quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Fosseta sacral ou Covinha sacral

Covinha sacral fosseta sacral causas complicações tratamento
A fossseta sacral, também conhecida como covinha sacral é um pequeno recuo na base da coluna vertebral do seu filho (o sacro). Fosseta sacral é relativamente comum em recém-nascidos e, geralmente, não é uma grande preocupação. Menos frequentemente, ela pode ser um sinal de um defeito congênito que envolve a medula espinhal, mas na maioria dos casos, o defeito é de menor importância.
Algumas ondulações sacrais têm aparências que podem levantar preocupações sobre um possível defeito de nascença.

O que é a fosseta sacral

A fosseta sacral é uma pequena covinha ou fissura na base da medula espinhal do seu bebê (sacro). Especialmente, se for pequena ou rasa, a covinha é inofensiva.
O médico irá prestar atenção às covinhas sacrais, porque, por vezes, elas são um sinal de defeitos congênitos envolvendo a medula espinhal ou ossos da coluna vertebral (vértebras). O defeito congênito mais comum é chamado de "espinha bífida oculta." Este é um pequeno defeito de uma das vértebras, e geralmente não causa problemas.
Defeitos de nascimento mais graves são possíveis, mas raros.


Sintomas de fosseta sacral

Uma fosseta sacral consiste numa reentrância, ou "depressão" na pele do dorso inferior, apenas acima da prega entre as nádegas.

Aspeto da fosseta sacral

A fosseta sacral apresenta-se como:
  • Uma pequena covinha na parte inferior das costas do seu filho. Normalmente, a covinha é muito superficial, pelo que, você pode ver a parte inferior do seu filho e não notar qualquer problema.
  • Normalmente localiza-se no sulco entre as nádegas.
  • Certas aparições podem desencadear preocupação por poderem acompanhar defeitos congênitos, incluindo inchaço na zona da sua existência, pequenos pedaços de pele "extra" e uma marca de nascença (nevo) na zona
  • Por vezes uma mancha com cabelo pode estar presente, mas isso é muitas vezes normal, especialmente em bebês de certos grupos raciais / étnicos

Causas da fosseta sacral

A maioria das fossetas sacrais são pequenas anormalidades que ocorrem enquanto seu bebê está crescendo no útero, mas raramente são sinal de uma anomalia mais profunda da coluna vertebral.

Possíveis complicações da fosseta sacral

Raramente, a fosseta sacral está associada com uma anomalia grave subjacente da coluna ou da medula espinal. Exemplos incluem:
  • A espinha bífida. Uma forma muito suave desta condição, chamada de espinha bífida oculta, ocorre quando a coluna vertebral não fecha corretamente ao redor da medula espinhal, mas a medula permanece dentro do canal espinhal. Na maioria dos casos, espinha bífida oculta não causa sintomas.
  • Síndrome de medula presa. Normalmente, a medula espinhal pende livremente dentro do canal espinhal. Síndrome de medula presa é uma doença que ocorre quando o tecido ligado ao cordão espinhal limita os seus movimentos. Os sinais e sintomas podem incluir fraqueza ou dormência nas pernas e incontinência intestinal ou da bexiga.
Os riscos destes problemas de coluna aumentarem a fosseta sacral são acompanhados por um tufo de cabelo ou determinados tipos de descoloração da pele.

Risco de contrair fosseta sacral

Não existem fatores de risco conhecidos para pequenas fossetas sacrais.
Algum tipo de anormalidade na região sacral é encontrado em cerca de 3% dos bebês normais.
Determinados fatores podem aumentar o risco de anomalias na coluna vertebral (por exemplo, ácido fólico insuficiente durante a gravidez ou a diabetes na mãe).


Como preparar a consulta médica relativa a fosseta sacral

Em geral, o seu filho não vai precisar consultar um médico para uma fosseta sacral. Se você tiver dúvidas sobre a fosseta sacral, você também pode colocar as questões durante as consultas médicas de rotina do seu filho.
Algumas perguntas que você pode querer colocar ao médico do seu filho incluem:
  • O meu filho precisa de quaisquer testes para ter certeza de que não há outra causa?
  • Será que a área precisa de qualquer limpeza ou cuidado especial?
  • É necessário promover qualquer tratamento?
  • A fosseta sacral pode ser associada a condições mais graves?


Testes e diagnósticos para fosseta sacral

As covinhas sacrais estão presentes no nascimento e são evidentes durante o exame físico inicial de uma criança. Na maioria dos casos, mais testes são desnecessários. Se a ondulação for muito grande ou for acompanhada por um tufo de cabelo ou por determinados tipos de descoloração da pele, o médico pode sugerir exames de imagem para descartar problemas na medula espinhal.

Estes testes podem incluir:

  • O ultrassom. Este procedimento não invasivo utiliza ondas sonoras de alta frequência para produzir imagens de estruturas do corpo.
  • A ressonância magnética. Se forem necessários mais detalhes, o médico pode recomendar uma ressonância magnética, que usa ondas de rádio e um forte campo magnético para criar imagens transversais do corpo.

Tratamento para fosseta sacral

Torna-se necessário realizar mais testes, apenas, quando a fosseta sacral tiver certas características como profundidade, aparência grande, aspeto incomum ou localização.
Fosseta sacral rasa sem quaisquer anormalidades associadas, normalmente não requer qualquer teste.
Quando necessário, o ultra-som é geralmente o primeiro teste realizado. Este é um teste simples e indolor que pode ajudar a determinar se o seu filho tem qualquer anormalidade mais profunda, que possa estar associada com a covinha sacral.
Ultra-som é normalmente feito nos primeiros 3 a 4 meses após o nascimento. Se o teste mostrar qualquer defeito de nascença relacionado com esta condição, o seu filho vai passar por uma avaliação mais aprofundada para diagnóstico e tratamento.

Quando recorrer ao médico

Recorra ao médico se houver alguma mudança na aparência, tais como:
  • Sinais de infecção (vermelhidão ou sensibilidade)
  • Fluido que drena da covinha.
4 comentários:
Anónimo disse...

O meu filho nasceu com a covinha sacral, tem medula ancorada. Hoje tem 7 anos e tem um pelo muito curtinho dentro da covinha. É perigoso? Responda por favor quicosousa20@sapo.pt

Antunes disse...

As covinhas sacrais que são acompanhadas de um tufo de pêlo podem ser associadas a problemas graves na coluna vertebral ou medula espinhal.
Deste modo, neste caso, a medula ancorada pode ser o problema associado.
Estima-se que 20 a 50 por cento das crianças com defeitos de espinha bífida reparados logo após o nascimento vão precisar de cirurgia em algum momento para soltar a medula ancorada.

Elaine Nunes disse...

Minha bebê tem dias e percebi isso hj qD juntou fezes nesse buraquinho, estou muito preocupada. Como proceder?

Paulo disse...

Seguir a orientação do pediatra...

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL