-som
  • A contagem de glóbulos brancos
  • A baixa contagem de plaquetas
  • Pressão arterial baixa
  • Excesso de ácido no sangue (acidose)
  • Função renal ou hepática alteradas
Outros testes de fluidos corporais e exames radiológicos, como raio-X ou tomografia computadorizada, podem ajudar a diagnosticar a causa da infecção. As pessoas diagnosticadas com uma condição grave são geralmente colocadas em unidade de terapia intensiva, onde os médicos tentam parar a infecção, manter o funcionamento dos órgãos vitais, e regular a pressão arterial.
Geralmente, o tratamento começa com:
  • Antibióticos de amplo espectro, que matam muitos tipos de bactérias;
  • Fluidos para manter a pressão arterial;
  • Oxigênio;
Uma vez que o agente infeccioso é identificado, o médico pode mudar para uma droga que atinja o agente particular. Dependendo da gravidade e dos efeitos da sepse, podem ser necessários outros tipos de tratamento, tais como o recurso a uma máquina de respiração ou diálise renal,. Por vezes é necessária uma cirurgia para drenar ou limpar uma infecção.
Muitas vezes, os médicos prescrevem outros tratamentos, incluindo vasopressores (medicamentos que causam o estreitamento dos vasos sanguíneos) para melhorar a pressão arterial.
Lesão permanente do órgão pode ocorrer em pessoas que sobrevivem a sepse. As taxas de mortalidade são de 20% para sepse e mais de 60% para choque séptico.


Prevenção de sepse

Seja vacinado contra a gripe, pneumonia, e quaisquer outras infecções que possam conduzir a sepse. Fale com o seu médico para obter mais informações.
Previna infecções que podem levar à sepse mediante:
Limpeza adequada de arranhões e feridas
Pratica de comportamentos de uma boa higiene (por exemplo, lavar as mãos, tomar banho regularmente)
Se você tiver uma infecção, procure por sinais como febre, calafrios, respiração rápida e frequência cardíaca alterada, erupção cutânea, confusão e desorientação.

Também poderá gostar de ler:

Nenhum comentário:
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL